Yeshua de Apocalipse Um: Jeová, Jesus e Juízo

Publicado em: 27/04/2020 Categorias: 2020 / Revive Israel

Asher Intrater

O nome Jesus no original é Yeshua – ישוע.  Yeshua é uma forma abreviada de Josué, no original, Yehoshua – יהושע. Yehoshua significa Yehovah salva, tal como Josafá ou Yehoshaphat יהושפט significa Jeová julga.

O nome YHVH ou Jeová está inserido no nome Yeshua, mesmo que a maioria das pessoas não saiba. Assim como Yeshua veio para nos salvar, ele retornará para julgar, guerrear e governar as nações (Apocalipse 19.11-16).

Quando olhamos para os eventos do fim dos tempos, existem tremendas pragas e juízos que estão além da capacidade da maioria de nós de enquadrar na estrutura da nossa teologia ou do nosso entendimento de quem Deus é.

Há muito paralelo entre os eventos do fim dos tempos e os eventos da história do Êxodo. Os rabinos dizem: “A última redenção será como a primeira”. A vinda do Messias e o fim do mundo serão baseados no padrão encontrado no livro do Êxodo. Assim como foi com Moisés, será com o Messias.

No livro do Êxodo, Deus trouxe pragas catastróficas ao Egito para destruir seu império, levá-lo ao arrependimento e libertar o povo. Deus usou um homem (Moisés) para exercer autoridade para trazer essas pragas. (A palavra em hebraico para pragas é Makot –  מכות – significando golpe ou ferir. Poderia ter sido traduzido Os Dez Golpes.)

As pragas também foram descritas como um ataque do “destruidor” (Êxodo 12.13). No entanto, a ênfase do texto é que as pragas foram punições iniciadas por Deus, executadas pelos representantes humanos de Deus e aplicadas com um propósito predeterminado. O início e o fim de cada praga foram controlados por Moisés e Arão, que estavam obedecendo às ordens diretas de Deus.

Esses tipos de eventos retornarão no final dos tempos. (Leia o livro “Páscoa: a chave para abrir o livro do Apocalipse” de Dan Juster.) Haverá um império maligno do anticristo à imagem do império do faraó. Deus trará enormes juízos para destruir esse império. As pragas terão três objetivos principais:

  1. Advertir os ímpios da condenação iminente
  2. Trazer os pecadores a arrependimento e salvação
  3. Refinar os santos e gerar neles maior fé e pureza

Deus espera que seu povo na Terra esteja ativamente de acordo com seus juízos. Devemos cooperar com Deus pela fé, assim como ele esperava que Moisés e os israelitas fizessem. Teria alguma possibilidade de tudo isso se encaixar no nosso entendimento de Deus?

Devemos entender tanto a bondade de Deus quanto sua severidade (Romanos 11.22). Devemos expandir nossa compreensão de quem Deus é. Para entender os eventos do fim dos tempos, temos de entender as características de Deus em ação nestes tempos do fim. A revelação de quem Yeshua é no primeiro capítulo do Apocalipse precede todos os eventos do restante do livro.

Quando Yeshua nasceu, foi difícil para as pessoas entenderem que ele era Deus na forma de um ser humano, em um corpo normal e não glorificado. Depois que ele ressuscitou dentre os mortos, foi novamente difícil para os discípulos entender quem ele era. Ele veio numa forma diferente e eles precisaram de revelação adicional para reconhecê-lo. (Lucas 24.13-15).

Uma experiência semelhante aconteceu com Moisés em Êxodo 6.1-8. Deus diz a Moisés que o povo o conhece pelo nome El Shaddai, mas não o conhece pelo nome YHVH (Jeová). Ele continua listando cinco ou seis maneiras diferentes pelas quais ele agirá para trazer juízo nacional e redenção, características de seu nome YHVH.

Temos uma situação semelhante agora. Conhecemos Yeshua como o homem que caminhava pelo mar da Galileia. Mas não o conhecemos como YHVH-Yeshua, o comandante dos exércitos do céu, o juiz de toda a terra, o executor da ira de Deus, o rei onipotente e “Pantocrático” (que governa sobre tudo).

A fim de lidar com os eventos diante de nós, precisamos ter uma mudança radical em nossa compreensão de quem Yeshua é. Foi o que aconteceu com João na ilha de Patmos. Jó teve uma experiência semelhante com o redemoinho, Moisés na sarça ardente e os discípulos no caminho de Emaús.

João ficou chocado e transformado pela experiência em Patmos. Todos nós precisamos ter nossa própria experiência pessoal do tipo Patmos. Como podemos lidar com os eventos do livro do Apocalipse se não podemos lidar com o Yeshua do livro do Apocalipse?

Agora é a hora disso acontecer. Este é um momento crítico de transição “kairós”. Vamos ler e entender Apocalipse 1, para que possamos abraçar e experimentar os eventos do restante do livro.

Na Lei e nos Profetas, vejo o Anjo-Jeová aparecendo em uma forma divina glorificada quando ele estava fora de Israel, e em uma forma humana normal quando estava dentro de Israel (veja descrições de mais de 30 aparições do Anjo-Jeová em meu livro: “Quem almoçou com Abraão?”).

Yeshua tem duas formas: uma de glória e fogo e outra de aparência humana não glorificada. Ele veio pela primeira vez com uma aparência humilde normal, montado em um jumentinho (Zacarias 9.9; Mateus 21.1-9). Mas ele virá pela segunda vez na forma divina glorificada, montando um cavalo branco com olhos de fogo (Daniel 7.13-14; Apocalipse 19.11-16.).

Não soubemos como lidar com essa epidemia de vírus. O livro do Apocalipse fala de um terço da natureza sendo destruída e um terço da população humana sendo morto (Apocalipse 9.13-18; 16.1-9)! Para poder entender os eventos do livro do Apocalipse, precisamos entender o Yeshua do livro do Apocalipse.

Muitos dos judeus entenderam Yeshua de maneira errada na primeira vinda. Muitos cristãos provavelmente o entenderão mal na segunda. Isso não é mais uma questão de teologia teórica. Estamos atravessando a linha e entrando no fim dos tempos e precisamos entender o Yeshua do fim dos tempos.

Antes de Moisés enfrentar o faraó no Egito, ele precisava entender os poderosos meios de juízo e redenção de Jeová. Antes de enfrentarmos o fim dos tempos, também precisamos entender Yeshua como “Jeová-Jesus”. Os poderosos meios de juízo e redenção de Yehovah também estão no nome de Yeshua, e não percebemos isso.

Assim como Yehovah enviou Moisés e Arão para enfrentar o império maligno do faraó, Yehovah-Yeshua também está nos enviando para resistirmos aos poderes malignos da Besta no fim dos tempos (Apocalipse 11.8). A autoridade do nome Yehovah está inserida no nome Yeshua. Vamos retomar o clamor do Êxodo e o momento do Êxodo: “Deixe o meu povo ir!”.

De Ana para Ana

Asher Intrater ensina sobre o papel intercessório de Ana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *