Tempo e Geografia

Publicado em: 02/10/2017 Categorias: 2017 / Revive Israel

Asher Intrater

[Trecho do livro “Alinhamento”, Capítulo 10: Tempo e Geografia]

“…podes crer-me que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade…” (Jo 4.21-23)

Para adorar em espírito e verdade, não é necessário geografia ou tempo. Para adorar internacionalmente, não há necessidade de qualquer identidade étnica. No entanto, o reconhecimento de que a salvação vem dos judeus permanece como um fato da aliança divina.

Em grande parte do mundo internacional cristão, tem-se dado pouca importância para o tempo e a geografia, nos últimos dois milênios. Na visão de mundo judaica, tempo e geografia são de extrema importância. A geografia é descrita em termos de “Jerusalém, Judeia, Galileia e Diáspora”. O tempo é descrito pelo calendário do Shabat, Luas Novas e Dias Santos.

Yeshua deu uma estratégia básica aos discípulos em Atos 1.5-8. Eles deveriam permanecer em Jerusalém. Deveriam esperar pelo derramamento do Espírito Santo. Depois, deveriam sair de Jerusalém. Jerusalém seria destruída. Eles não saberiam o tempo de sua reconstrução.

O tempo está ligado a Jerusalém. Enquanto Jerusalém está no lugar, o tempo está contando. Quando Jerusalém é destruída, o tempo parece alterar as dimensões até o momento para a restauração retornar. Daniel estudou os escritos de Jeremias para determinar quando seria o tempo designado para reconstruir Jerusalém (Dn 9.2). Os mistérios do tempo e do não tempo, da geografia e da não geografia, fazem parte do mistério de Israel e da Igreja, dos judeus e dos gentios.

No primeiro século, o evangelho tinha uma direção clara: de Jerusalém até os confins da terra. Nos dois mil anos seguintes, houve um pouco menos de ênfase na direção. Neste último século, uma ênfase estratégica retorna, e a direção reverte dos confins da terra de volta a Jerusalém.

Quando Yeshua disse aos seus discípulos que não pertencia a eles saberem os tempos estabelecidos pelo Pai, ele quis dizer que não era hora de restaurar Jerusalém; portanto, não havia necessidade de eles saberem. Deus certamente quer que conheçamos o tempo e a estação em que vivemos em qualquer ponto da história, para que possamos obedecer a ele no nosso tempo presente. Quando chegar o momento de obedecer, você saberá que tempo é e o que fazer.

Lembremos que um período de 50 anos é bastante simbólico nas Escrituras e é chamado de Jubileu. Ninguém sabe as datas exatas dos anos originais dos jubileus bíblicos. De qualquer forma, é fascinante notar esta passagem de tempo:

1517: O império Otomano conquista Jerusalém
1517: Início da Reforma Protestante de Lutero
1917: Protestantes britânicos conquistam Jerusalém
1967: Nação judaica conquista Jerusalém
1967: Renovação carismática
2017: Alinhamento global e evangelismo muçulmano

Vamos resumir estes anos:

1517 era 500 anos atrás ou 10 jubileus,
1917 era 100 anos atrás ou 2 jubileus,
1967 era 50 anos atrás ou 1 jubileu.

Israel se tornou uma nação em 1948. O ano de 2018 marcará 70 anos a partir daquele ano. Um período de 70 anos é descrito como momento decisivo para a restauração do Reino para Israel (Jr 25.11/ 29.10; Dn 9.2,24). O período de 70 anos é atravessar para um novo paradigma, diferente do que aconteceu anteriormente. É passar para a próxima etapa histórica.

O ano de 2018 é uma conclusão de 70 anos para o Estado de Israel. Agora é o tempo para iniciar a próxima etapa. É a hora para a restauração espiritual surgir a partir da restauração natural. É o tempo da etapa de reavivamento dentro do processo de restauração da nação de Israel. É hora de o remanescente messiânico de Israel tomar seu lugar.

A Segunda Vinda e as Festas de Outono

Os feriados judaicos apontam profeticamente para a primeira e a segunda vinda de Yeshua e traçam o plano redentor de Deus para Israel e toda a humanidade.

Legendas disponíveis em: Chinês, Dinamarquês, Francês, Italiano, Coreano, Polonês e Português (BR)!

O Segredo de Belém

Sarah Singerman and Malek Gavris

No Novo Testamento, antes da crucificação, Yeshua não só usou o pão como símbolo de sua carne na Ceia do Senhor, mas também se comparou ao maná que Deus enviou do céu aos israelitas no deserto (Jo 6.32-33, 48-51).

O corpo ou carne dos sacrifícios de animais do sacerdócio levítico também simbolizava o sacrifício de Yeshua na cruz como cumprimento das exigências da Torá para a remissão do pecado. O apóstolo João disse que Yeshua era “a Palavra [ou Verbo] (que) se tornou carne e habitou entre nós…”, fazendo Yeshua o pão do céu e a palavra que se tornou carne.

O profeta Miquéias predisse que o lugar de nascimento do Messias seria em Belém de Judá (Mq 5.2). Enquanto Belém em hebraico significa “Casa de Pão”, em árabe significa “Casa de Carne”, ou “corpo”.

Coincidência?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *