Só em Israel

Publicado em: 08/11/2021 Categorias: 2021 / Revive Israel

Um movimento global de avivamento e restauração a partir de Jerusalém para Judeia e Samaria, chegando aos confins da terra e voltando novamente para Israel…
Só em Israel
Betty Intrater
Há aqui um ditado popular que diz: “Só em Israel”. Refere-se a situações incomuns, às vezes peculiares, às vezes contraditórias, em que você se encontra, particularmente relacionadas à cultura, clima ou personalidade de nosso país.

Nunca fui capaz de explicar a pessoas de fora a relação entre judeus e árabes em Israel. Do exterior, pode parecer que só existe violência. No entanto, isso está longe de ser verdade. Na verdade, há muita integração no local de trabalho e na comunidade. Nosso atual ‘Corona Czar’ é um professor árabe israelense e há um juiz árabe israelense na Suprema Corte. Há uma piada que diz que você deve ser árabe para trabalhar como farmacêutico porque essa profissão é muito dominada por árabes israelenses, e há muitos enfermeiros e médicos árabes, tanto homens quanto mulheres.

Por outro lado, há violência e tensão, principalmente com os árabes palestinos dos territórios em disputa. Lembro-me de quando viemos para Israel pela primeira vez e vivíamos em uma área geograficamente sensível. Trabalhadores árabes da construção civil construíram casas em um local patrulhado por guardas armados judeus. No entanto, a creche do meu filho era aberta todas as manhãs pelo querido trabalhador árabe de manutenção que possuía a chave mestra.

Há alguns anos atrás, houve vários casos em todo o mundo de ataques muçulmanos a “infiéis”, muitas vezes membros da família, em que o agressor atirava gasolina ou produtos químicos no rosto da vítima. Naquela época, tive uma infecção ocular e marquei uma consulta com o oftalmologista local. Não pude deixar de reparar seu primeiro nome muçulmano. Quando me sentei na cadeira e deixei o Dr. Mohammed verter colírio nos meus olhos, não perdi a ironia da situação.

Hoje estava prevista a chegada do nosso novo conjunto de mesa e cadeira de cozinha. De manhã cedo houve notícias de uma tentativa de esfaqueamento no centro da cidade. Mais tarde, a sentença de um árabe palestino que esfaqueou dois cidadãos no mês passado, seria dada.

Ao meio-dia, ouvi uma batida na porta. Dois homens, cada um com aproximadamente o dobro do meu tamanho, ficaram de pé com várias caixas grandes. Com alguma inquietação, deixei-os entrar. Quando começaram a trabalhar, conversando um com o outro em árabe, um virou-se para mim. “Você tem uma faca?”, perguntou ele. “Que tipo de faca?” respondi tentando agir naturalmente. “Qualquer tipo de faca serve. Não consigo abrir a caixa”. Abri a gaveta e deixei-o escolher uma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *