Seu Jugo É Suave

Publicado em: 05/05/2012 Categorias: Arauto / Prosseguindo Para Obter o Prêmio

Arauto - Ano 13 - nº 02 - Abr/Jun 1995

Por: Samuel L. Brengle

“Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus.”
“Judas, servo de Jesus Cristo.”
“Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo.”
“Paulo e Timóteo, servos de Jesus Cristo.”
“Paulo, servo de Deus.”

Dessa forma, ousada e orgulhosamente, escreveram Tiago, Judas, Pedro e Paulo em uma época em que a obra e o serviço eram uma insígnia de inferioridade e vergonha. Aquela época com seus falsos estandartes e glórias corruptas estava condenada e quase morta, e estes primeiros seguidores de Cristo ficaram no limiar, para introduzir uma nova era na qual o serviço iria se tornar uma insígnia de realeza e uma marca característica dos filhos de Deus e dos cidadãos dos céus sobre a terra. A palavra servo usada por eles significava escravo. Eles se consideravam escravos de Deus e de Cristo…

Não era a escravidão da obrigação e da lei, mas a escravidão espontânea e contente de amor. Esta foi a atitude voluntária de Paulo, de Judas, de Pedro e Tiago. Jesus os ganhara pelo amor. Eles haviam se sentado aos pés do Grande Servo do Amor que não veio para ser servido mas para servir, para ministrar aos outros, para dar a Sua vida em resgate de muitos. Eles O tinham visto dar de Si mesmo ao pobre, ao fraco, ao sobrecarregado, ao vil, ao pecador e ao ingrato. Tinham visto Sua vida abençoada sendo derramada.

Eles O viram “traspassado por nossas transgressões…moído por nossas iniquidades,” castigado para nossa paz e ferido para que pudéssemos ser curados, e seus corações foram curvados e quebrados por Seu grande amor. Dali em diante, eles se tornaram Seus escravos, não mais livres para irem e virem à vontade, mas somente conforme Ele desejasse, pois as cadeias do amor os detinham e a paixão ardente de amor os constrangia.

Tal servidão e serviço se lhes tomaram a mais perfeita liberdade. Sua única alegria era fazer aquelas coisas que eram agradáveis a Sua vista. Postos em liberdade para fazer isto, sua liberdade era completa, pois somente é livre aquele que pode fazer sempre aquilo que lhe agrada. O escravo do amor não tem prazer maior do que servir o seu mestre. Esta é a sua alegria, e sua “coroa de alegria.”

O escravo do amor está totalmente a serviço do seu Mestre. Ele é todo olhos para o seu mestre. Ele observa. Ele é todo ouvidos para seu mestre. Ele ouve. Sua mente é espontânea. Suas mãos estão prontas. Seus pés estão prontos.

Sentar aos pés do mestre e contemplar sua face amada; ouvir sua voz e captar suas palavras; fazer os seus mandados; cumprir suas ordens; compartilhar suas privações e tristezas; vigiar sua porta; guardar sua honra; louvar seu nome; defender sua pessoa; buscar e promover seus interesses e se necessário for, morrer por amor a ele – esta é a alegria do escravo do amor e para ele é a sua perfeita liberdade…

“O meu jugo é suave e o meu fardo é leve” disse Jesus (Mt 11:30). Este é o Seu jugo suave e fardo leve. O Seu jugo é o jugo de amor, e é suave. O amor o torna suave. O Seu fardo é o fardo de amor e, por isso, é leve. O amor o torna leve.

Para o pecador, o jugo parece intolerável, o fardo parece insuportável. Mas para aqueles que entraram no segredo do Mestre, o Seu jugo é a insígnia da liberdade e o Seu fardo dá asas à alma.

Isto é santidade. É a totalidade da consagração e devoção. É a singeleza do olhar. É o amor perfeito que expulsa o medo. O escravo do amor não teme o mestre, pois se alegra na vontade do mestre. “Não se faça a minha, mas a Tua vontade”; “mesmo que Ele me mate, ainda assim confiarei Nele,” diz o escravo do amor. Não pode haver medo onde existe tal amor.

Esta é a pureza do coração alcançada pelo poder de exclusão de uma nova e superior paixão e propósito. O pecado e o egoísmo são consumidos pelo fogo ardente deste grande amor. Aleluia!

Esta é a religião que se fez suave. É isto que significa vir o Reino de Deus, ser feita Sua vontade na terra e no céu. Pois, o que mais os anjos podem fazer do que servir a Deus com este amor altruísta e apaixonado?

Você Precisa Escolher

Você pergunta: “Como entro no domínio deste amor doce e suave e ao mesmo tempo tão poderoso?” Eu respondo, por sua própria escolha e pela revelação de Deus de Si mesmo para a sua alma. Se, no momento, o seu amor a Ele é algo muito pobre e impotente, é porque você não O conhece, você não se aproximou o suficiente para ver a beleza Dele.

“Meu Deus, quão belo Tu és!” é a linguagem de uma alma que está aprendendo a conhecê-Lo. Então vem o reconhecimento:

Tu te abaixaste para pedir de mim O amor do meu pobre coração.

Para os homens deste mundo Ele não é belo, pois eles procuram vê-Lo. Deixe-O se revelar que você se apaixonará por Ele. O apóstolo Paulo viu Sua glória e ficou cego por ela. Os outros apóstolos viveram com Ele e caminharam ao Seu lado. Eles o amavam porque O conheciam muito bem.

Por esta razão puderam tomar a grande decisão. Como Moisés, “preferiu ser maltratado com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado; porquanto considerou o opróbrio de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros do Egito”.  Assim, você também deve escolher. A escolha deve ser completa e deve ser final.

Então, como um escravo do amor você deve esperar no Mestre. Se Ele estiver calado com você, vigie. Quando Ele falar com você, ouça. O que Ele diz a você, faça. Sua vontade está registrada na Sua Palavra. Busque as Escrituras. Medite nelas dia e noite. Esconda a Sua Palavra no seu coração. Não seja esquecido.

Reserve tempo para buscar Sua face. Já imaginou um escravo tão ocupado que não dá para esperar no mestre, para descobrir os seus desejos! Reserve um tempo, ache tempo, crie um tempo para buscar ao Senhor, e Ele será achado por você. Ele se revelará a sua alma ansiosa e amorosa, e você conhecerá as doces compulsões da escravidão que é amor.

De Escravos do Amor.

Uma resposta para “Seu Jugo É Suave”

  1. eduardo jose disse:

    Realmente, preciso torna-me escravo do amor, amor que constrange mostrando-nos o caminho e a vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *