Raízes Judaicas Parte III

17/04/2017 Publicado por: Revista Impacto
Categorias: 2017 / Revive Israel

Chag Pessach Sameach!

Esperamos que tenha tido uma Páscoa muito feliz! Gostaríamos também de aproveitar esta oportunidade para lhe agradecer pelas suas contínuas orações e por tomar o tempo toda semana para ler este informativo. Você torna este ministério possível enquanto trabalhamos juntos para avançar o reino de Yeshua na Terra! Obrigado novamente por todo o seu amor e apoio. Você é uma bênção!

Raízes Judaicas Parte III

Nas Partes I & II nós definimos essa raiz que Paulo está discutindo em Romanos 11. Você provavelmente notou que esta definição é uma combinação de 3 das 4 definições tradicionais dadas na história da igreja (ver o final da parte 1). Mas por que Jesus não é, ele mesmo, a raiz? É claro, Yeshua é a fonte e o fundamento de todos, aquele por quem e para quem tudo foi criado! (Cl 1.16). Mas este não é o assunto de Romanos 11, e o versículo 18 deixa claro que o ensinamento aqui é sobre a correta relação entre diferentes grupos de pessoas no Corpo do Messias, e não a identidade ou a divindade de Yeshua.

Aplicação para Hoje

Honre suas raízes! Honre aqueles que o precederam e lhe trouxeram o Evangelho!

Em muitos lugares, a Bíblia nos ensina a honrar aqueles que nos precederam na fé, aqueles que defenderam a verdade – e sofreram – por seu testemunho. Hebreus 11, começando com o justo Abel, fala de uma “nuvem de testemunhas” – uma longa lista de “santos” da Aliança Antiga cujos testemunhos e memórias devemos honrar e usar para nossa própria aprendizagem. Os Dez Mandamentos nos ensinam a importância de honrar nossa mãe e nosso pai. Mas, em Romanos 11, o apóstolo é mais específico: os cristãos romanos e gentílicos deveriam honrar os judeus entre eles, como aqueles que representavam a Igreja de Jerusalém, os primeiros apóstolos por intermédio de quem receberam a fé cristã e a história bíblica de Israel.

Mas se Paulo estivesse vivo hoje, será que escreveria a mesma coisa? Após um longo hiato de cerca de 1600 anos, há mais uma vez um “remanescente” judaico reconhecível no Corpo de Cristo. De acordo com a metáfora da oliveira de Romanos 11, há agora (em número crescente!) ramos judaicos que foram graciosamente “re-enxertados” em nossa própria oliveira (11.23). E além disso, muitos de nós vivemos em uma nação renovada e independente chamada “Israel” na terra prometida aos nossos patriarcas bíblicos, representando assim o cumprimento de muitas profecias bíblicas. Mas será que compartilhamos a mesma proximidade com a raiz daqueles “ramos” judaicos no século I? A advertência do apóstolo “soa” da mesma maneira hoje? Sim e não…

Primeiro o “sim”: ao concluir o ensinamento de Romanos 11, o apóstolo declarou a respeito dos descendentes físicos dos patriarcas (Abraão, Isaque e Jacó, etc.): pois os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis ​​(v.29). Nós, os ramos judeus, ainda somos aqueles descendentes – portanto, quaisquer dons e vocação irrevogáveis, qualquer que seja o caráter de “raiz” representados pela identidade dos crentes judeus do primeiro século, ainda fazem parte daquilo que os judeus messiânicos podem reivindicar hoje. Em nossos corpos, na terra prometida e na plenitude da fé messiânica, representamos uma continuidade e uma conexão a toda a gama de promessas e alianças bíblicas.

Mas há também um “não” aqui, uma situação que é muito diferente, até mesmo inversa à do primeiro século. Naquela época, Paulo advertiu os gentios dizendo: “não se esqueçam de seu endividamento aos judeus e à igreja de Jerusalém – vocês receberam o Evangelho deles!”. Mas ao longo das últimas gerações do reavivamento judaico-messiânico, quem amou, deu testemunho, discipulou e treinou a grande maioria dos judeus crentes foram os cristãos gentios e suas igrejas. Poderíamos dizer: 2 mil anos atrás, Israel deu à luz a Igreja, mas hoje a Igreja deu à luz um Israel renovado!

Creio que se o apóstolo escrevesse hoje, ele advertiria a nós, judeus messiânicos, de uma espécie de arrogância em relação à Igreja que diz: “Nós somos os ramos nativos, mais próximos à raiz; mesmo eu tendo chegado à fé num ambiente cristão, agora eu tenho mais conhecimento, agora posso encontrar a minha identidade como judeu messiânico sem precisar da Igreja!” Digo isto porque surgiu uma tendência muito real entre alguns judeus messiânicos de não querer se identificar de maneira alguma com o “cristianismo” ou a “Igreja”; alguns até falam de uma “eclesiologia dupla”, como se houvesse duas oliveiras, ou duas partes inteiramente distintas do Corpo de Cristo – uma judaica e outra gentia.

Por causa dos sentimentos antijudaicos e das doutrinas históricas da Igreja, essa tendência pode ser compreendida, podemos até simpatizar com ela. Mas temos de resistir a qualquer tentativa de legitimar ou institucionalizar essa atitude. Nosso Messias, Rei e Salvador é judeu; os apóstolos judeus deram à luz a igreja primitiva, que é um todo, orgânico, uma oliveira que continua crescendo e espalhando seus ramos entre as nações. Embora acreditemos firmemente na existência de congregações judaico-messiânicas, creio que a advertência do apóstolo hoje viria a nós, implorando para que permanecêssemos conectados com os gentios e que os honrássemos – e a suas igrejas – porque foi por meio deles que recebemos a fé cristã / messiânica em nossos dias.

Assim, como judeu e gentio juntos no Messias, devemos levar a advertência contra o orgulho muito a sério! Romanos 11.11-15 deixa claro que a nossa restauração à oliveira, comparada a uma ressurreição dos mortos (versículo 15), deve ser uma grande bênção de riquezas do Evangelho e reconciliação para todas as nações!

Quem é Israel?

Ariel responde à pergunta que vem sendo discutida desde a época dos primeiros crentes – “Quem é Israel?”

Para assistir em inglês, clique aqui.

Ajuda de tradutores necessária!

Se você está interessado em se envolver de uma forma mais prática, estamos atualmente procurando mais voluntários para transcrever nossos vídeos em inglês. Tudo o que você precisa é um comando do idioma Inglês, o acesso a um computador com internet, habilidades básicas de digitação e tempo. Este trabalho permite-nos fornecer legendas em inglês, bem como em outras línguas. Se você estiver interessado em voluntariar, entre em contato com Sarah (sarah@reviveisrael.org). Obrigado!

2 respostas para “Raízes Judaicas Parte III”

  1. Priscila Lima disse:

    A paz do Senhor Jesus! Irmãos da equipe Revive Israel, eu os amo com o amor de Cristo. E os abençôo em nome de Jesus! Vocês também são uma bênção! Que Deus abençoe e faça o ministério de vocês frutificar, que a cada dia o Senhor Jesus,tire as escamas dos olhos do povo judeu para que aceitem Jesus como o Messias, que multiplique o número de judeus que crêem em Jesus e o amam verdadeiramente.Que o Senhor também tenha misericórdia dos cristãos e nos livre de tudo o que tem tirado nosso foco de Jesus.Gostaria de ajudar com as traduções mas não sei muito bem inglês, mas orem para que eu consiga aprender para contribuir com vocês, pois esse é o desejo do meu coração.A paz do Senhor Jesus esteja com vocês!

    • Revista Impacto disse:

      Priscila, a paz do Senhor Jesus! Agradecemos muito seu comentário.
      Entre sim em contato através do e-mail para ajudar com as traduções, será de grande bênção sua disposição!
      Deus a abençoe!
      Equipe Impacto Publicações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *