Quando Deus Retira Sua Glória

Publicado em: 12/02/2012 Categorias: A Trombeta Está Soando, Mas Ninguém Está Alarmado! / Arauto

Arauto - Ano 21 - nº 03 - Mai/Jun 2003

Por: Del Fehsenfeld Jr.

Através dos meus estudos das Escrituras e da história da igreja, só posso concluir que nada menos que um genuíno avivamento poderá nos poupar do juízo de Deus. Precisamos de verdadeiro avivamento – não de uma campanha de avivamento, com reuniões devidamente programadas e divulgadas – porém, de um autêntico mover de Deus em que seu povo se humilhe, ore, busque sua face e abandone seus caminhos perversos. Precisamos sentir convicção de pecados, ser purificados e transformados pelo poder do Espírito Santo. Só assim ele poderá manifestar sua glória através de nós a um mundo perdido que precisa desesperadamente da sua graça.

Uma igreja apóstata, centrada em si mesma, não tem interesse em evangelizar os perdidos, nem tem poder de Deus para convencer as pessoas dos seus pecados. Não podemos permanecer do jeito que estamos e esperar conquistar o mundo para Cristo. Só quando adotamos os valores, as prioridades e as preocupações do coração de Deus é que poderemos ser capacitados pelo seu Espírito para cumprir nosso verdadeiro chamamento de ser o sal da terra e a luz do mundo.

O avivamento é necessário para trazer a igreja de volta ao cristianismo do Novo Testamento e liberar o poder de Deus na nossa geração. Tal avivamento nos santificará e nos purificará, trazendo maior arrependimento pelo pecado em nossas vidas. Também nos revestirá com o poder do Espírito Santo, para não termos de usar nossas engenhosas estratégias, soluções e artimanhas humanas. Levará nossos corações a correr após Deus com novo vigor e devoção. E, finalmente, tal avivamento nos dará uma nova visão da obra de Deus nesta terra.

Quando o avivamento vier, levará embora tudo que não glorifica a Deus, e nos deixará focados nele, somente nele. Seremos incapazes de nos interessar em qualquer outro objetivo ou atração. A madeira, o feno e a palha do esforço humano serão consumidos pela presença de Deus. Somente o ouro, a prata e as pedras preciosas, que são resultado de atividade sobrenatural, permanecerão. Enquanto Deus forma seu caráter em nós, a glória da sua presença se manifestará através das nossas vidas.

O clamor de coração por avivamento foi expresso pelo salmista quando escreveu: “Porventura, não tornarás a vivificar- nos, para que em ti se regozije o teu povo?” (SI 85.6). Quando Deus é glorificado em nossas vidas, experimentamos o verdadeiro propósito para o qual fomos criados. Então, e somente então, poderemos conhecer o poder da sua presença e a alegria da nossa salvação.

A glória de Deus é a manifestação da sua presença. Em todo lugar onde Deus for reconhecido, adorado e obedecido, ele manifestará sua glória. Os israelitas no Velho Testamento a chamavam shekinah ou a glória de Jeová. Moisés a viu e seu rosto passou a brilhar, por ter estado na presença de Deus. Mais tarde, a shekinah pousou sobre a arca da aliança, no tabernáculo, por quase quinhentos anos. Finalmente, a arca foi colocada no templo de Salomão em Jerusalém. Lá permaneceu por mais de quatrocentos anos.

Por quase um milênio, a glória de Deus habitou com o povo de Israel. Mas chegou um tempo quando Deus retirou sua glória e partiu, deixando Israel sem esperança contra seus inimigos. Se nós, hoje, não nos arrependermos dos nossos pecados, receio que o mesmo ocorrerá conosco. Na verdade, Deus já pode estar se retirando de nós.

Quando a Glória se Afasta

Ezequiel, que era, ao mesmo tempo, um profeta e um sacerdote, foi levado ao cativeiro pelos babilônios. Enquanto estava no cativeiro, Deus lhe apareceu do meio de um redemoinho, numa grande nuvem de glória e fogo, semelhante àquela que guiou os israelitas, enquanto caminhavam pelo deserto. A visão de Ezequiel nos leva a uma estranha jornada à terra de Israel, quando foi arrebatado pelo Espírito de Deus e transportado de volta a Jerusalém.

Os babilônios haviam tomado o poder naquela região do Oriente e estavam ameaçando o reino de Judá. Profetas como Jeremias, Daniel e Ezequiel levantavam a voz para advertir o povo do iminente desastre que viria, se o povo não se arrependesse dos seus pecados – porém, o povo não deu ouvidos aos avisos.

Jerusalém estava às margens do desastre. Mais um ato de rebeldia e os babilônios ameaçavam voltar e destruir a cidade e seu amado templo. Durante os dez anos seguintes, o povo se recusou a arrepender-se e a buscar o Senhor. Ao invés disso, aprofundaram-se ainda mais na idolatria e na corrupção do pecado.

Os cativos, como Ezequiel, esperavam por alguma notícia de avivamento espiritual, lá da sua amada terra natal. Quem sabe, Jerusalém ainda seria poupada – porém, nenhuma notícia de avivamento chegou aos seus ouvidos. Pelo contrário, as Escrituras nos dizem:

“Também todos os chefes dos sacerdotes e o povo aumentavam mais e mais as transgressões, segundo todas as abominações dos gentios; e contaminaram a casa que o Senhor tinha santificado em Jerusalém. O Senhor; Deus de seus pais, começando de madrugada, falou-lhes por intermédio dos seus mensageiros, porque se compadecera do seu povo e da sua própria morada. Eles, porém, zombavam dos mensageiros, desprezavam as palavras de Deus e mofavam dos seus profetas, até que subiu a ira do Senhor contra o seu povo, e não houve remédio algum” (2 Cr 36.14-16).

O que poderia ter acontecido para chegar a este ponto de não existir mais remédio? Ezequiel iria descobrir de primeira mão. Deus lhe disse que havia colocado Jerusalém estrategicamente “no meio das nações” (Ez 5.5). Mas, ao invés de permanecer fiel a Deus como testemunha àquelas nações, ela mudara as ordens do Senhor em maldade e rebelara contra suas leis. Por isto, Deus anunciou-lhe: “Eis que eu, eu mesmo, estou contra ti… por causa de todas as tuas abominações” (Ez 5.8,9).

O Espírito de Deus, então, levantou Ezequiel e o transportou a Jerusalém, ao templo. O profeta testificou que a glória de Deus ainda estava lá (Ez 8.4), mas ficou chocado ao ver o que mais estava naquele lugar sagrado. Primeiro, viu ali um ídolo pagão babilônio (uma “imagem de ciúmes”), à porta do altar. Depois, Deus cavou um buraco na parede do santuário, para deixar Ezequiel ver dentro da casa de Deus (Ez 8.7).

Quando o profeta entrou, viu os ídolos da casa de Israel (o reino do norte), semelhantes a répteis e animais abomináveis, pintados sobre as paredes (v. 10). Na porta do santuário, viu mulheres chorando por Tamuz, uma deusa assíria (v. 14). Finalmente, encontrou vinte e cinco homens, de frente para o oriente, e de costas para o templo, adorando o deus egípcio do sol (v. 16).

Eu creio que Deus quer rasgar um buraco na parede da igreja hoje e expor seu pecado. Somos fracos e impotentes para impedir a maré de humanismo e modernismo, porque não somos um povo santo de Deus. Se pudéssemos ver o interior das vidas dos pregadores, líderes e povo de Deus em geral, ficaríamos abismados. Revelações recentes de corrupção moral e financeira na vida de alguns dos mais proeminentes representantes cristãos são apenas a ponta do iceberg de decadência espiritual e moral nas nossas igrejas.

As sociedades ocidentais estão em apuros hoje porque suas igrejas estão em apuros. Não temos direção nesta hora de crise porque não temos líderes espirituais. Muitos dos pregadores mais famosos estão mais interessados em promover a si mesmos do que em promover a Jesus Cristo.
Estão mais preocupados com sua própria prosperidade material do que com o bem-estar espiritual da igreja. Abra um buraco na parede de hipocrisia da igreja atual e certamente verá as pessoas se inclinando aos ídolos deste século também.

Tudo isto deve ter parecido inacreditável ao profeta Ezequiel. Como o povo de Jerusalém poderia se abaixar a tal corrupção e ainda esperar o favor de Deus? Talvez estivessem apenas achando que seu favor era um privilégio automático. Muitos acreditavam que Deus nunca permitiria que seu templo fosse destruído; assim, tinham um falso senso de segurança. Estavam confiando no edifício e não no Senhor.

Outros sabiam que a glória shekinah repousava sobre a arca da aliança no Santo dos Santos. Tão poderosa era a glória de Deus que ninguém ousava olhar dentro da arca, nem se aproximar dela. Mesmo o sumo sacerdote só podia entrar no Santo dos Santos uma vez por ano no Dia da Expiação.

Certamente, Ezequiel deve ter se perguntado como Deus podia permanecer com seu povo, quando este havia violado seu templo de forma tão severa. Foi então que algo aconteceu que Ezequiel pensou que nunca presenciaria – a glória de Deus partiu! Em três estágios distintos, a glória de Deus se levantou do querubim onde estava (10.4), saiu da entrada da casa (10.18), e finalmente subiu da cidade, indo para o monte ao oriente (11.23).

Posso apenas imaginar a glória shekinah começando a sair da arca pela primeira vez em mil anos. Oh, como Deus devia estar entristecido! Aos poucos, a nuvem de glória saiu das asas do querubim e começou a levantar-se acima da arca da aliança. Mais e mais alto subia, até que a nuvem encheu o átrio exterior, e depois começou a se afastar do templo, deixando-o vazio, escuro e sem vida.

Ninguém Notou Que Deus Foi Embora

Aos poucos, e com pesar, Deus foi embora de Jerusalém, e ninguém notou, com exceção de Ezequiel. Todos estavam ocupados demais com suas rotinas diárias, agendas cheias e rituais religiosos, para observar que Deus os havia abandonado. Só podemos presumir que, durante os anos seguintes, continuaram brincando de religião sem Deus. Talvez o sumo sacerdote mentiu ao povo, quando entrou no Santo dos Santos aquele ano e descobriu que estava escuro, e que a glória de Deus não estava mais lá. Afinal, não daria para contar ao povo que a glória de Deus desaparecera. O que pensariam? Por isso, provavelmente ficou quieto e não confessou que a glória já tinha partido.

Estou profundamente incomodado com a situação das nossas igrejas hoje. Estão cheias dos ídolos da civilização moderna. Achamos que podemos ter tudo que este mundo tem para oferecer e, de alguma forma, ficar com Deus também. A profecia de Ezequiel foi dirigida à nação de Israel, que tinha um relacionamento especial de aliança com Deus. Porém, há uma semelhança marcante com a igreja no mundo ocidental hoje. As acusações do profeta de Deus não foram direcionadas aos babilônios pagãos, mas ao povo de Deus.

Há gente demais fazendo os atos exteriores da religião, porém sem a presença de Deus. Temos cultos, programas, projetos, casamentos, funerais, e comunhão; porém não temos a presença e o poder de Deus. Billy Graham disse uma vez que se o Espírito Santo fosse embora da igreja, 90% de todas as atividades continuariam sem qualquer alteração!

Grande parte do que acontece nas nossas igrejas pode ser explicada por esforço próprio, diligência e manipulação psicológica. Nunca me esquecerei do que Adrian Rogers disse, certa vez, em uma conferência de quatro mil homens: “Não podemos esperar que alguém acredite em nós enquanto pudermos ser explicados”. Só a intervenção inexplicável de Deus no coração do seu povo poderá demonstrar seu verdadeiro poder ao nosso mundo hoje.

O problema é que as coisas não estão melhorando. Charles Colson disse: “Há uma sensação de que as coisas estão desmoronando e que, de alguma forma, a liberdade, a justiça e a ordem estão desvanecendo imperceptivelmente. Nossa grande civilização talvez ainda não esteja em ruínas fumegantes, mas o inimigo está dentro dos nossos portões. A época parece lembrar o pôr-do-sol…”

Esta sensação assustadora das trevas que avançam sobre nós é o que preocupa os líderes cristãos de hoje. Como crianças que têm medo do escuro, gostaríamos de correr e nos esconder. Mas, no nosso medo, esquecemo-nos de que nossa maior arma contra as trevas é a luz da Palavra de Deus e a presença do seu Espírito em nossas vidas. Como Israel na antigüidade, somos recipientes da glória de Deus, porque ele habita em nós. E, como naquele tempo, a igreja hoje parece estar perdendo a glória, embora poucos queiram admiti-lo.

Os problemas que enfrentamos hoje não são uma questão de apenas alguns elementos corruptos no nosso meio. Receio que se trata de um mal canceroso que está corroendo a própria fibra do cristianismo. Nossa condição é profunda e séria, e não vai simplesmente desaparecer. Deus está se afastando de nós pelas mesmas razões que foi embora de Israel. Se não nos arrependermos do nosso egocentrismo e maldade, ele também nos deixará aos nossos próprios recursos, até que não haja mais “remédio”.

Del Fehsenfeld Jr. foi fundador do ministério Life Action Ministries, que continua até hoje, mesmo após o seu falecimento em 1989.

4 respostas para “Quando Deus Retira Sua Glória”

  1. Valter Miranda disse:

    Este texto reflete de fato o cenário atual das igreja do século 21 onde muitas mas não todas, passaram a gostar da zona de conforto em suas estruturas bem equipadas. Deixaram de ter o contato com as ovelhas perdidas de Israel. A receita financeira tomou a prioridade. Agora deixam seus templo abertos o dia inteiro. Pensando em Almas? Sei….. Deus continue abençoando os idealizadores desta matéria. Vamos reter bem aquilo que recebemos do Senhor Jesus Cristo para que ninguém tome a nossa coroa. Deus abençoe a todos os verdadeiros adoradores.

  2. Valéria disse:

    Ninguém vai roubar minha coroa em nome de Jesus.

  3. Gisele disse:

    Realidade da igreja hoje.

  4. Rejane disse:

    Triste realidade, e a igreja perece por falta de conhecimento na palavra de Deus, pois é ela que nos liberta e nos traz a reflexão para sermos verdadeiros adoradores e seguidores de Jeová o grande eu sou..
    Desperta o igreja, as vezes queremos falar de igreja tal, igreja tal, nos esquecemos que nós somos a igreja, o Espírito Santo deve ser nosso guia, por isso precisamos ouvir sua voz, mas por vezes nos fazemos de surdo..
    Só a infinita bondade do Senhor Jesus pra despertar a igreja, porque a hora está a porta, logo Ele vem e aí, o que temos a oferecer…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *