Oração e o reino vindouro

Publicado em: 06/03/2016 Categorias: Arauto / Permanecei firmes contra as crescentes trevas

Arauto - Ano 33 - nº 04 - Out/Dez 2015

Dave Butts

Deus está convocando sua Igreja à oração para preparar o caminho para o iminente retorno do seu Filho. Num sentido muito real, é uma proclamação de João Batista: “Preparai o caminho do Senhor!”.

Na maioria dos casos, Deus não faz nada relacionado aos homens na Terra independentemente da oração. Quando ele está preparando o terreno para fazer algo, a primeira coisa que faz é despertar seu povo para orar. Foi assim quando enviou seu Filho para o mundo há 2 mil anos. Dois intercessores idosos, Ana e Simeão, estavam orando apaixonadamente para a vinda do Messias. Temos todo motivo para acreditar que ele está agindo no mesmo sentido hoje.

Se isso for verdade, então não há nada mais importante para a Igreja aprender hoje do que como desempenhar seu papel na oração. Orar não pode mais ser visto como uma questão secundária ou uma atividade para os especialmente espirituais. Está no próprio centro daquilo que Deus deseja fazer no mundo hoje. Oração dirigida pelo Espírito sempre girará em torno de três conceitos fundamentais: oração por avivamento, oração por evangelismo e oração de atalaia.

Oração por avivamento

Deus está chamando seu povo para despertar! “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará” (Ef 5.14). Avivamento acontece quando a igreja que dorme acorda e começa a experimentar a presença de Jesus de maneira nova. Não pode existir dúvida alguma quanto à necessidade desesperada de avivamento e despertamento espiritual na Igreja hoje. Qualquer estudioso de avivamentos sabe que Deus sempre move seu povo à oração antes de enviar um despertamento geral.

Há décadas, algumas pessoas em diversas nações começaram a prever a necessidade de avivamento e se puseram a lançar os alicerces de oração para que houvesse um novo mover de Deus. Esse movimento de oração está se intensificando à medida que mais e mais seguidores de Jesus reconhecem as gravíssimas necessidades de sua nação e do mundo, compreendendo que só Deus pode satisfazê-las. Ministérios estão surgindo em muitos lugares para formar um clamor incessante por avivamento nos nossos dias. Mais e mais vozes estão conclamando como C. H. Spurgeon: “Ó prezados irmãos, o que este coração sentiria se eu pudesse acreditar que há alguns aqui que voltarão para casa e orarão por um avivamento – gente cuja fé é grande suficiente e cujo amor tem tamanho ardor que serão capazes de interceder incessantemente deste momento em diante para que Deus se manifeste e opere maravilhas entre nós, como no tempo de gerações passadas”.

Oração por avivamento é mais do que apenas pedir por um mover de Deus no meio de uma longa lista de coisas que queremos receber do Senhor. Envolve posicionar-se diante dele em humildade e arrependimento. É uma oração que reconhece o seu próprio papel na lamentável condição da Igreja e da sociedade, levando-nos a clamar por perdão. É uma oração de desespero que crê que a intervenção divina é a única esperança. Oração de avivamento prepara o caminho para o Espírito Santo entrar com poder para transformar.

Uma das maiores dificuldades em orar por avivamento é a intensidade de fé que é necessária para permanecer firme na oração. Não estamos falando de um plano com três passos para mudar o mundo em três semanas ou menos. É uma determinação para orar até que Deus comece a agir ou até que você morra no processo. É John Knox bradando: “Dá-me a Escócia, ou eu morro!”. É um empenho na fé que leva você a orar, indiferentemente do que vê ao seu redor. É um compromisso para orar até que se cumpra a promessa dada por Habacuque: “Pois a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar” (Hc 2.14). Como disse John Piper: “A história dá testemunho ao poder da oração como prelúdio ao despertamento espiritual e ao avanço de missões”.

Oração por evangelismo

A segunda área de oração que marcará a Igreja no tempo do fim é oração por evangelismo. Um dos indicadores mais explícitos do breve retorno de Jesus é o progresso do Evangelho. Jesus disse em Mateus 24.14: “E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim”.

Martin Lloyd-Jones expressou essa verdade de maneira poderosa: “A principal razão por que devemos orar por avivamento é o desejo intenso de ver o nome de Deus reivindicado e sua glória manifesta. Devemos estar ansiosos para ver algo acontecer que ganhará a atenção das nações e de todos os povos, e fará com que parem e avaliem tudo novamente”.

Nos dias atuais, nos lugares em que a Igreja mais ora, ela mais cresce. A oração tem impulsionado o evangelismo de formas surpreendentes. Alguns anos atrás, tive a oportunidade de participar com minha esposa, Kim, da Assembleia Mundial de Oração na Indonésia. Parecia um lugar improvável para uma grande conferência cristã de oração. A Indonésia tem a maior população muçulmana do mundo. Entretanto, a igreja está crescendo lá rapidamente, impulsionada por centenas de centros de oração 24/7 (24 horas por dia, sete dias por semana). Os cristãos indonésios estão se reunindo para orar de maneiras extraordinárias, e Deus está respondendo às suas orações.

Deus está chamando a Igreja para orar ao Senhor da seara para enviar obreiros aos campos de colheita em todo o mundo. Em Mateus 13.39, Jesus disse: “A ceifa é a consumação do século”. O Senhor está utilizando todos os meios disponíveis para trazer todos os que estão ouvindo o seu chamado. Nossa tarefa é orar e testemunhar a fim de que o Corpo de Cristo inclua todos aqueles que puderem responder à mensagem de Cristo. Andrew Murray disse, certa vez: “A pessoa que conseguir mobilizar a Igreja de Cristo para orar fará a maior contribuição da história à evangelização mundial”.

Oração de atalaia

A terceira área de oração é a de atalaias. Na cultura do Antigo Testamento, atalaias ou guardas eram posicionados em volta de cidades para dar proteção e advertir quando houvesse perigo. Em Isaías 62.6,7, Deus faz uma conexão entre oração e atalaias e estabelece essa ligação como o caminho à oração: “Sobre os teus muros, ó Jerusalém, pus guardas, que todo o dia e toda a noite jamais se calarão; vós, os que fareis lembrado o Senhor, não descanseis, nem deis a ele descanso até que restabeleça Jerusalém e a ponha por objeto de louvor na terra”.

A grande necessidade da Igreja hoje é de pessoas que se coloquem nos muros de suas comunidades e nações para vigiar e orar. Atalaias prestam atenção àquilo que está acontecendo no mundo à sua volta e, ao mesmo tempo, são sensíveis para perceber o que está acontecendo no Espírito. Atalaias pedem ao Senhor para intervir em situações específicas para implantar sua vontade e seus propósitos. Atalaias também tocam a trombeta para advertir e acordar o povo de Deus, a fim de que um movimento unificado de cristãos em oração possa acontecer em tempos de crise.

Uma das características de atalaias em oração, de acordo com Isaías, é que oram “dia e noite”. “Que todo o dia e toda a noite jamais se calarão” demonstra a seriedade do significado de um atalaia. O Dia Global de Oração estabeleceu um período de dez dias e noites de oração contínua logo antes do dia de Pentecostes. Esse é um quadro de atalaias em oração.

Ao longo dos anos, Jesus Cristo tem despertado seu povo em diversas ocasiões para entrar nesse tipo de intensa intercessão e adoração. Os morávios no início do século 18 foram um grande exemplo de oração noite e dia. Estabeleceram uma reunião de oração 24/7 que durou, sem interrupção, mais de 100 anos! Resultou num poderoso movimento missionário.

O missionário pioneiro Hudson Taylor compreendia esse tipo de oração apaixonada. “Desde os dias de Pentecostes, a Igreja inteira alguma vez deixou de lado todas as demais atividades para esperar nele por dez dias para que o poder do Espírito fosse manifestado? Damos atenção demais a métodos, operacionalização e recursos, e muito pouca à fonte do poder.”

Nos nossos dias, oração noite e dia está se tornando outra vez uma marca de uma igreja que ora. Deus está chamando claramente seu povo de volta à oração extraordinária. Estamos ouvindo Jesus nos dizer novamente: “Então, nem uma hora pudestes vós vigiar [e orar] comigo?” (Mt 26.40).

Para muitos leitores, a ideia de oração noite e dia pode parecer uma fantasia. Meu desafio a você é não olhar para suas circunstâncias, mas para a visão daquilo que Deus deseja fazer em nós e por meio de nós. Deus não despreza o dia de humildes começos (Zc 4.10). Não desista. Estique o tamanho de sua fé.

Quer estejamos envolvidos em oração noite e dia, quer em oração por avivamento e evangelização do mundo, nosso propósito é concordar com o ensino de Jesus de que seu Reino virá e sua vontade será feita – na terra como é feita no céu. O Reino que Jesus afirmou não ser deste mundo ainda deverá impactar este mundo como nenhum reino fez no passado ou fará no futuro. A linha de frente do avanço do Reino de Cristo é uma igreja que ora!

Extraído de”Forgotten Power: A Simple Theology for a Praying Church” (Poder esquecido: uma teologia simples para uma igreja que ora), de David Butts. Copyright © 2015  por David Butts. Publicado com permissão de PrayerShop Publishing – www.prayershop.org

Uma resposta para “Oração e o reino vindouro”

  1. Cláudia Conde Moraes Fernandes disse:

    Amém por tal exortação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *