Moisés e Elias virão

Publicado em: 05/07/2022 Categorias: 2022 / Revive Israel

No dia 27/08, o TJCII Brasil estará fazendo um Webinar internacional, com o tema Rumo ao Novo Homem e ficaremos honrados com sua participação. CLIQUE AQUI e inscreva-se!

Gratuito com transmissão pelo zoom.

CLIQUE AQUI para download do convite.


UM MOVIMENTO GLOBAL DE AVIVAMENTO E RESTAURAÇÃO A PARTIR DE JERUSALÉM PARA JUDEIA E SAMARIA, CHEGANDO AOS CONFINS DA TERRA E VOLTANDO NOVAMENTE PARA ISRAEL…

Por Asher Intrater

Acordei cedo esta manhã com uma inspiração repentina na qual senti o Espírito Santo dizendo duas frases curtas mas claras em meu coração. A primeira foi “Moisés e Elias virão”. A segunda foi uma continuação e esclarecimento da primeira – “Confronto Moral”.

Durante alguns meses, estive meditando sobre a “última profecia” do Tanakh de Malaquias 4.4-6 que se tornou a “primeira profecia” da Nova Aliança em Lucas 1.17. Tenho ficado impressionado que estas Escrituras constituem um mandato significativo para todos nós nesta geração.

Estas profecias vão junto com as profecias do livro do Apocalipse, que também retratam “duas testemunhas” que julgam com sinais e maravilhas, muito semelhantes a Moisés e Elias. A referência a Moisés e Elias foi obviamente tirada destes contextos.

(Moisés foi o grande homem de Deus que deu a Torá; Elias foi um grande líder entre os Profetas.  Assim, os dois representam a totalidade da “Lei e os Profetas”. Moisés confrontou o Egito; Elias confrontou Israel).

Malaquias 4.4-6:
Lembre-se da Lei de Moisés, Meu servo, que lhe ordenei em Horeb para todo Israel, estatutos e julgamentos. 5 Eis que eu vos envio o profeta Elias, antes da chegada do grande e terrível dia de YHVH. 6 E ele restituirá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que eu não venha e atinja a terra com uma maldição.

O que significava para mim que “Moisés e Elias virão”? Para mim, o significado seria paralelo à declaração de Yeshua de que o fim dos tempos será como foi “nos dias de Noé e Ló” (Lucas 17.26-29). A mensagem do fim dos tempos será como a mensagem de Moisés e Elias; a situação será como a situação na época de Noé e Ló.

Deve haver um grande confronto moral entre a Palavra de Deus e a Sociedade Mundial, que deve ocorrer imediatamente antes da hora marcada do dia do julgamento.  De acordo com a justiça de Deus, deve haver perfeita justiça em todo o Seu trabalho com a humanidade. A justiça exige a punição do mal, e há muito mal no mundo. Este mal se tornará cada vez pior.

De acordo com a mesma justiça de Deus, Ele não somente punirá o mal, mas advertirá o povo sobre esse castigo antes que ele seja executado. Deus deve advertir as pessoas a fim de exortá-las a mudar para que o maior número possível não seja punido. 

Esta mudança moral antes do julgamento é o que a Bíblia chama de arrependimento. O comportamento perverso do ser humano é chamado de pecado. A disposição de Deus para perdoar (ou “perdoar”) o povo e cancelar o castigo é chamada de graça.

No exemplo de Noé, houve muita violência e assassinato em todo o mundo (Gênesis 6.5). Foi tão ruim que praticamente todos no mundo eram dignos de uma pena de morte (Gênesis 6.7). A justiça de Deus exigia que toda essa atividade pecaminosa fosse punida. Mas em Seu amor, Ele queria advertir o povo para que se arrependesse, e assim Ele poderia perdoá-lo e cancelar a punição.

A fim de advertir o povo, Noé pregou (2 Pedro 2.5) e chamou o povo à retidão.  Ele pregou por um longo tempo – talvez até 500 anos, se considerarmos as profecias de julgamento vindouro que ele pode ter ouvido de seus avós, mesmo quando criança, e transmitido a outros.

Ele não apenas pregou, mas também construiu uma arca (durante décadas) que serviu como um veículo para salvar qualquer um que quisesse ouvir. A construção da arca era também para avisar as pessoas que a punição estava a caminho. (A arca era um barco, o que indicava que a água viria. Esta talvez tenha sido a primeira vez que a chuva caiu. A arca foi construída “em terra”, longe de qualquer água que pudesse flutuar na arca. Portanto, a própria arca era um aviso visual da inundação que se aproximava).

Mas, é claro, o povo não se arrependeu no tempo de Noé, e o enorme julgamento chegou. A enchente de Noé é um evento histórico que também serve como um aviso de julgamento futuro. O pecado mundial exigirá uma punição mundial. Pode demorar muito para chegar, mas quando chegar, será instantâneo. Muito tempo será dado para se arrepender de antemão, mas no dia designado para o castigo, de repente não haverá mais tempo nenhum.

Dependendo de como se olha para ele, há muito tempo ou nenhum tempo. Há muito tempo que Deus concede para a graça; mas não há tempo algum para atrasar o arrependimento. Historicamente, muito tempo é dado. Moralmente nenhum tempo pode ser desperdiçado. À luz da graça, Deus é surpreendentemente paciente. À luz do julgamento aterrorizante, o tempo está próximo.

(Argumentos sobre o tempo das profecias de julgamento são muitas vezes uma perda de tempo. O tempo é sempre “agora”. A questão do tempo é enfatizar a graça sofredora de Deus por um lado, e a natureza assustadoramente “iminente” da execução da punição. O tempo é urgente).

A “Arca de Noé” é certamente uma história encantadora para as crianças, com todos os animais chegando no barco. Deus ama tanto os animais quanto os humanos. O belo arco-íris (provavelmente a primeira vez que um arco-íris apareceu) mostra a arte primorosa de Deus na criação e a promessa de um mundo perfeitamente belo que virá no futuro. O paraíso é eterno e o castigo é eterno. Em meio à beleza e à graça, há também uma seriedade severa e sóbria. Novamente, o ponto principal: o confronto moral do pecado mundial antes da chegada do tempo do julgamento.

[Nota: a ação do mal exige punição. O amor de Deus oferece uma oportunidade para o perdão. O simples pré-requisito é deixar de fazer o mal – que é arrepender-se. (A disposição legal para perdão é chamada de “expiação” ou “propiciação”, que significa pagar o preço para transferir a punição para outra pessoa. Essa expiação foi simbolicamente retratada nos sacrifícios sacerdotais e depois cumprida pela morte de Yeshua na cruz. A crucificação do Messias justo fornece o mecanismo legal para transferir e cancelar a punição que é devida a todos nós).  A lógica judicial por trás da mensagem do evangelho é propiciação > pagamento > perdão > castigo].

Após o julgamento no tempo de Noé, veio o julgamento no tempo de Ló. No caso de Ló em Sodoma e Gomorra, os pecados de violência, estupro e homossexualidade eram tão generalizados, que a punição era inevitável (Gênesis 18.32). Sodoma e Gomorra eram cidades muito ricas de “classe alta” (Gênesis 13.10-13). Seus pecados também incluíam orgulho, complacência e falta de compaixão pelos pobres (Ezequiel 16.49). A perversão sexual e a corrupção financeira de Sodoma se repetem em muitos outros lugares ao longo da história (ver Apocalipse 11.8).

O castigo pelo fogo no tempo de Ló e pela água no tempo de Noé são precedentes para o julgamento final no “grande e terrível dia de YHVH” (Joel 2.31, Malaquias 4.5, Judas 7). Os profetas advertiram as pessoas do julgamento vindouro para que parassem de fazer o mal, para que pudessem ser perdoados e assim evitar o castigo. Antes da chegada do grande e definitivo julgamento, essa mensagem de advertência e confronto moral deve ser restaurada.

O chamado profético ao arrependimento tem sido aplicável em todas as gerações. Quanto mais na geração final que antecede a Segunda Vinda de Yeshua! (O Messias é o juiz que executa a punição e o sacerdote que faz a expiação. Ele perdoa e pune.  Mt 16.27; 25,31-46)

Depois de Sodoma vem o julgamento do Egito, então o maior império do mundo. Enquanto o Egito era uma nação justa e abençoada na geração de José, no tempo de Moisés, ele havia se tornado mau. Era tão mau que os líderes do governo usavam cobras em suas cabeças. A bruxaria, a escravidão, o abuso, o sacrifício de crianças e todo outro mal prevalecia. A nação tinha que ser punida.

Deus enviou Moisés como profeta para confrontar o faraó. Como o Faraó se recusou a se arrepender, não havia outra opção além de trazer castigo. O império do mal tinha que ser destruído. Primeiro vieram as advertências verbais, depois vieram as Dez Pragas como punição parcial. Como as advertências da praga também foram ignoradas, o julgamento final veio no momento da travessia do Mar Vermelho.

A profecia em Malaquias nos instrui a lembrar a Torá de Moisés. Acredito que no final dos tempos do Fim, testemunharemos situações semelhantes a estas histórias na Lei de Moisés.  Em vez do imperador egípcio malvado, virá um líder mundial malvado, chamado de anticristo, com um governo monstruoso e bestial.  O julgamento deve vir, mas antes do julgamento, por causa da graça de Deus, virá o confronto moral e a advertência.

O povo de Deus divulgará uma mensagem profética de julgamento vindouro e um confronto do pecado e do mal.  Esse confronto exigirá um alto nível de pureza em nome daqueles que dão a mensagem; e um alto nível de autoridade espiritual para falar às autoridades do mundo, e também um alto nível de poder para sinais milagrosos e advertências. A identidade desta figura “Moisés” ou “Elias”, ou a época dos acontecimentos, não é a questão principal. O ponto essencial é o conteúdo da mensagem, o propósito da profecia, e o espírito e poder em que ela é dada.

Tomar nossa posição sobre os ensinamentos morais da Bíblia (Moisés), e falar corajosamente, mesmo profeticamente, para nossa geração (Elias) – é o último grande conflito espiritual de nossa época. É o ponto culminante de todos os confrontos morais ao longo da história. Será no nível das Dez Pragas e do Êxodo mundial, do dilúvio de Noé e do derrube ardente de Sodoma.

Elias, em sua época, também enfrentou o pecado. Em particular, ele teve que enfrentar a bruxaria, os assassinatos e a imoralidade sexual da Rainha Jezabel. Esse conflito se tornou um símbolo de todo conflito espiritual no mesmo padrão através dos tempos (Apocalipse 2.20). O mesmo espírito pecaminoso e rebelde que caracterizou Jezabel ainda está ativo hoje; talvez mais do que nunca.

Esse espírito é chamado de “A Grande Meretriz” nos capítulos 17 – 19 do Apocalipse. Como Elias confrontou Jezabel em sua geração, teremos que confrontar a Grande Meretriz em nossa geração.

Na imagem de Elias também veio João Batista, que pediu arrependimento nos anos que antecederam a primeira aparição de Yeshua. Ele confrontou a rainha Herodíades em seus dias, assim como Elias confrontou Jezabel em seus dias.

Claramente, não era o próprio Elias que deveria voltar, mas outro ser humano no “espírito e poder de Elias” – Lucas 1.17. Assim será no final dos tempos, não Moisés ou Elias ou João, mas o povo de Deus que vem com um espírito e poder semelhantes.

Este mandato profético é enorme. É como combinar Moisés, Elias, Noé e Ló, todos juntos. A batalha já começou. Sim, haverá uma etapa final na qual aparecerão figuras semelhantes a “Moisés e Elias”. Mas o mandato é relevante para todos nós, como discípulos de Yeshua, a qualquer momento.

Como João preparou seus discípulos para a primeira vinda de Yeshua, precisamos estar preparados para a segunda.

Precisamos estar nos preparando agora. O povo de Deus deve estar “preparado” (Lucas 1.17, Apocalipse 19.7). O mundo deve ser advertido e oferecido a graça. Já estamos chegando aos dias “como Elias” e “como Moisés”

2 respostas para “Moisés e Elias virão”

  1. Juan Gomes Da Silva disse:

    Estamos entendendo exatamente isso para este tempo.

  2. Fábio disse:

    Faz muito sentido com que temos orado e entendido pra esse tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.