Examine a si mesmo

Publicado em: 25/07/2015 Categorias: Arauto / Quando a tragédia bate

Arauto - Ano 33 - nº 02 - Abr/Jun 2015

E. E. Shelhamer

Se julgarmos a nós mesmos, com critério rígido, não seremos julgados. Se falharmos nesse santo autojulgamento, seremos castigados pelo Senhor. Em sua vida pública e privada, você faz tudo tão sinceramente quanto o faria se nenhum outro olho o visse, senão somente o olhar do Deus onisciente?

Você condena nos outros as mesmas atitudes e características que vê em si mesmo? Você suportaria nos outros o que eles suportam em você?

O simples fato de falar ocasionalmente com desdém daqueles que o feriram ou que não concordam plenamente com você prova que não lhes perdoou inteiramente no seu coração. O fato de interrupções repentinas, inconveniências e desapontamentos lhe causarem frustração e tensão é uma prova de que você ainda não está totalmente desligado de prazeres e motivações terrenos.

A profundidade de experiência não pode ser avaliada pela quantidade de aleluias e gritos de vitória que a pessoa manifesta numa (quando a pessoa está na) reunião ou quando tudo é favorável, mas pela capacidade de suportar com paciência inabalável tudo o que Deus pode permitir ou que homens e demônios podem infligir.

É simplesmente impossível dar uma resposta ríspida ou sarcástica, ou manifestar um espírito independente, se antes não houve uma perturbação interior. Muito antes de a pessoa reagir com irritação por fora, ela estava alimentando um sentimento de ferida por dentro.

Você já chegou ao lugar em que consegue suportar a imposição dos outros? Já foi quebrantado ao ponto de deixar Deus defender você e suas opiniões ao invés de brigar por seus direitos e pontos de vista à custa de entristecer o Espírito Santo? Não nos alegramos, de fato, quando alguém se opõe a nós ou tenta anular nossas convicções; alegramo-nos, pelo contrário, porque a maravilhosa graça de Deus nos liberta de todo e qualquer sentimento de amargura em relação a quem agiu dessa forma. Pode ser que consideraram seu dever se opor a nós por causa do seu entendimento de algum aspecto de fé ou prática cristã.

Como você pode alcançar maior intimidade com Jesus? Fique sozinho com ele, abra seu coração e fale tudo o que está sentindo. Depois peça que ele fale abertamente com você, revelando tudo a respeito do seu coração e suas atitudes, ainda que sejam verdades difíceis de ouvir. A carnalidade humana não consegue suportar tamanha intimidade por muito tempo.

Sob o olhar do Onisciente

Você tem o testemunho claro do Espírito de que o sangue de Jesus limpou seu coração a tal ponto que o olhar do Onisciente pode examiná-lo com seu raio penetrante, de fora para dentro e de dentro para fora, e não encontrar nada que precise ser removido? É seu privilégio ter exatamente essa segurança total sobre a purificação do seu coração. Aleluia!

Os pensamentos são maiores do que as palavras. “Como imagina em sua alma, assim ele é” (Pv 23.7). Sim, este é o homem verdadeiro. Ele não é melhor do que os seus pensamentos. Muito antes de ser conhecido pelos outros como uma boa ou uma má pessoa, ele já alimentava pensamentos que determinaram suas qualidades. Vigie os seus pensamentos! Você ainda pode controlá-los; depois, em grande parte, eles o controlarão!

Verdadeira hombridade inclui delicadeza, cortesia e consideração, qualidades que produzirão na mente dos amigos mais íntimos, inclusive da esposa, alta estima e valorização da sua presença. Você pode ter certeza de que há algo errado quando falta o sentimento de estima em qualquer um dos cônjuges.

Você é dominado por receio e temor quando está prestes a tomar uma decisão? Um sentimento que não quer esperar e colocar a decisão à prova? Tem medo das decisões de Deus? Tais sentimentos devem ser prova suficiente de que está tomando as rédeas em suas próprias mãos e que está saindo do governo de Deus.

Se Deus lhe deu convicções claras a respeito de seus hábitos de comer, de se vestir ou de usar seu dinheiro, siga-as em silêncio, sem achar que precisa compelir os outros a seguir as mesmas normas (Rm 14.22). Se achar que deve compartilhar suas convicções, faça-o com mansidão; se forem de Deus, ele mesmo se encarregará de levá-las como flechas e marcá-las nos corações.

Seu foco é sempre único, visando totalmente a glória de Deus – em cada mensagem, em cada transação, em cada conversa, em suas devoções particulares e públicas? Em outras palavras, você faz tudo com a mesma naturalidade e sinceridade que teria se estivesse a mais de mil quilômetros de qualquer ser vivo e nenhum outro olho o estivesse observando a não ser o do Onisciente? É isso que significa ser uma pessoa sem dolo ou fingimento.

Qual é o seu padrão de alegria? O que lhe causa maior prazer? O que você aguarda com mais expectativa e deleite? É comer, dormir, conversar, ganhar dinheiro, ficar famoso ou alguma outra forma de gratificação sensual?

Na mesma proporção em que você encontra consolação em algo além de Deus, você se torna um idólatra que adora mais a criatura do que o Criador. “Pensai [ou colocai seu afeto] nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra” (Cl 3.2). “Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito” (Gl 5.25).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *