Um Deus de ira ou um Deus de amor?

Publicado em: 17/07/2022 Categorias: 2022 / Revive Israel

No dia 27/08, o TJCII Brasil estará fazendo um Webinar internacional, com o tema Rumo ao Novo Homem e ficaremos honrados com sua participação. CLIQUE AQUI e inscreva-se!

Gratuito com transmissão pelo zoom.

CLIQUE AQUI para download do convite.


Por Dan Juster

A ideia de Deus como um Deus de ira no Antigo Testamento, mas um Deus de amor no Novo, é completamente falsa. O grande amor e misericórdia de Deus são os mesmos ao longo de todas as Escrituras. Sua justiça e seu justo acerto de contas também são os mesmos em ambos. O Livro do Apocalipse é o maior testemunho da consistência da revelação de Deus no Tanakh e nas Escrituras da Nova Aliança.

O grande compromisso de Deus com a justiça permanece constante, e Sua justa ira por aqueles que agem em flagrante rebelião contra Ele e desprezo por Seus caminhos, é a mesma. Assim como o dilúvio e Sodoma e Gomorra, a raça humana chegará a uma posição de julgamento final e experimentará a indignação ativa de Deus contra o mal e a corrupção incessantes. No entanto, Sua oferta de misericórdia antes do julgamento e Sua oferta de amor e perdão para aqueles que se voltam para Ele permanecem por toda parte. Aqui está uma passagem retratando isso:

Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” (Apocalipse 14.6-7).

Tanto o aviso do julgamento de Deus quanto a proclamação das Boas Novas são anunciados juntos no livro do Apocalipse. E muitos respondem. Apocalipse 7 descreve uma multidão que ninguém poderia contar de cada tribo, língua e povos. Apocalipse 14 é paralelo e dá grande esperança de uma grande colheita durante esses tempos de agitação. Tudo isso demonstra o amor e a misericórdia de Deus.

Os temas da plenitude do pecado humano, da depravação em relação ao seu semelhante, do julgamento e da ira chegam a um clímax final em Apocalipse 14.17-20. As uvas estão reunidas no lagar da ira de Deus. Apocalipse 19.15 diz que o próprio Yeshua “pisa o lagar do vinho da ira do Deus todo-poderoso” (ver também Atos 10.42, Mateus 23.32, Gênesis 15.16).

A Bíblia mostra que Deus é um Deus de amor, compaixão, tolerância, perdão e misericórdia incríveis. Deus deseja agir em amor, compaixão, perdão e misericórdia com cada ser humano e com toda a Sua criação. No entanto, Ele também é um Deus da justiça. Sua justiça, embora compassiva, exige que a lei da semeadura e da colheita eventualmente concretize os resultados sóbrios de nossas ações. O arrependimento pode trazer atenuação: “De todas as transgressões que cometeu não haverá lembrança contra ele” (Ezequiel 18.21-23). Além disso, em um certo ponto de maldade, o julgamento ativo de Deus está engajado e Ele agirá, às vezes, em ira severa, ainda que sempre em justa compensação.

A plenitude do amor de Deus é vista em Yeshua, o Cordeiro de Deus. Em Sua vida, ministério, ensino, morte expiatória e ressurreição; vemos a grandeza da oferta de salvação amorosa de Deus. No entanto, Yeshua reafirma a justiça de Deus, tanto em termos de semear e colher e, finalmente, a ira ativa contra a maldade quando não há arrependimento. Yeshua ensina uma separação definitiva dos justos e dos ímpios no final dessa era em um julgamento final. O Livro do Apocalipse reafirma completamente todos esses temas e expressa a tensão dinâmica entre eles (Apocalipse 6.16, Isaías 2.21) ao se referir à “Ira do Cordeiro”.

 

 

Uma resposta para “Um Deus de ira ou um Deus de amor?”

  1. Mário Adauta disse:

    De fato eu tenho aprendido bastante com vocês, Deus abençoe sempre este rico trabalho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.