Tribunal paquistanês confirma sentença de morte da cristã Asia Bibi.

Publicado em: 22/10/2014 Categorias: Blog / Missões

Em outros posts estivemos falando sobre o caso da cristã paquistanesa que está presa desde 2009 por proclamar sua FÉ EM CRISTO JESUS, nessa última semana sua sentença de morte foi confirmada pelo Tribunal paquistanês.

A História:

Casada com Ashiq Masih, mãe de cinco filhos e empregada na fazenda de um latifundiário muçulmano, sua vida não parecia muito divergente das demais mulheres de sua região; até que a data de 19 de junho de 2009 marcou sua história para sempre. Apesar de sua rotina exaustiva, comum às mulheres de uma geração que trabalha fora para ajudar no sustento da casa, todos os dias e para onde quer que fosse, Asia carregava consigo algo de muito de valor; algo que, para as autoridades do Paquistão, foi considerado um crime gravíssimo.

Certo dia, enquanto cumpriam suas funções durante o expediente da uma sexta-feira, Asia e suas colegas de trabalho conversavam. Convertida ao cristianismo em um país de maioria muçulmana, Asia não partilhava da mesma fé que as outras mulheres e o diálogo, polêmico por natureza sempre que envolve religião e crença, evoluiu para uma discussão. A intolerância religiosa e o extremismo que reina entre a maior parte dos devotos fanáticos falou mais alto naquela tarde também. Asia foi intimada a abandonar sua fé e o Deus em quem cria e voltar a servir Alá no islamismo. Certa da escolha que havia feito, Asia rebateu as muçulmanas com frases como: “Jesus está vivo, mas Maomé morto. O nosso Cristo é o verdadeiro profeta de Deus. Maomé não é real. Jesus morreu na cruz pelos pecados da humanidade, e Maomé, o que fez por vocês?” Tais declarações bastaram para provocar a ira e o descontrole daquelas que ali estavam; Asia foi brutalmente agredida pelas mulheres que, diariamente, conviveram com ela por anos. As muçulmanas que a denunciaram recusaram-se a beber água do mesmo poço de que Asia Bibi tinha bebido, alegando que a água estava agora impura. A polícia foi chamada ao local e, mais uma vez, a lei da justiça parcial prevaleceu: em 8 de novembro de 2010, Asia Bibi se tornou a primeira mulher condenada à pena de morte por enforcamento pelo crime de blasfêmia.

De acordo com a lei paquistanesa, quem blasfema contra o profeta Maomé deve sofrer pena de morte. Foi esse o destino de Asia Bibi, devido unicamente aos testemunhos das outras mulheres. A defesa procurou desmontar a acusação, considerando que os testemunhos eram “pouco credíveis” e que havia fortes indícios de depoimentos falsos. 

Dias depois, as mesmas mulheres fizeram queixa a um imã local que por sua vez apresentou queixa contra Asia Bibi por blasfémia. (A lei da Blasfémia está contida no Artigo 295, B e C, do Código Penal paquistanês. A secção B refere-se a ofensas contra o Alcorão que são puníveis com prisão perpétua; a secção C refere-se a atos que enxovalham o profeta Maomé, puníveis com prisão perpétua ou com a morte. Os que se opõem abertamente à lei correm risco, este foi o caso do governador do Punjab Salman Taseer como e o ministro das minorias Shahbaz Bhatti, um cristão, que foram assassinados). Qari Saleem, o Imã que apresentou a queixa contra a cristã, foi um de uma dezena de líderes religiosos muçulmanos a regozijar-se com a manutenção da pena de morte. “Vamos distribuir doces aos nossos irmãos muçulmanos pois esta é uma vitória para o Islão”, afirmou Saleem à Agência France Press. Se durante o período em que estava livre, Asia já sofria perseguição por ser cristã; agora, encarcerada e proibida de conviver com sua família, a situação é bem pior. Fontes afirmaram que ela foi torturada e maltratada; impedida de beber água ou comer, por dias.

Na quinta-feira (16.10), o tribunal de recurso em Lahore, no Paquistão, confirmou a condenação à morte da cristã Asia Bibi, acusada de blasfêmia e condenada em primeira instância em 2010.  A notícia foi dada por um dos advogados de defesa, o cristão Naeem Shakir, à agência Fides. Na audiência que durou quatro horas,  no colégio presidido pelo juiz Anwar ul Haq, a defesa apresentou os seus argumentos. “O juiz sustentou que as acusações das duas mulheres muçulmanas (duas irmãs) que foram testemunhas da suposta blasfêmia cometida por Asia são válidas e acreditáveis. Trata-se das mulheres com as quais Asia teve uma discussão e da qual surgiu o caso”, disse Shakir.

Um dos advogados de Asia Bibi, o cristão Shakir Chaudhry pretende levar o caso ao Supremo Tribunal do país, essa seria judicialmente A ÚLTIMA ESPERANÇA DE ASIA BIBI.

Orem por nossa irmã, peçam a intervenção de Deus sobre toda essa situação!

 

 

Fontes: Portas Abertas /RTP notícias

2 respostas para “Tribunal paquistanês confirma sentença de morte da cristã Asia Bibi.”

  1. Geraldo Gilton de Souza disse:

    Vamos orar sem cessar,não só por nosso irmã ASIA BIBI mas por todos aqueles que estão passando em outros países esse ou outros martírios Amem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *