Sozinho Com Deus

Publicado em: 04/05/2012 Categorias: Arauto / Prosseguindo Para Obter o Prêmio

Arauto - Ano 13 - nº 02 - Abr/Jun 1995

(Com Cristo Na Escola De Oração)
Por: Andrew Murray

“Mas tu, quando orares entras no teu quarto e, fechando a porta, ora ao Pai que está em secreto, e o teu Pai que vê em secreto te recompensará” (Mt 6:6).

Depois que Jesus chamou Seus primeiros discípulos, Ele lhes deu Seu primeiro ensinamento público no Sermão da Montanha. Lá, expôs-lhes o reino de Deus, suas leis e sua vida. Naquele reino Deus não somente é o Rei, mas é Pai também. Ele não somente dá tudo, como também é, Ele mesmo, tudo. Somente conhecendo-O e se relacionando com Ele é que se é abençoado no reino.

Por isso foi uma conseqüência natural incluir a revelação de oração e a vida de oração no Seu ensinamento concernente ao Novo Reino que Ele veio implantar. Moisés não deu nem ordem nem leis a respeito da oração. Mesmo os profetas falam muito pouco sobre o dever de orar. É Cristo que ensina sobre a oração. A primeira coisa que o Senhor ensina Seus discípulos é que devem ter um lugar secreto de oração. Todos precisam ter um lugar onde possam ficar a sós com seu Deus. Cada professor precisa ter uma sala de aula.

Temos aprendido a conhecer e aceitar a Jesus como nosso único mestre na escola de oração. Ele já nos ensinou em Samaria que a adoração não está mais confinada a horas e lugares; que a adoração, adoração espiritual verdadeira, é uma coisa do espírito e da vida; o homem na sua totalidade deve ser, durante toda sua vida, uma adoração em espírito e em verdade.

Porém, Ele quer que cada um escolha para si mesmo o lugar onde os dois possam se encontrar diariamente. Este cenáculo, este lugar solitário é a sala de aula de Jesus. Este cenáculo pode ser em qualquer lugar. Ele pode variar de dia para dia, se houver necessidade de mudança de residência, mas este lugar secreto precisa existir. Tem de haver um tempo de silêncio em que o aluno se coloca na presença do Mestre afim de ser preparado por Ele para adorar o Pai. Lá somente, mas lá com certeza, Jesus vem a nós para nos ensinar a orar.

Um professor sempre fica ansioso para ter uma classe brilhante e atraente, cheia da luz e do ar do céu, um lugar onde os alunos anseiem vir e queiram ficar.

Nas Suas primeiras palavras sobre oração no Sermão da Montanha, Jesus procura colocar este lugar secreto diante de nós na sua perspectiva mais atraente.

Se ouvirmos cuidadosamente, logo notaremos qual é a principal coisa que Ele quer descrever sobre o nosso tempo ali.

Três vezes Ele usa o nome de Pai: “Ora a teu Pai;” “Teu Pai te recompensará; “Vosso Pai sabe o que vos é necessário” (Mt 6:6-8).

A primeira coisa a saber sobre a oração em secreto é: Eu preciso me encontrar com o meu Pai. A luz que brilha na intimidade deve ser: a luz do semblante do Pai. O ar fresco do céu que Jesus quer trazer para encher nosso lugar secreto, a atmosfera na qual devo respirar e orar é: o amor paternal de Deus, a paternidade infinita de Deus.

Assim, cada pensamento ou petição que respirarmos será simples, sincera, e genuína, uma confiança inocente do filhinho no seu Pai. Nosso Mestre nos ensina a orar assim: Ele nos leva à presença viva do Pai. O que oramos lá certamente prevalecerá. E ouviremos cuidadosamente o que o Senhor tem para nos dizer.

Os Ensinamentos do Nosso Mestre

Primeiro: “Ore ao Pai que está em secreto.” Deus é o Deus que se esconde dos olhos carnais. Enquanto durante a nossa adoração a Deus, nós ficarmos, principalmente, ocupados com nossos próprios pensamentos e exercícios, não encontraremos Aquele que é espírito, o Invisível.

Mas, para aquele que se afasta de tudo que é do mundo e do homem, e se prepara para esperar somente em Deus, o Pai Se revelará. À medida que ele abandona e rejeita o mundo e a vida do mundo, e rende-se à direção de Cristo no secreto da presença de Deus, a luz do amor do Pai brilhará sobre ele. O sigilo do aposento interior com a porta fechada, separados de tudo ao nosso redor, é uma figura daquele santuário espiritual interior, e por isso uma ajuda para chegar ao secreto do tabernáculo de Deus, dentro do véu. Aqui o nosso espírito entra, verdadeiramente, em contato com o Deus Invisível.

Somos ensinados desde o princípio de nossa busca para achar o segredo da oração eficaz, que é no aposento interior onde ficamos a sós com o Pai que aprendemos a orar corretamente. O Pai está no lugar secreto. Com estas palavras Jesus nos ensina onde Ele estará nos esperando, onde Ele sempre pode ser encontrado.

Os cristãos freqüentemente reclamam que a oração em secreto não é o que deveria ser. Sentem-se fracos e pecaminosos, o coração fica frio e escuro. É como se tivessem tão pouco para falar na oração e neste pouco, não há nem fé nem alegria. Ficam desencorajados e são impedidos de orar porque pensam que não podem ir ao Pai como deveriam ou como desejariam.

Filho de Deus, ouça o Mestre! Ele diz que quando você orar em oculto o seu primeiro pensamento deve ser: O Pai está no lugar secreto, o Pai me espera ali. Justamente pelo fato do seu coração ser frio e sem ânimo para orar, você deve correr para a presença do Pai de amor. Assim como o pai se compadece dos seus filhos, o Senhor se compadece de você.

Não fique pensando em quão pouco você tem para oferecer a Deus, mas em quanto Ele quer lhe dar. Coloque-se perante Ele e erga os olhos para Sua face. Pense em Seu amor, amor este que é maravilhoso, meigo e compassivo. Diga-Lhe quão pecaminoso, frio e escuro tudo está. É o coração amoroso do Pai que dará luz e calor ao seu. Faça o que Jesus diz: Feche a porta e ora ao teu Pai que está em oculto. Não é maravilhoso, poder ficar a sós com Deus, o Deus infinito, e depois olhar para cima e dizer: Meu Pai!

“E o teu Pai, que está em oculto, te recompensará. Aqui Jesus nos assegura que a oração em secreto não pode ser infrutífera. A bênção desta prática será revelada em nossa vida. Só precisamos, em secreto, sozinhos com Deus, confiar-Lhe nossa vida diante dos homens. Ele nos recompensará publicamente. Ele, sem falta, fará com que sua resposta à oração seja manifesta através da Sua bênção sobre nós.

O nosso Senhor, dessa forma, quer nos ensinar que, da mesma forma que é com infinita paternidade e fidelidade que Deus nos encontra em secreto, assim também de nossa parte deve haver a fé simples de uma criança, a confiança de que nossa oração realmente traz uma bênção.

“Aquele que se aproxima de Deus deve acreditar que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hb 11:6). A bênção do aposento interior não depende da força ou do fervoroso sentimento com o qual eu oro, mas no amor e no poder do Pai a quem confio minhas necessidades.

Portanto, o Mestre só quer uma coisa: Que você se lembre que o Pai existe, e que vê e ouve no lugar secreto. Vá e fique lá, e saia de lá confiando: Ele o recompensará. Creia Nele. Dependa Dele. Orar ao Pai não é em vão. Ele o recompensará grandemente.

Além disso, para confirmar esta fé no amor paternal de Deus, Cristo fala uma terceira palavra: “O vosso Pai sabe o que vos é necessário antes mesmo de pedir”.

À primeira vista pode parecer que este pensamento torna a oração menos necessária. Deus sabe muito melhor que nós do que precisamos. Mas quando conseguimos uma visão melhor do que realmente é a oração, esta verdade ajuda muito a fortalecer a nossa fé.

Ela nos ensinará que não precisamos, como gentios, com a multidão e urgência de nossas palavras obrigar um Deus sem vontade a nos ouvir.
Ela nos levará a uma santa reflexão e silêncio em oração por sugerir-nos a pergunta: Meu Pai realmente sabe que eu preciso disto?

Uma vez que formos guiados pelo Espírito com a certeza de que o nosso pedido é, de fato, algo que, de acordo com a Palavra, nós realmente precisamos para a glória de Deus, isto nos dará uma maravilhosa confiança para dizer: “Meu Pai sabe que preciso e devo ter isto.” Se houver algum atraso na resposta, saberemos que devemos ser perseverantes durante a espera. Pai, Tu sabes que preciso disto!

Oh, que bendita liberdade e simplicidade desta criança que Cristo, nosso Mestre, cultiva em nós a medida que nos aproximamos de Deus! Vamos buscar o Pai até que o Seu Espírito trabalhe em nós. Às vezes, em nossas orações, corremos o risco de ficarmos tão ocupados com nossas petições ardorosas e urgentes que esquecemos que o Pai sabe e ouve. Vamos, então, nos manter calmos e silenciosos e dizer: Meu Pai vê, meu Pai ouve, meu Pai sabe. Isto ajudará nossa fé a crer na resposta e dizer: sabemos que temos as petições que Lhe fizemos.

Todos aqueles que entraram recentemente na escola de Cristo a fim de serem ensinados a orar, tomem estas lições, pratiquem-nas e creiam que Ele os aperfeiçoará através delas. Fique bastante no aposento interior – isole-se dos homens, tranque-se a sós com Deus. É ali que o Pai o espera; é ali que Jesus o ensinará a orar. Ficar a sós em secreto com o Pai: que isto seja sua maior alegria. A certeza de que o Pai recompensará grandemente a oração em secreto, de tal forma que seja impossível permanecer sem bênção: que esta seja a sua força dia após dia. Saber que o Pai sabe que você precisa daquilo que pediu: que esta seja sua liberdade para levar cada necessidade, com a certeza de que o seu Deus a suprirá de acordo com Suas riquezas em glória em Jesus Cristo.

“SENHOR, ensina-nos a orar!”

Bendito Salvador! De todo o meu coração eu Te bendigo pelo encontro marcado do lugar secreto, que é a escola onde Tu encontras cada um dos Teus alunos a sós e de fato lhes revelas o Pai. Oh, meu Senhor! Fortalece a minha fé de tal forma no terno amor e bondade do Pai, que todas as vezes em que me sinto pecaminoso ou perturbado, o meu primeiro instinto seja ir onde sei que o Pai me espera e onde a oração nunca fica sem a bênção. Que o pensamento de que Ele conhece minhas necessidades antes que lhe peça, leva-me, com grande tranqüilidade e fé, a crer que Ele dará aquilo que Seu filho pede. Faze com que o lugar secreto de oração se tome, para mim, o lugar mais preferido da terra.

Senhor, ouve-me pois peço que Tu abençoes, em todo lugar, os esconderijos de oração das pessoas que crêem em Ti. Que a Tua maravilhosa revelação da ternura de Pai liberte todos os jovens cristãos que pensam no lugar secreto de oração como um dever ou um fardo, e leve-os a considerá-lo como o mais alto privilégio de suas vidas, uma alegria e uma bênção. Traz de volta todos aqueles que estão desencorajados porque não encontram coisa alguma para oferecer a Ti em oração. Oh, faze com que entendam que só precisam vir vazios como estão Àquele que tem tudo para dar e grande prazer em fazê-lo. Que seu único pensamento seja, não aquilo que podem oferecerão Pai, mas aquilo que o Pai lhes quer dar.
Abençoa especialmente o aposento interior de todos os Teus servos que trabalham para Ti, para que seja o lugar onde a verdade de Deus e Sua graça lhe é revelada, onde são diariamente ungidos com óleo novo, onde sua força é renovada e as bênçãos são recebidas com fé, para que assim possam abençoar seus semelhantes. Senhor, atrai-nos todos neste aposento interior para mais perto de Ti e do Pai. Amém!

———————————————————————————————————————————————-

Notícias Internacionais

Recompensas Aguardam os Cristãos na Guiana

Por muitos anos tivemos o privilégio de ajudar a semear a boa Semente da Palavra de Deus na Guiana. Quando o Arauto de Sua Vinda foi enviado pela primeira vez a este país da América do Sul de fala inglesa, seu nome era Guiana Britânica. Mas em 1966, com sua independência da Grã-Bretanha, o nome mudou para Guiana. O governo dos anos seguintes era marxista em sua política. Os líderes nem sempre tratavam bem os cristãos. Mas havia cristãos guianenses animados que escreviam para o Arauto de Sua Vinda freqüentemente pedindo literatura cristã para compartilhar. A necessidade se tornou bastante urgente, pois não havia livrarias cristãs, ou havia muito poucas onde se pudesse conseguir literatura cristã.

Com sua formação holandesa e inglesa, mais da metade do povo da Guiana intitula-se cristã. Mas quando o governo trouxe trabalhadores da índia para trabalhar nos campos, o hinduísmo e o islamismo vieram com eles. Os cristãos foram razoavelmente bem-sucedidos na pregação do evangelho entre os hindus, mas há muito pouco resultado entre os muçulmanos.

Agora o governo marxista foi substituído mas a sua política econômica dos anos passados deixou o país numa grande pobreza. Há trinta por cento de desemprego. Um espírito de desesperança parece pairar sobre os pobres. O governo está empobrecido demais para conseguir ajudar os pobres. Algumas igrejas cristãs iniciaram várias obras sociais entre eles.

Há igrejas que são zelosas evangelisticamente também, e Deus está abençoando seus esforços. Um carta recebida pelo Arauto de Sua Vinda de um pastor da Guiana diz:

“Saudações no maravilhoso Nome de Jesus. Faz quase 5 meses que estou recebendo cópias do Arauto de Sua Vinda. Tem sido uma verdadeira bênção para mim. Quando recebo o Arauto, descubro com freqüência que os tópicos apresentados são exatamente o que Deus está fazendo em nossa vida e na igreja no momento e, dessa forma, consigo mais informação do Arauto…

“Em outubro e novembro de 1993, começamos uma cruzada em nossa região, durante o qual um avivamento começou. O Senhor me guiou até o Livro de Atos e comecei a estudá-lo. Tentei conseguir alguns outros livros. Enquanto isto acontecia, recebi as edições de outubro e novembro do Arauto. Ambos tratavam de avivamento! Eu desejaria muito continuar a receber o Arauto.

“Estou pastoreando uma igreja que está crescendo muito rápido em uma comunidade hindu e muçulmana. Eu mesmo tenho uma formação muçulmana. Quando Maomé não ajudou, Jesus o fez!

“Desde que comecei um estudo sobre o assunto de avivamento, mas este tipo de material é muito difícil de se conseguir por aqui. Seria uma grande bênção receber a literatura sobre avivamento que estiver disponível aí. Eu ainda preciso saber mais a fim de reter aquilo que Deus tem feito aqui entre nós. Espero ansiosamente receber notícias suas logo.”

Vocês podem se unir a nós para ajudar a promover o avivamento na Guiana, enviando suas ofertas para que mais literaturas sobre avivamento possam ser enviadas a cristãos zelosos tais como este irmão?

Ao enviar sua oferta para o Arauto de Sua Vinda, você pode designá-la “para Guiana ou onde for mais necessário nesta época.” Por favor, ore pela bênção de Deus sobre a literatura enviada para a Guiana, e lute junte conosco em oração por este país (Romanos 15:30). Ore para que muitos dos pobres encontrem uma esperança viva em Cristo e para que o Seu Reino cresça de maneira maravilhosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *