Será que Captamos a Mensagem?

Publicado em: 28/04/2012 Categorias: Arauto / Compartilhar a Cruz de Cristo - Compartilhar a Sua Vida

Arauto - Ano 16 - nº 01 - Jan/Mar 1998

Por: Elmer G. Klassen

Se nós, os cristãos, quisermos air como cristãos, nos tornarmos aquilo que se espera de nós e fazer o que Deus nos ordenou, precisamos ir além de um mero conhecimento intelectual dos acontecimentos históricos da vida de Cristo na terra. Ser um cristão e viver como cristão é conhecer e crer na mensagem de Deus para o homem. A nossa atitude e o nosso estilo de vida revelam a todo o mundo se chegamos ou não a compreender a mensagem da cruz.

A mensagem da cruz continua sendo loucura para aqueles que rejeitam o Espírito Santo como mestre e estão cegos por condenarem os crentes cheios do Espírito (Rm 2:1). Eles se tornam tolos quando rejeitam a presença de Deus em nosso meio. A rejeição da mensagem da cruz é tolice e torna tolos aqueles que são orgulhosos e instruídos pelo mundo.

O lugar da crucificação é o lugar de morte, morte para o ego e o mundo ou separação de Deus. Crucificar ou ser crucificado é a mensagem que nós ouvimos no Calvário.

Podemos adicionar mais um estudo bíblico no programa da nossa igreja, mandar nossas crianças para a escola bíblica, e ao mesmo tempo agir contra outros grupos cristãos que não concordam com a nossa teologia, mostrando assim que não entendemos a mensagem da cruz.

Os velhos hinos dos hinários podem ser cantados, versículos antigos podem ser citados de cor e os velhos bancos do templo podem ser ocupados semana após semana. Podemos conhecer tanto as Escrituras quanto um fariseu e mesmo assim não reconhecer a presença de Deus em nosso meio. É necessário mais do que conhecimento e aceitação mental da Palavra de Deus para reconhecer o Espírito de Deus na assembléia dos santos.

Enquanto não tivermos o Espirito não conseguiremos captar a mensagem. A tendência desta geração é valorizar e insistir na inteligência, em detrimento do espiritual. Queremos aumentar a nossa altura sem ter criado raízes. É possível que tenhamos uma religião mental em nossa alma sem termos uma salvação bíblica em nosso espírito. O Espirito de Deus não aceita contribuições da “mentalidade evangélica” A mensagem de Deus vem do Espírito de Deus. Sua mensagem deve ser aceita ou rejeitada.

Cristãos sem o Espírito podem continuar com as suas falas descuidadas e carnais, citar passagens bíblicas de cor, e contudo não conhecer a morte para o pecado e a vida com Deus numa vida plena de oração. A Bíblia é para eles a palavra sem o Espírito e o conhecimento de Cristo sem o Seu poder. Fazem convertidos a si mesmos e para o seu estilo de vida, mas a paz de Deus não está nos seus corações. Os seus castelos no ar não foram reduzidos a ruínas e nos seus espíritos não se encontram marcas da morte no Calvário.

Os evangélicos que nunca tiveram a sua natureza espiritual despertada e renovada e estão satisfeitos somente com uma relação mental com Deus, O amam apenas emocionalmente, e na alma. Correspondem mais aos cuidados deste mundo e às necessidades materiais dos outros, mas o Reino de Deus os deixa frios. Sua experiência mental de salvação os levou a uma santificação racional que os conforta na sua vida de pecados. Pode ter valor religioso, mas não divino.

Nossos corpos estão sujeitos à nossa alma e a nossa alma está sujeita ao nosso espírito. A parte mais elevada do nosso ser é o nosso espírito imortal, a região da nossa consciência e do nosso arbítrio. É o espírito interior, nosso homem interior, onde o Espírito Santo opera produzindo experiências sobrenaturais e celestiais iluminando a alma e a mente. A nossa alma não tem aquela vida suave, gentil, doce, vitoriosa, sobrepujante e triunfante que reflete a frescura da ressurreição da Primavera, enquanto nao for avivada pelo Espirito.

Quando Deus faz um santo, Ele começa com a parte mais íntima da sua natureza. O Espírito Santo começa com um apelo direto à consciência do espírito até que Ele seja aceito como mestre e conselheiro. A vida com Deus começa com a oração que sai do nosso ser intenor.

O conhecimento começa com oração e por isso a conversão de uma alma sempre começa com oração. Oração é mais do que dizer palavras e clamar a Deus. É o desejo do espírito interior que se estende em direção a Deus que começa o processo. É algo muito pessoal quando na quietude e no silêncio a alma começa a buscar a iluminação.

Sem a presença de Deus as nossas orações não passam do teto. É a oração divinamente inspirada e ativada pelo Espírito Santo que vai adiante de nós para quebrar a oposição e invade o coração, o lar, ou a comunidade, na nossa frente. Este tipo de oração traz Deus para o nosso meio, acende fogueiras de avivamento, cura os doentes, expulsa os demônios, e destrói o poder do nosso inimigo. As bases das nossas teologias e tradições humanas como também as forças demoníacas ao nosso redor são destruídas quando os santos oram no Espírito de Deus.

Esta espécie de oração não se identifica pelo barulho, pelo movimento ou pelo entusiasmo da reunião, nem por uma exibição de orações teológicas cuidadosamente formuladas. Quando o homem morre para o pecado e para os desejos egoístas haverá uma calmaria no coração, uma busca pela presença e pela paz de Deus que traz reverência e uma atmosfera carregada de Deus. Neste ambiente a alma pode subir para Deus com palavras que O tocam e O ligam a nós naquela comunhão preciosa. Barulho e demonstrações têm seu lugar na crucificação mas estas manifestações às vezes podem abafar e sufocar o trabalho do Espírito Santo quando uma alma está sendo salva.

O trabalho de Deus no nosso espírito é feito na quietude divina. Elias tinha recém obtido uma grande vitória no monte Carmelo. Fogo caira do céu e todo Israel se convenceu que o Deus de Elias era o Deus verdadeiro. A nação estava mentalmente convertida a Ele.

Foi depois desta experiência que Deus tinha uma mensagem para o profeta. Ele sentou-se debaixo de um zimbro, totalmente desanimado, com o coração partido e desejando morrer. Elias precisava de um “tempo silencioso” com Deus, e por isso Deus o levou até uma caverna. Primeiro veio um grande e forte vento que fendia os montes, mas não satisfez Elias. Então a terra debaixo dos seus pés começou a tremer, mas isto também não o ajudou. Então vieram raios e coriscos do céu. Isto, também, não comunicou a mensagem de Deus para Elias.

Depois de todo este barulho veio um estranho silêncio. “Um cicio tranqüilo” fez Elias sair da caverna. Deus falou com ele num sussurro e Elias obedeceu.

Precisamos nos aquietar se quisermos que Deus fale. Quando paramos de falar e paramos de ouvir outras vozes, abrimos um espaço para Deus nos falar. Ele não fala quando não O queremos ouvir.

Não é necessário alimentar e satisfazer nosso ego pecador pelo muito falar. Quando o ego é alimentado e nutrido ele não quer ouvir a voz de Deus. Na sua hora de desânimo, Elias precisou se aquietar para ouvir a Deus. Complicações com a sua natureza de pecado o obrigaram a tirar um tempo silencioso com Deus.

Somente o verdadeiro evangelho, como vemos no artigo de Huegel, que traz almas à experiência de uma crucificação interior e uma gloriosa ressurreição como o resultado de uma união com Cristo, pode satisfazer a Deus.

—————————————————————————————————————————–

Notícia:
Conversões na Etiópia

A Etiópia foi governada durante 17 anos por um regime marxista cruel que fechou igrejas, aprisionou pastores e fez todo o possível para reprimir a Igreja de Jesus Cristo.

Entretanto as algemas do marxismo foram quebradas e há total liberdade para se louvar ao Senhor. A perseguição da Igreja só conseguiu aprofundar ainda mais o compromisso e a vida de oração do povo cristão…

Hoje há várias igrejas lá que se compõem de centenas de muçulmanos que se converteram a Cristo… Um dos fatores principais do sucesso da conversão de muçulmanos ao Cristianismo é a demonstração do poder miraculoso de Deus.

A seguir um fato relatado por um jovem obreiro que estivera pregando no Sudão, perto da fronteira com a Etiópia.

Um dia quando ele estava visitando uma casa e compartilhando o Evangelho com um grupo de cerca de 10 homens muçulmanos que estavam reunidos lá, foi lhe dada permissão para orar. Enquanto orava, o Espírito de Deus de repente veio sobre eie e começou a orar numa língua que não conhecia.

Entre as pessoas que estavam na sala, havia um homem que era paralítico há muitos anos. Depois que o evangelista terminou a sua oração, soube que estivera orando na língua materna daquele homem. O paralítico então disse que o homem de Deus tinha dito: “Jesus de Nazaré vai curá-lo se você se colocar de pé.” Ele se levantou e foi completamente curado. Como resultado deste milagre, começou um reavivamento naquela região.

Até o iman (líder muçulmano) aceitou Cristo. Agora eles estão usando a mesquita para reuniões cristãs porque a maioria do povo naquele vilarejo se tornou cristão.

Uma resposta para “Será que Captamos a Mensagem?”

  1. Josué Soares disse:

    Conhecer a Cristo de verdade, a escrituras indicam ser este o grande segredo para se alcançar a vida eterna – Jo 17:3. Esta não é uma tarefa simples, e que tenha exatamente um fim no qual se possa alcançar e ter a tarefa como cumprida, acabada, é sim algo que vai se desenvolvendo em nossas vidas, até o dia o que o Senhor nos chamar, e o nosso grau de conhecimento de Deus é revelado por meio de nossas atitudes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *