Sejam abundantes na obra do Senhor

Publicado em: 28/04/2019 Categorias: Arauto / O fruto do Espírito é o amor

Arauto - Ano 36 - nº 03 - Jul/Dez 2018

Rich Carmicheal

E percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades.Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor.E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos.Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.” (Mt 9.35-38)

O Senhor se importa profundamente com pessoas que são fisicamente e espiritualmente necessitadas e sabe que muitas estão prontas para responder ao seu amor. Para alcançá-las com o seu amor, ele deseja que nos tornemos seus colaboradores no trabalho da seara.

O próprio Jesus foi (e é) dedicado a esta obra. Como afirmou aos seus doze discípulos:“A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e completar a sua obra” (Jo 4.34). Ele fez essa declaração durante uma ministração em Samaria, enquanto levava uma mulher samaritana e o povo de sua cidade a um encontro com Deus. De fato, o cerne de sua obra era buscar e salvar os perdidos (Lc 19.10) e para esse fim foi que ele pregou, ensinou, curou, encorajou e atendeu a todo tipo de necessidade, tanto espiritual quanto física. Ele “não veio paraser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mt 20.28). Ele viveu e morreu para que outros viessem a conhecer a Deus.

Não é nada surpreendente, portanto, que ele tenha chamado atenção para a colheita e para a obra que precisava ser feita. “Não dizeis vós que ainda há quatro meses até à ceifa? Eu, porém, vos digo: erguei os olhos e vede os campos, pois já branquejam para a ceifa” (Jo 4.35). Nós somos suas mãos, seus pés e sua voz –seus instrumentos para alcançar os perdidos e edificar os convertidos. O tempo é curto e, como povo de Deus, precisamos aproveitar ao máximo cada oportunidade.

Devemos ser “sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão” (1Co 15.58). Como um meio de encorajamento, quero convidá-lo a considerar três verdades escondidas nesta passagem:

  1. A obra do Senhor pode ser difícil

Quando o apóstolo Paulo escreve que nosso “trabalho” não é em vão, ele usa uma palavra grega (kopos) que enfatiza o “aspecto desgastante de trabalho árduo”. Embora fazer a obra de Deus proporcione muita alegria, Paulo sabia muito bem que o trabalho podia ser muito difícil, e ele mesmo dava exemplo disso (1Co 15.10). Não importa se o nosso trabalho envolve pregar, ensinar, dar, orar, evangelizar, liderar, mostrar hospitalidade, incentivar ou servir, podemos esperar que esse labor muitas vezes exija de nós um elevado preço.

  1. O Senhor providencia os recursos para a sua obra

“Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra” (2Co 9.8). Nós podemos abundar no trabalho do Senhor porque sua graça é abundante em nós, e ele fornece todos os recursos de que precisamos para realizar a sua obra!

E não somente sua graça é abundante em nós, ele mesmo habita em nós! Assim como Jesus declarou:“O Pai, que permanece em mim, faz as suas obras” (Jo 14.10) e, assim como Paulo declarou: “Para isso é que eu também me afadigo, esforçando-me o mais possível, segundo a sua eficácia que opera eficientemente em mim” (Cl 1.29), podemos confiar na presença do Senhor para operar em nós e por meio de nós. Como parte de sua comissão para ir e fazer discípulos de todas as nações, Jesus promete estar sempre conosco (Mt 28.20). Ele é fiel para encorajar nossos corações e nos estabelecer em toda boa obra e boa palavra (2Ts 2.17).

Você sente falta de algo para realizar a obra do Senhor? Talvez lhe falte coragem? Considere como o Senhor deu coragem a Pedro e a João para continuar na obra do Senhor apesar das ameaças do Sinédrio (At 4.13). Você não tem ousadia? Considere como os discípulos oraram e “todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus” (At 4.31).

Você não tem força? Encorajamento? Sabedoria? Poder? Com os recursosdele, podemos realizar todas as coisas. De fato, Jesus ensina: “…aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai. E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho” (Jo 14.12,13). Podemos abundar na obra do Senhor por causa de sua presença, seu poderoso nome e a força de sua mensagem (Rm 1.16). Podemos ter plena expectativa de que, enquanto permanecermos nele e ele em nós, daremos muito fruto (Jo 15.5).

  1. A obra do Senhor é importante

Um dia está chegando em que “manifesta se tornará a obra de cada um; pois o Dia a demonstrará, porque está sendo revelada pelo fogo; e qual seja a obra de cada um o próprio fogo o provará” (1Co 3.13). Enquanto muitas coisas na vida são temporais, sabemos que a obra do Senhor possui uma importância eterna – ela “não é em vão”. Cristo morreu, foi sepultado, ressuscitou dos mortos e está retornando, e a obra que realizamos agora para compartilhar sua vida e amor com os outros tem valor agora e terá valor por toda a eternidade!

Esta obra é muito importante para o Senhor.“Porque Deus não é injusto para ficar esquecido do vosso trabalho e do amor que evidenciastes para com o seu nome, pois servistes e ainda servis aos santos” (Hb 6.10). Você consegue ver como é uma questão pessoal para Deus? Quando trabalhamos e ajudamos o seu povo, é como se estivéssemos demonstrando amor a ele. Isso nos lembra o ensinamento de Jesus, de que tudo o que fazemos para um dos menores de seus irmãos, fazemos para ele (Mt 25.40). Um dia,ele nos recompensará pelo nosso trabalho (1Co 3.8).

Obviamente, nosso trabalho para o Senhor também é importante para aqueles a quem ministramos. Quando o Senhor retornar, não nos alegraremos muito por causa daqueles que se voltaram para Cristo e foram fortalecidos por meio de nossas palavras e o serviço que oferecemos a eles? “Pois quem é a nossa esperança, ou alegria, ou coroa em que exultamos, na presença de nosso Senhor Jesus em sua vinda? Não sois vós?” (1Ts 2.19,20).

Contudo, a maior bênção de todas é que nosso trabalho pode trazer glória para o Senhor. Assim como Jesus glorificou seu Pai enquanto estava na Terra, completando a obra que o Pai lhe dera para fazer (Jo 17.4), nosso Pai também recebe glória quando completamos a obra que nos confiou (Mt 5.16; 1Pe 2.12). Afinal, somos“…feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras…” (Ef 2.10).

De fato, Jesus se entregou para nos redimir e “…purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras” (Tt 2.14). Que privilégio é ser “…utensílio para honra, santificado e útil ao seu possuidor, estando preparado para toda boa obra” (2Tm 2.21). Ao executarmos fielmente sua obra, ele é honrado e glorificado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *