Onde Está o Seu Tesouro?

29/01/2012 Publicado por: Impacto

Arauto - Ano 28 - nº 03 - Jun/Set 2010

Por: Kim Butts 

“Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mt 6.19-21).

Se você perguntar à sua família o que eles mais valorizam, o que dirão? Descobrir a resposta lhe dará a oportunidade de dar uma boa olhada para dentro do coração dos seus filhos para ver se já foram conquistados pela cultura – ou por Cristo. Seus filhos querem possuir os mais recentes lançamentos do mercado e ter o que as outras crianças têm? Sentem simpatia por outros, têm um coração para interceder e uma vida focada em servir ao Senhor? As respostas revelam onde está o tesouro deles?

Já que está fazendo uma pesquisa sobre o “tesouro” da sua família, talvez você queira fazer uma sobre o seu também. Você pode ter a melhor das intenções de ser um exemplo de santidade para seus filhos e, mesmo assim, ter o coração preso em algo que se tenha tornado um ídolo em sua vida. Se assim for, esta pode ser uma boa oportunidade de falar em família a respeito do que é ou do que deveria ser mais importante nesta vida para os seguidores de Jesus Cristo.

Deus é o nosso pai. Ele não é o grande “espoliador” de crianças e adultos. Ele é generoso e quer nos dar boas coisas, coisas que serão mais saudáveis e benéficas para nós, coisas que podemos usar para trazer mais glória para ele e coisas que serão importantes para o seu Reino. Ele permite que tenhamos alguns bens a fim de podermos ser generosos e compartilhar com aqueles que estão em necessidade. É quando não enxergamos para além do próprio egoísmo e cobiça que não conseguimos ver o propósito por trás daquilo que Deus permite na nossa vida.

Quando isso acontece, o Pai pode resolver nos cutucar, permitindo que passemos por desapontamentos e privações. Somos um perigo para nós mesmos quando sempre conseguimos o que queremos ou pensamos que devíamos ter. O orgulho e o egoísmo se insinuam dentro do coração.

Vivendo Vidas Simples

Tem sido intrigante observar que, com o passar dos anos, estou ficando cada vez mais disposta a simplificar minha vida, como se estivesse me preparando para deixar esta Terra um dia sem levar nada comigo – o que, aliás, é o que vai acontecer. Meu coração está ficando cada vez mais focado no céu à medida que o Pai me ensina a contentar-me com menos “coisas”. Ele está me mostrando que devo me desapegar de possessões porque nenhuma delas vai durar.

Às vezes, penso que preciso de algumas coisas e descubro, mais tarde, que realmente não eram necessárias. Na verdade, apenas tomavam meu tempo; tinha sempre de mudá-las de um lugar para outro e procurar papéis importantes no meio de tantas coisas que deveriam ter sido descartadas há muito tempo. Por conta delas, nunca conseguia organizar minha casa do jeito que queria!

Se você conseguir ensinar aos seus filhos como ser organizado e como lidar com suas “tralhas” quando ainda são jovens, terá feito um enorme favor para eles! Terão muito mais liberdade para focalizar coisas que têm valor eterno ao invés de tomar tempo com coisas que serão “queimadas”. Seu tesouro não estará nas coisas que possuem, mas no Reino de Deus.

Recentemente, meu marido e eu nos mudamos para uma casa menor e descartamos ou demos embora muitas das nossas possessões. Ficamos com bem menos “tralhas”. Não sentimos falta de nada do que não temos mais e nossa vida ficou muito menos complicada. A simplificação exterior das nossas vidas foi boa para nós; entretanto, logo descobrimos que essa simplificação precisava ser uma disciplina interna antes de poder realmente ser externa.

Em outras palavras, é plenamente possível simplificar a vida, como nós fizemos, e ainda não haver mudança alguma dentro do coração que pudesse impactar significativamente o Reino de Cristo. É até perigoso reduzir seu ritmo de vida e diminuir suas possessões, pois pode gerar justiça própria e orgulho, se não tomar cuidado. A simplicidade é muito visível exteriormente. As pessoas logo notam mudanças físicas no estilo de vida. São as mudanças espirituais dentro do coração que são mais sutis, mas que devem ser o objetivo primário.

Se meu motivo para reduzir as possessões é que esse esforço seja notado pelas pessoas, então meu tesouro se transformará em soberbia. A simplificação da vida não deve ser o foco primário. É possível ter um estilo de vida mais simples e não ser transformado espiritualmente. Entretanto, se a motivação para simplificar a vida é obedecer a Cristo e buscá-lo em primeiro lugar, então todas as outras necessidades serão supridas. Jesus deu as instruções necessárias para se viver uma vida de simplicidade em paz e alegria. Talvez seja bom decorar estes versículos com sua família: “Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas (Mt 6.33; decore também Mt 6.19-21).

Se não buscarmos o Reino de Deus, fazendo disso o objetivo principal da nossa vida, não tem sentido simplificar. O simples descarte de posses não tornará nossa vida mais completa e abençoada. Somente quando buscarmos a simplicidade com o propósito de passar mais tempo com Jesus e enfocar nossa atenção no Reino de Deus é que experimentaremos a paz e a alegria de uma vida equilibrada. Nosso coração pode ser encontrado no lugar onde está nosso tesouro. O coração dos membros de sua família está focalizado no tesouro que não pode ser roubado nem destruído?

Aprendendo a Abrir Mão

Abrir mão nem sempre é fácil, principalmente para as crianças. Entretanto, o Senhor nos mostrou com clareza em sua Palavra que apegar-se a qualquer coisa mais do que a ele é idolatria. Há coisas, e até pessoas, que podem ter mais prioridade para nós do que o Senhor Jesus. E muitas vezes nem nos apercebemos disso. Você sabe quais são as coisas que o distraem do seu primeiro amor? Você está ciente do que são essas coisas na vida de seus filhos? Talvez seja hora de sentar-se com eles e descobrir onde está o seu tesouro.

Depois de tomar consciência dos seus ídolos, é hora de arrepender-se. Em seguida, é necessário buscar uma mudança de tal modo que sua vida fique livre da escravidão às coisas que estão fadadas à destruição e cheia do amor supremo que é eterno.

Sugiro que leiam como família esta passagem:

“Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas. Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça. Por essa razão, pois, amados, esperando estas coisas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis” (2 Pe 3.10-14).

Conversem sobre o significado disso e falem a respeito do que precisa acontecer em seu lar e no coração de cada um a fim de se alinharem com a Palavra.

Trechos da Escritura para Estudar e Aplicar

Se você e seus filhos se convencerem de que devem alinhar seus corações com o tesouro supremo que é o Reino de Deus, e se estão determinados a deixar para trás o egoísmo e a cobiça da nossa cultura que o inimigo tem prazer em impor sobre nós, aqui estão alguns trechos das Escrituras para fortalecer a sua decisão. Leiam e estudem juntos como família.

  • Se buscarmos a sabedoria como um tesouro escondido, compreenderemos o temor do Senhor e descobriremos o conhecimento de Deus (Pv 2.1-5).
  • Precisamos nos guardar dos ídolos (1 Jo 5.21).
  • Devemos fugir da idolatria (1 Co 10.14).
  • Precisamos arrepender-nos da nossa idolatria (At 17.29-30).
  • Não podemos ser salvos pelo nosso tesouro (Jó 20.20).
  • Devemos dar nossos tesouros pessoais para a obra de Deus (1 Cr 29.3)!
  • Não armazene coisas para você mesmo, antes seja rico para com Deus (Lc 12.21).
  • Jesus presume que seus seguidores serão generosos e até nos conclama a doar de forma anônima e em segredo (Mt 6.2-4).
  • Deus dá riquezas que permanecerão para sempre (Pv 8.18).
  • O fruto do Senhor é melhor do que ouro fino (Pv 8.19).
  • O que o Senhor produz é melhor do que a prata escolhida (Pv 8.19).
  • Podemos amealhar grande riqueza e tudo ainda ser sem sentido (Ec 2.8-11).
  • O Senhor será o fundamento seguro para o nosso tempo, fonte abundante de salvação, sabedoria e conhecimento; o temor do Senhor é a chave para esse tesouro (Is 33.6).
  • Se fizermos ídolos, somos nada, e as coisas que entesouramos são sem valor (Is 44.9).
  • Por causa do pecado do nosso país, o Senhor dará os nossos tesouros aos inimigos como despojo (Jr 17.3).
  • Pela nossa própria sabedoria e entendimento, adquirimos riqueza; contudo, nosso coração se tornou orgulhoso (Ez 28.4-5).
  • Quando encontramos uma pérola de grande valor ou um tesouro escondido num campo, devemos vender tudo o que temos para comprá-los (Mt 13.44-48).
  • Já que fomos instruídos a respeito do Reino de Deus, precisamos tirar do nosso tesouro tanto coisas novas como velhas (Mt 13.52).
  • Jesus deu a chave para a perfeição: vender tudo, dá-lo aos pobres e receber tesouro no céu – e então seguir a Jesus (Mt 19.21).
  • Tenha cuidado porque é difícil um rico entrar no Reino dos céus (Mt 19.23-24).
  • Quando doamos, mesmo tirando da nossa pobreza, damos muito mais do que aqueles que dão do que têm em excesso (Mc 12.41-44).
  • Precisamos estar alertas contra todos os tipos de cobiça; nossa vida não consiste na abundância do que possuímos (Lc 12.15).
  • Que sejamos encorajados no coração e unidos em amor de tal modo que tenhamos todas as riquezas do completo entendimento – a fim de conhecer o mistério de Deus, isto é, Cristo (Cl 2.2).
  • Que façamos o bem e sejamos ricos em boas obras; sejamos generosos e dispostos a compartilhar – pois assim ajuntaremos tesouros para nós mesmos como firme fundamento para a era vindoura e alcançaremos a vida que é verdadeiramente vida (1 Tm 6.18-19).
  • O tesouro do evangelho de Cristo está dentro de nós, como vasos de barro, de tal modo que todos perceberão que só pode ter vindo pelo poder de Deus e não de nós mesmos (2 Co 4.7).
  • Todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão escondidos em Cristo (Cl 2.3).
  • Se formos ricos neste mundo, não sejamos arrogantes nem depositemos nossa esperança na riqueza, que é incerta; ao contrário, coloquemos nossa esperança em Deus, que nos concede amplamente todas as coisas para nossa alegria (1 Tm 6.17).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *