O Sétimo Shofar e o Arrebatamento (Parte 1)

Publicado em: 20/09/2018 Categorias: 2018 / Revive Israel

Daniel Juster, Th. D. Restauração de Sião, Tikkun Global

Aqueles que creem que o arrebatamento dos santos e a ressurreição dos justos em Yeshua virão no final da tribulação (Pós-Tribulacionismo) apresentam duas possíveis visões sobre onde colocar o arrebatamento.

Uma delas, que eu acredito ser a mais prevalecente, é que acontecerá no sétimo Shofar (trombeta) em Apocalipse 11. A outra visão é que virá no final do período das taças da ira (um breve período no final da tribulação), e é identificado com o toque do shofar no final do dia sagrado de Yom Kippur. Esta identificação está ligada a 1 Coríntios 15. 51-52, texto que diz que seremos transformados no último shofar.

Em meu livro Páscoa: a chave para abrir o livro do apocalipse, eu defendo que o sétimo shofar é o shofar do Arrebatamento, quando seremos arrebatados ao encontro com o Senhor, e que logo em seguida voltaremos à Terra com ele. Eu vejo uma série de eventos na volta de Yeshua e não um único evento. Entendo que em tais assuntos ainda vemos como por um espelho de modo obscuro e que todas essas percepções são um tanto especulativas.

Minhas razões para sustentar esse ponto de vista:

1. O Último Shofar em 1 Coríntios 15 poderia se referir apenas ao último dos shofares que trazem juízo e este sétimo é o último da série e anuncia o juízo final, o arrebatamento e a ressurreição. Não é o último a ser tocado. Haverá muitos outros durante toda a Era Milenar.

2. A Festa de Yom Teruah, ou a Festa das Trombetas, não teve nenhum cumprimento histórico claro como as outras Festas, que têm cumprimentos bem óbvios em Yeshua. Mas se Yom Teruah anuncia a vinda do Messias, e desencadeia o arrebatamento, a ressurreição e depois a sua descida à Terra, teríamos um cumprimento bem adequado. Outras interpretações não identificam um grande cumprimento adequado para o peso de uma grande festa como esta. A associação de 1 Tessalonicenses 4.16-17 com Yom Teruah ou Rosh Hoshana é uma visão muito aceita e comumente ensinada por boas razões.

3. O Livro do Apocalipse fornece uma cronologia que é progressiva nos Sete Selos, nos Sete Shofarot e Sete Taças da Ira. O Sétimo Selo se abre e inicia as Sete Trombetas. A Sétima Trombeta toca e desencadeia as Sete Taças da ira de Deus. O livro também inclui narrativas em parêntesis no meio dessa progressão que não estão necessariamente na linha cronológica. Ao mesmo tempo, é significativo observar exatamente onde João colocou essas inserções em parêntesis.

No capítulo 10, João escreve que o mistério de Deus será completado logo antes de tocar o sétimo shofar (Apocalipse 10.7). Se este é o shofar do arrebatamento e da ressurreição, seria um encaixe perfeito. O mistério é o número completo de participantes da Noiva do Messias (como Paulo ensina em Efésios 3 e a plenitude dos gentios em Romanos 11). Se o arrebatamento e a ressurreição ocorrerem após o sétimo shofar, então o mistério não estaria completo antes de ser tocado essa última trombeta como Apocalipse 10.7 declara. Ainda haveria pessoas sendo salvas que poderiam fazer parte do arrebatamento após o toque do sétimo shofar. Não se encaixaria no texto de Apocalipse 10.7.

4. Apocalipse 11.3 afirma que, ao fim de 1.260 dias (o tempo da Grande Tribulação), as duas testemunhas proféticas martirizadas ressuscitam dos mortos e ascendem ao céu. Esta é certamente uma imagem do arrebatamento e da ressurreição que eu acredito que acontecem logo depois. Então, há um grande terremoto e 7 mil morrem na cidade chamada Sodoma, que é identificada como Jerusalém, notando que é a cidade onde nosso Senhor foi crucificado. Na sequência, indica que Jerusalém se volta para o Senhor. “As outras ficaram sobremodo aterrorizadas e deram glória ao Deus do céu” (Apocalipse 11.13).

Em todos os outros casos, quando há juízos no Livro do Apocalipse, o povo não se volta para Deus, mas se rebela e amaldiçoa ainda mais, porque estão sob o engano do Anticristo e do Falso Profeta. Esse reconhecimento e glorificação de Deus em Apocalipse 11, porém, se encaixa como o tempo em que Israel / Jerusalém invocará Yeshua para salvá-los (Mateus 23.39)

Isso se encaixa também com Zacarias 14 onde lemos que as nações cercarão Jerusalém, haverá um terremoto e então o Senhor sairá para lutar contra os exércitos daquelas nações. O retorno de Jerusalém para Yeshua se encaixa se ocorrer entre Zacarias 14.2 e 14.3, e, então, seus pés pousarão no Monte das Oliveiras (v.4). Os santos retornarão com Yeshua enquanto a guerra ainda está em andamento, antes do seu final. Ainda não é a experiência do novo nascimento para Israel, mas, aparentemente,é um retorno corporativo de Jerusalém para Yeshua. Somente depois desta virada em Apocalipse 11.14 é que o anjo toca o sétimo shofar.

Eu acredito que quando Israel ou Jerusalém invocar Yeshua, isso desencadeará o arrebatamento, e em seguida os Reinos deste mundo se tornarão o Reino de nosso Senhor e de seu Ungido (Ap 11.15).

Entrando no Seu Descanso

Precisamos nos esforçar para entrar no descanso de Deus? Sarah Singerman mostra como já entramos nesse descanso por meio de Yeshua, nosso bom pastor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *