O Preço da Unidade

Publicado em: 20/03/2015 Categorias: 2015 / Revive Israel

Asher Intrater

Unidade é o produto final do amor. Se eu amo você, e você me ama, e todos nos amamos uns aos outros – então a totalidade do nosso amor nos une. Ser “Um” é uma condição espiritual, divinamente inspirada (Efésios 5.31-32); tornar-se unido é o processo humano ou manifestação visível da posição de ser um. Somos “um” no Senhor, porém temos muito trabalho pela frente para nos tornar unidos.

Yeshua orou para que fôssemos Um em João 17; em João 18, ele entrou no Jardim do Getsêmani com seus discípulos. João registra sua oração pela unidade, enquanto os outros evangelhos registram a oração do Getsêmani: “Que não seja como eu quero, e sim como tu queres” (Mateus 26.39). Vamos colocar as duas orações juntas.

A oração do Getsêmani de obediência até à morte era o preço necessário para que chegássemos à unidade de João 17. Após a oração do Getsêmani, Yeshua foi preso e conduzido até a sua crucificação. Na cruz, ele pagou o preço para que os pecadores fossem salvos e os cristãos fossem um. A cruz é o preço para tornar possível nossa “unidade com Deus”.

Perdoando seu Traidor

Assim como Yeshua foi crucificado em sua cruz, nós também temos que carregar a nossa cruz diariamente para chegar à unidade. Na cruz, Yeshua fez esta oração crucial: “Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem”(Lucas 23.34). Há muitos níveis diferentes de perdão e muitos tipos diferentes de pessoas para perdoar. Mas a situação mais difícil para perdoar é quando alguém próximo a você o trai.

Ninguém passa pela vida sem se sentir traído, ou no mínimo abandonado, por outra pessoa. Talvez você foi traído por alguém que fez isso de propósito; ou pode ser que ele não tenha percebido o que estava fazendo. Talvez ele nem tenha chegado a traí-lo, porém as circunstâncias da vida simplesmente fizeram com que um relacionamento íntimo se tornasse mais distante, levando você a se sentir traído. Independente do nível em que a traição foi intencionada ou percebida, ela sempre será a experiência mais dolorosa na vida. Ninguém pode traí-lo a menos que tenha um nível de intimidade com você. Intimidade requer vulnerabilidade, e a traição atinge essa área sensível de vulnerabilidade íntima. É por isso que a traição é tão dolorosa.

Contudo, este é o preço da unidade: perdoar aqueles que o traíram. É assim que “carregamos a nossa cruz”. O único caminho para a reconciliação e unidade é perdoar aqueles que nos feriram. Cada um de nós tem que fazer isso dentro da esfera da sua própria vida e círculo de relacionamentos, seja na família, com amigos ou na congregação.

Resumo do Jejum de Ester

Este ano, atingimos novos níveis de unção, logística e unidade. A participação local mais que dobrou em relação ao ano passado. Quatorze líderes congregacionais diferentes participaram ao longo do dia.

Um dos pontos altos foi a presença de Bassam, um cristão de origem muçulmana e Pastor da Alliance Evangelical Church (Igreja Evangélica da Aliança) em Jerusalém Oriental, que nos dirigiu em oração em favor do Oriente Médio. Ele deu uma poderosa palavra profética e disse que o ISIS, segundo notícias, está mudando seu plano; ao invés de fazer a capital do seu califado em Meca, agora querem fazê-la em Jerusalém. Esse fato nos levou a uma intercessão focada e oportuna.

Outros destaques foram uma equipe de louvor convidada do ministério Gateways Cyprus (Chipre) que esteve conosco junto com alguns de seus alunos, assim como nossa primeira equipe de adoração de Yad Hashmona, metade dos quais eram adolescentes. Estamos empolgados com o que Deus está fazendo entre os jovens nesta aldeia messiânica estratégica.

Temos sido encorajados pelo feedback positivo das pessoas que se juntaram a nós do mundo todo, literalmente, através da transmissão ao vivo pela internet. Algumas questões técnicas ligadas à internet e ao nível de som desafiaram nossa equipe de mídia, mas, no geral, foi outro grande passo à frente em relação aos anos anteriores.

Um grande “muito obrigado” a todos que participaram conosco!

Para assistir a uma canção de adoração daquele dia:
https://youtu.be/M6BDmwYMpSk?list=UUeOJT0q7PjZHNSXnjZpZkAA

Abraçando o Comprometimento com a Vida Congregacional

Nesta mensagem de áudio gravada num culto de Shabbat recente em Ahavat Yeshua, Dan Juster ensina que o comprometimento com a vida congregacional é um aspecto central que devemos abraçar em nossa obediência a Yeshua. Para ouvir: https://db.tt/wxOD3PPo

Contagem Final para as Eleições em Israel

As eleições de Israel acontecem esta semana. Por favor, ore. Orar por líderes governamentais é de alta prioridade (1 Timóteo 2.2). Deus pode tirar e colocar as pessoas que ocupam posições de autoridade no governo (Daniel 4.17). Os profetas de Israel oravam pela nação e ungiam os que eram chamados para serem reis. Os líderes governamentais tementes a Deus influenciavam a nação para o bem, enquanto os maus influenciavam para o mal.

A palavra para “primeiro-ministro” em hebraico é, na verdade, “cabeça do governo”. Tem havido muito ataque pessoal de baixo nível a Netanyahu durante esta campanha. Netanyahu tem citado valores e versículos bíblicos repetidamente em seus discursos internacionais, e tem abraçado evangélicos ao redor do mundo. Contudo, as questões em Israel são complexas.

  1. Preço dos Imóveis – são tão altos que uma família trabalhadora normal de classe média em Israel tem pouca chance de comprar uma casa, bem como de pagar impostos e as despesas básicas.
  2. Segurança – com as forças do ISIS na fronteira da Síria com Israel, além do Hamas e Hezbollah, é fundamental que Israel tenha um líder que possa enfrentá-los. Israel tornou-se um fator significativo na luta contra o avanço da Jihad mundial.
  3. Coalizão Árabe – os três ou quatro partidos árabes que já existem se uniram para formar uma coalizão que está brigando para ser o terceiro maior partido em Israel. Embora muitos israelenses árabes sejam “pró-Israel”, essa coalizão tem assumido uma posição mais “antissionista”.
  4. Ultra ortodoxos – existem três partidos judaicos ultraortodoxos que possivelmente se uniriam à coalizão da direita. Esses partidos normalmente impõem um programa extremista, limitando a liberdade religiosa e prejudicando a economia.
  5. Partidos Centristas – embora a eleição seja principalmente uma competição entre as coalizões de Herzog e Netanyahu, a composição final do governo pode depender dos dois partidos centristas, liderados por Lapid e Kahlon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *