O Foco Certo

Publicado em: 25/02/2012 Categorias: A Batalha da Adoração / Arauto

Arauto - Ano 19 - nº 03 - Out/Dez 2001

Por: Rich Carmicheal

Durante um culto de adoração, recentemente, na igreja onde participo, houve um período de silêncio prolongado no meio dos cânticos congregacionais. Todos se calaram simultaneamente: o dirigente do louvor e a congregação pararam de cantar, e os músicos pararam de tocar. Nunca acontecera antes, e não fora planejado nem esperado nesta ocasião. Ficamos todos em pé, em silêncio, na presença do Senhor.

Durante este período, comecei a me indagar sobre o que o Senhor poderia fazer no nosso meio. Porventura enviaria uma onda de convicção de pecados e arrependimento sobre a congregação? Será que nos purificaria? Libertaria? Curaria? Avivaria? Chamaria para sua obra?

À medida que o tempo de silêncio continuava, porém, comecei a reconhecer que no lugar de perguntar sobre o que o Senhor faria nestes momentos, o importante era focalizar minha atenção no próprio Senhor. Mesmo que ele não fizesse nada especial no nosso meio nessa ocasião, era suficiente estarmos em silêncio diante dele. Ele é digno do nosso louvor, indiferente daquilo que fará ou não fará em resposta à nossa adoração. Como o Senhor mesmo declara: “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus…” (Sl 46.10).

É claro que o Senhor de fato abençoa graciosamente seu povo enquanto o adora. Ele concede alegria, força, encorajamento, cura, paz, conforto, direção, segurança, propósito, chamamento, luz, inspiração, e muitas outras coisas maravilhosas. Como Davi afirma no Salmo 103: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios” (v.2).

Porém, nosso foco em primeiro lugar deve ser o próprio Senhor, e não os seus benefícios. Devemos apresentar-nos diante dele com cânticos (Sl 100.2); prostrar-nos e ajoelhar-nos diante do Senhor (Sl 95.6); exaltar o nome de Deus com ações de graças (Sl 69.30); bendizer ao Senhor, e ao seu santo nome (Sl 103.1); elevar nossa alma ao Senhor (Sl 25.1); contemplar a beleza do Senhor (Sl 27.4); calar-nos diante dele (Hc 2.20); buscar perpetuamente a sua face (Sl 105.4); exultar no Senhor (Sl 33.1); cantar louvores a ele entre as nações (Sl 108.3); esperar no Senhor (Sl 37.34); adorar ao Senhor na beleza da santidade (Sl 29.2)… A lista de expressões de adoração poderia continuar muito mais, mas o foco é sempre o mesmo: adore a ele!

Rich Carmicheal é publicador da Edição Internacional em inglês do  Arauto da Sua Vinda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *