O Ensino das Sete Montanhas

Publicado em: 02/11/2015 Categorias: 2015 / Revive Israel

Daniel Juster Th. D.

Por 35 anos, nossos ministérios têm ensinado o Evangelho do Reino de uma forma que nos conecta ao mais recente “Ensino das Sete Montanhas de Influência”. Esse ensino tem se tornado cada vez mais popular tanto nas correntes carismáticas quanto nas evangélicas.

Temos ensinado com frequência que os seguidores de Yeshua devem exercer influência de princípios divinos em todas as esferas da sociedade. Por exemplo, o dono de uma empresa é responsável por construir seu negócio de acordo com princípios cristãos e ser uma testemunha e uma influência na maneira de conduzir sua empresa. A teologia reformada ensinava que há três esferas essenciais de autoridade que todas as pessoas devem experimentar: Igreja, família e governo civil (o campo político). Ninguém pode estar legitimamente separado dessas esferas, e todos somos chamados para andar em submissão a Deus e sua Lei em cada uma delas. Poderíamos dizer que essas 3 montanhas são as maiores dentre as 7.

A Igreja é a Montanha mais alta

A função da Igreja não é exercer domínio sobre o governo civil, nem é a função do governo civil dominar sobre a Igreja. Ao invés disso, cada um deve estar sujeito às Leis ou aos princípios de Deus em sua própria esfera. A Igreja deve ser a voz profética e de ensino para as demais esferas e deve ajudar a moldar a cultura de forma geral. No último século, a Igreja Evangélica ocidental praticamente abandonou a formação da cultura em favor de um Evangelho de fuga, pensando apenas em ir para o céu ao morrer ou no arrebatamento sete anos antes da vinda de Yeshua. Portanto, a Igreja abandonou a cultura mais ampla em favor da espiritualidade individual.

O ensino das sete montanhas expande as esferas clássicas de autoridade ao olhar para as principais influências que moldam a cultura de forma geral. Ele inclui a mídia, a educação, as artes e o negócio. Geralmente, a sociedade caminha na direção, para o bem ou para o mal, determinada por quem controla as chaves do poder nessas esferas. Os controladores das chaves culturais na sociedade são como Reis.

Transformação Cultural

Hoje, o controle de várias das esferas mais influentes — tanto em Israel quanto na maior parte do mundo ocidental – está nas mãos da esquerda secular, especialmente na educação e na mídia. Ainda há resistência na área dos negócios e no campo político. Os mestres desse ensino das sete montanhas estão encorajando os cristãos e judeus messiânicos a abraçar os chamados em cada uma dessas sete esferas para mudar a direção de toda a cultura. Isso só pode acontecer pelo poder do Espírito e, por isso, o avivamento é crucial.

No entanto, há qualificações muito importantes que devem ser observadas em relação a esse ensino. Em primeiro lugar, está bem claro na Bíblia que não vamos dominar o mundo e governar sobre todas as esferas em todas as nações antes da segunda vinda. A plenitude do Reino só virá depois da volta do Messias. Então, embora tenhamos uma responsabilidade em relação à cultura, não devemos criar ilusões de uma vitória completa antes do retorno do Senhor. Contudo, muita coisa boa pode ser feita nem ínterim. Além disso, devemos observar que o ponto central do avanço do Reino ainda é o desafio de convocar pessoas para abraçar e se submeter à mensagem do Evangelho. Em última análise, o Reino que estamos aguardando é quando Yeshua se sentar sobre o trono de Davi em Jerusalém!

A Festa que ainda não se Cumpriu

Nesta mensagem, Asher compartilha sobre o tema unificado das escrituras e o significado messiânico dos Dias Sagrados Judaicos. Para assistir em inglês: https://www.youtube.com/watch?v=-jGo_jIbF9k&list=PLrQIjPM4N0r0YMjvi9chiolg1Y9OPBvn7&index=10

Notícias do Ajuntamento Global em Munique

Ariel Blumenthal

O “Movimento” Gathering (Ajuntamento) acabou de completar o seu mais recente capítulo, um ajuntamento de milhares de pessoas de muitas nações na cidade de Munique, Alemanha. Esses ajuntamentos são “maratonas” espirituais — 3 dias e meio de adoração apaixonada e fervorosa, dança, intercessão, demonstrações de reconciliação e unidade, e atos proféticos representando o que o Espírito Santo está fazendo na terra hoje.

Estávamos numa equipe de 5 líderes de Israel, incluindo Chaim, Asher e Betty, e Ariel do Revive Israel. Aqui está um testemunho:

Tivemos um momento de declarar o fim do período de 70 anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Por vários anos, temos focado nessa janela profética de tempo, entendendo a partir de Jeremias, Daniel e Êxodo 20 (3 a 4 gerações) que Deus julga os pecados de uma nação durante esse período de tempo, e então chega o momento de a história e o plano de Deus avançarem.

Como judeus e como israelenses (no mesmo local histórico do massacre dos 11 atletas israelenses durante os Jogos Olímpicos de Munique de 1972), declaramos que havia chegado o tempo de os alemães seguirem em frente sem que os grilhões do passado os prendessem; e que nós, como judeus, não devemos mais nos posicionar, como fazemos todos os anos em memória ao Holocausto, declarando: “nunca perdoaremos, nunca esqueceremos”.

Não estamos falando sobre negar o Holocausto ou fechar Yad V’shem [Museu do Holocausto] — estamos falando sobre uma mudança na dinâmica do relacionamento entre a Alemanha e Israel, no sentido de que o pecado, o sofrimento e a falta de perdão do passado não definam mais quem somos como povos e como nações. Vamos avançar juntos, no Messias!

Depois de declararmos essa posição e orarmos, um jovem alemão, futuro líder espiritual, disse-me: “Muito obrigado pelo que você fez. Como alemão sempre senti, especialmente em ambientes internacionais, que havia algo me segurando, esse fardo do peso da história e da culpa do nosso povo; sentia como se não pudesse entrar no meu destino pleno e num lugar de liderança, com medo de que algo ruim fosse acontecer. Mas, quando você orou hoje, isso foi quebrado!”

Que essa geração de jovens alemães cristãos possa se levantar e correr em direção ao alvo do chamado de Deus para eles!

Pedido de Oração

Suíça – Por favor, ore por Youval que viajará para a Suíça para ministrar e encontrar-se com líderes. Aqui está a sua agenda: 31 de out – the Call em Genebra, 1 de nov – igreja Buis em Genebra, 1-2 de nov – ensino em Escola Bíblica IBETO em Orvin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *