Notícias

Publicado em: 19/10/2012 Categorias: Arauto / Jesus é o Senhor!

Arauto - Ano 02 - nº 01 - Jan/Mai 1984

Por: E. Edgardo Silvoso
Extraído de “Global Churcn Gruwtli”

HINDUS AGRIDEM

Seis Cristãos foram mortos e outros 27 foram feridos, quando a policia de um estado do sul da India, começou a atirar sobre um grupo de cren­tes. Este é um sinal claro que os fanáticos Hindus estão se unindo para fazer daquele pais um pais exclusivamente da religião hindu.

HAITI

22000 pessoas estiveram presentes no culto de encerramento da campanha evangelistica em Caies, na terceira maior cidade do Haiti. O evan­gelista foi Clyde Dupim dos Estados Unidos da América. Conta-se de um resultado de 2000 decisões por Cristo.

INDIOS MISQUITOS

Os cristãos na Nicarágua e em Honduras da tribo dos índios Misquitos, são duramente perseguidos pelos governos destas duas nações. 24 tribos foram destruídas, e 60 índios da Igreja dos Irmã­os de Hernhut foram mortos, e, 8 pastores foram aprisionados.

CRISTÃOS NO VIETNÃ

Cristãos Vietnamitas cada dia mais estão sofren­do pressões do governo daquele pais. Todas as juntas de missões e casas de publicadores  foram fechadas a mais de um ano. Toda literatura Cristã foi confiscada pelo estado. 20.000 bíblias enviadas pela República Democrática Alemã simplesmente sumiram durante a viagem para Haiphong. Estas biblias haviam sido doadas pelas igrejas protestantes daquele pais aos Cristã­os Vietnamitas. Uma carta recebida de lá afirma que as condições de vida para os crentes estão se deteriorando. O autor de uma das cartas vive em uma pequena vila e recentemente foi preso por ter pregado o evangelho. No Vietnã vivem hoje 52,3 milhões de pessoas dos quais 2,2 milhões são cristãos professos. Vamos silenciar a respeito disso?

CRESCIMENTO DA IGREJA FOI BARRADO

Um exemplo da Argentina, um pais sul americano

No início dos anos 50 o distrito de São Nicolau perto de Buenus Aires era praticamente esqueci­do pelo evangelho. Em toda área não havia mais de 200 cristãos pertencentes a uma igreja evan­gélica. Em 1955 iniciou uma obra popular de evangelização na área. Em apenas 12 anos o nú­mero de crentes subiu para 18 igrejas e 8000 crentes.

O personagem central desse movimento foi um pregador leigo de nome Carlos Naranjo. O movi­mento passou a ter o nome de Avivamente de Naranjo. O sucesso de Carlos Naranjo se deve a sete princípios.

—   Desenvolvimento de uma forte igreja mãe.
—    Ensino através do exemplo.
—   Tática sábia.
—    Edificação de um ministério conjunto.
—    Cooperação total de cada um dos membros da igreja em tudo.
—   Cada igreja nova era logo desafiada a se tor­nar independente.
—   Ênfase no trabalho com jovens.

Cada uma destas 18 igrejas era autônoma no seu sustento e todos os pastores eram leigos, ensina­dos por Naranjo. Cada igreja era construída com material encontrado no local, e todo o programa da igreja era totalmente financiado por si mesmo. Nunhum missionário e nenhuma missão era responsável pelo trabalho local. Era num sen­tido verdadeiro da palavra um movimento local.

O distrito de São Nicolau havia até antão sido uma área resistente ao evangelho. Tanto maiores eram as espectativas destas novas igrejas em ganhai’ o lugar para Cristo. E havia expectativas de que o movimento chegasse ao norte da Argen­tina em pouco, mas isto não aconteceu.

25 anos depois do início do movimento o índi­ce de crescimento foi reduzido drásticamente. O número de igrejas cresceu de 18 para 25 e o nú­mero de crentes passou para 10000 o que signifi­ca um acréscimo de 3000 pessoas em 14 anos. O que dá uma porcentagem muitíssimo menor do que no inicio do movimento. Qual foi o pro­blema?

1) Influência denomínaciona!
O movimento havia iniciado sem qualquer influ­ência do fora. Mas, quando aumentou cm núme­ro, muitos lideres denominacíonais se interes­saram na “obra”. E queriam fazer grandes “melhoramentos”, sem dúvida bem intensiona- dos. As consequências, porém foram desatrosas.

A denominação exigia uma ordenação para os religiosos. Sem reconhecimento da denomi­nação, o pastor não poderia batizar, abençoar casamentos, nem fazer enterros. Uma regula­mentação assim seria compreensível se a ordena­ção não fosse vinculada com um estudo sistemá­tico em um seminário. O seminário mais próximo estava distante a uns 300 km em Buenus Aires.

A maioria dos pastores de Naranjo, eram pes­soas entre 30 e 50 anos homens de família com muitas responsabilidades e que não poderiam simplesmente se deslocar para ir estudar em um lugar distante. Além disso o seminário em Bue­nus Aires era exclusivamente para pessoas soltei­ras. Não havia lugar para casais com filhos grandes se alojarem.

Homens maduros e aprovados na obra de fundação de igrejas por causa disso não podiam mais participar ativamente na fundação de novas igrejas pois não podiam mais batizar nem realizar qualquer oficio na igreja, visto não terem o título de bacharel em um seminário.

Isto trouxe gr andes problemas para aquelas igrejas e matou todo o desejo de participar ativa­mente na obra por parte dos leigos. Até a igreja mãe sofreu muito por causa disso pois haviam agora idèas divergentes sobre qualidades para uma verdadeira liderança espiritual.

Por causa do sucesso inicial, Naranjo se trans­formou em um homem muito famoso que dava palestras em muitos lugares sobrea a dinâmica da sua obra. E agora não dava mais tempo para a sua igreja em São Nicolau.

2) Teoria e prática
O vácuo que apareceu por causa do afastamento de Naranjo da sua igreja, precisava ser preenchi­do de alguma maneira. Por isso decidiram convi­dar uma série de pessoas muitos versadas em de­terminados assuntos. A ênfase dos outros prega­dores não era uma ênfase prática, mas teórico, e comenãou a surgir um grande abismo entre dou­tores e leigos. A evangelisação passou a ser ênfase apenas intelectual e por isso as decisões diminuí­ram a cada dia. Por conseqüência disso novas igrejas não iam mais surgindo.

3) A missão verdadeira da Igreja foi deixada de lado

Naranjo era uma pessoa muito cordial e tinha um coração cheio de amor. Nos anos 60 ele começou a alojar na sua casa crianças que não eram bem quistas e abandonadas. Algumas crianças eram enviadas pelo Juiz da comarca para que ele delas cuidasse. Outras crianças sim­plesmente apareciam na porta da sua casa. Não demorou muito e Naranjo passou a cuidar de mais de 100 crianças. Foi muito difícil para con­seguir o sustento para todas elas, e além disso o trabalho tia igreja começou a sofrer. As sete colunas sobre as quais ele comeou a edifícar sua igreja logo form substituídas por outras. Sem dú­vida, este movimento cresceu ainda por causa dos talentos e da sua fidelidade na obra. Mas, infelizmente a taxa de crescimento se reduziu drasticamente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *