Nosso serviço – uma oferta de amor a Deus

Publicado em: 25/12/2014 Categorias: A vida do velho homem / Arauto

Arauto - Ano 32 - nº 04 - Set/Dez 2014

Lois J. Stucky

Jesus disse: “Tomai sobre vós o meu jugo” (Mt 11.29). Ele deseja nos libertar do jugo pesado e lesivo do interesse próprio e do serviço desapaixonado. Seu anseio é que estejamos fortemente ligados a ele pelo mesmo desejo de servir a Deus com alegria, humildade e inteireza de coração. Jesus podia dizer: “Agrada-me [ou “deleito-me”, “tenho grande alegria em”] fazer a tua vontade, ó Deus meu” (Sl 40.8). Ele quer compartilhar conosco essa mesma alegria (Jo 15.10,11).

Pode parecer que nosso serviço para o Senhor seja somente a execução de tarefas simples e manuais. No entanto, o coração pode estar cantando, fazendo uma melodia de amor ao Senhor o tempo todo. E a mente e as mãos podem fazer uma melodia ao mesmo tempo, por meio de sua atenção cuidadosa e diligente ao serviço que estão executando. Quando se vê uma atitude desleixada, despreocupada, desatenta e irresponsável de uma pessoa em relação ao serviço, isso revela muito sobre a condição de seu coração. Como alguém disse: “Quer saber o que alguém ama de fato? Observe onde ele dedica toda a força e paixão do seu coração”. O amor sempre dedica o melhor que tem.

A maioria das pessoas só tem o objetivo de ganhar o próprio sustento e adquirir aquilo que servirá para seu prazer e conforto. Trabalham sempre com um olho no relógio. Referem-se ao trabalho como enfado ou desgaste. Ou, no outro extremo, talvez tenham a ambição de construir uma reputação, de alcançar uma posição de status ou autoridade, e se empenham muito nessa direção. Que contraste com o serviço alegre e espontâneo daquele que tem prazer e propósito em agradar o seu Amado e contribuir para os seus planos!

Onde o amor é que governa, não é uma questão de “quanto posso ganhar”, mas de “quanto posso doar”. Não é ver o quanto se consegue evitar, mas se dispor a andar “a segunda milha”. “Deus ama a quem dá com alegria” (2 Co 9.7), não apenas em se tratando de dinheiro ou possessões, mas de doar a si mesmo.

Os caminhos de Deus sempre estão muito acima dos nossos. Às vezes, ele chama alguém para deixar planos nutridos há muito tempo e preferências pessoais para realizar uma obra que nunca escolheria por conta própria. Essa pessoa pode reagir de forma natural, compelindo-se a obedecer pela obrigação do dever, tornando-se amargo, ou resolvendo abandonar tudo para voltar a uma vida “normal”. Entretanto, usando meios mais facilmente experimentados do que explicados, Deus concede graça ao coração disposto de tal forma que a pessoa consegue avançar com zelo e entusiasmo naquilo que o Senhor lhe deu para fazer. Isso revela a beleza da graça de Deus – e traz glória somente a ele.

Uma das alegrias em trabalhar no Herald of His Coming (sede do ministério “O Arauto da Sua Vinda” nos EUA) ao longo dos anos tem sido ver pessoas que traduzem em ações o amor de Deus que têm no coração, servindo com suas mãos e mentes de forma leal, fervorosa e espontânea. Como isso tem nos inspirado! A tarefa, por menor que seja aos olhos dos outros, é feita com paciência ou “persistência animada”, como diria o irmão Moore (fundador do ministério, em 1941, falecido em 1980), com diligência e fidelidade.

Aos nossos olhos, essas pessoas talvez estivessem empacotando jornais, hora após hora, inserindo os jornais em envelopes e pesando tudo para entregar para o correio, lendo e respondendo cartas até altas horas da noite ou varrendo o chão. Quando Deus vê que é um serviço que flui de um coração de amor, ele o considera como oferta que sobe a ele tão consagrada quanto o incenso no altar – uma oferta de sua própria vida, “sacrifício vivo, santo e agradável” (Rm 12.1).

É uma alegria muito profunda apresentar-nos a Deus no início de cada dia para fazer o que ele deseja, “não servindo só quando observados, como para agradar os homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus, servindo de boa vontade como ao Senhor e não como a homens, certos de que cada um,se fizer alguma coisa boa, receberá isso outra vez do Senhor…” (Ef 6.6-8).

O Noivo real, Jesus, em breve voltará! Deus deseja aperfeiçoar a Noiva para servir em amor. Ele está procurando serviço de qualidade, digno do Rei. Está encontrando isso em você e em mim? É impossível não observar que a qualidade de trabalhos profissionais e de serviços no mundo em geral está decaindo cada vez mais. Vigiemos para que esse espírito não infecte a nós, os cristãos!

Pelo contrário, no espírito de Jesus que disse: “Dou a minha vida… Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou” (Jo 10.17,18), ofereçamos nossa vida em serviço abnegado – em primeiro lugar, a Deus e, depois, aos homens. Louvemos a Deus, não apenas com os lábios, mas com a decisão de um coração obediente e com o trabalho de mãos obedientes. Ore por nós, neste ministério, para que nossas vidas sejam sempre e tão-somente oferecidas a Deus, e que nosso serviço seja de todo o coração e aceitável a ele, inteiramente para sua glória!

Lois Stucky (1928-2014) serviu ao Senhor com dedicação e fidelidade no ministério “Herald of His Coming” desde 1960. Depois do falecimento do fundador, W. C. Moore, em 1980, ela assumiu a responsabilidade editorial do jornal em inglês que é distribuído em vários países e traduzido a diversos idiomas. Continuou trabalhando no ministério até poucas semanas antes do seu falecimento em agosto de 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *