Ministério Sétuplo!?!

Publicado em: 29/10/2018 Categorias: 2018 / Revive Israel

Asher Intrater

Em Atos 1, havia apenas “Apóstolos” como ministros. Vamos chamá-los de Apóstolos do Cordeiro (Apocalipse 21.14). Havia doze.

Em Atos 6, quando a congregação cresceu, houve uma necessidade de mais ministros. Estes foram chamados de “diáconos”. Eram sete. Este foi o segundo estágio. Muitos deles eram de fala grega.

Em Atos 8, devido à perseguição, à dispersão da comunidade de Jerusalém e à disseminação da mensagem do evangelho, surgiu um novo ministério chamado “evangelista”. O primeiro evangelista foi Filipe, que anteriormente foi ordenado diácono (Atos 21.8). Ele foi para Samaria.

Em Atos 11, as congregações se multiplicaram a ponto de serem necessários líderes nas novas congregações. Eles adotaram o nome dos líderes do antigo Israel que eram chamados de “anciãos”. Eles chamavam os novos líderes congregacionais de “anciãos”; mencionados pela primeira vez em Atos 11.30. Em poucos anos, isso se tornou a prática padrão para ordenar anciãos (ou presbíteros) em TODAS as congregações (Atos 14.23). Em Atos 15 (verso 2), os anciãos congregacionais locais e os apóstolos intercongregacionais haviam formado um corpo de liderança estendida.

Em Atos 13, quando a congregação em Antioquia cresceu, surgiram tipos adicionais de líderes, juntamente com os anciãos e apóstolos. Estes foram chamados “profetas e mestres” (Atos 13. 1). O nome “profetas” foi tirado dos antigos profetas israelitas, mas eles representaram um novo estágio de profecia – parte da liderança normal das congregações da Nova Aliança. Até aquele momento, o ministério de ensino havia sido feito pelos Apóstolos (Atos 2.42), mas agora o ensino bíblico foi multiplicado e estendido a outros líderes congregacionais.

Em Atos 14, Paulo e Barnabé já haviam avançado bastante em sua missão, enviados pela congregação em Antioquia para pregar o evangelho e ensinar as Escrituras. Eles estavam entre os profetas e mestres de Antioquia. Mas quando começaram a multiplicar congregações e designar anciãos naquelas congregações, eles próprios se tornaram “apóstolos” (Atos 14.14). Paulo e Barnabé obviamente não faziam parte dos Doze Apóstolos do Cordeiro.

Paulo e Barnabé representaram um novo estágio de multiplicação e extensão do ministério apostólico original. Muitos outros apóstolos os seguiram (até “Andrônico e Júnias” de Romanos 16.7). Alguns eram até “super” apóstolos, como Apolo (I Coríntios 3.3-6) e Tiago (1 Coríntios 15.7). Havia tantos novos apóstolos, que muitos deles eram falsos. A comunidade da fé daquela época tinha que discernir o que era verdadeiro e o que não era (Apocalipse 2.2).

Multitarefa

Esse novo estágio de líderes apostólicos normativos aumentou até que se tornou parte dos dons e funções aceitos dentro de uma congregação da Nova Aliança (1 Coríntios 12.28-29).

A plenitude da multiplicação dos “apóstolos” originais pode ser encontrada em Efésios 4.11, onde há “apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres”. Os apóstolos originais fizeram todas essas cinco funções. Mas agora o papel apostólico é refratado em cinco papéis diferentes, às vezes chamado de ministério “quíntuplo”. Esses cinco papéis são dons do Espírito Santo dados por Yeshua para a comunidade da fé após Sua ascensão (Efésios 4. 7-10).

Os apóstolos fizeram todos os cinco tipos de ministérios, mas hoje essas funções são cumpridas por cinco ministros diferentes. Foi um desenvolvimento lógico e necessário de multiplicação e diversificação. Curiosamente, a palavra “pastor” (poimen em grego) como um papel ministerial é mencionada apenas UMA vez (!) Na Nova Aliança – aqui em Efésios 4. Não existe uma função bíblica de pastor que não esteja no contexto de equipe com os apóstolos, profetas, evangelistas e mestres.

Progressão Lógica

É irônico que o papel do pastor não se encontre explicitamente no livro de Atos, ao passo que os apóstolos eram abundantes; e ainda hoje, muitos pensam que não há mais necessidade de apóstolos, mas que todo líder sênior de uma congregação deveria simplesmente ser chamado de “pastor”. Muitos líderes seniores de uma congregação são na verdade mais mestres ou apóstolos do que pastores.

Parece que o papel do pastor, desenvolvido a partir do papel do ancião, é um tipo de ancião principal na congregação local.

Vamos resumir o desenvolvimento e multiplicação do ministério único dos Apóstolos nas funções multifacetadas da eclésia da Nova Aliança.

•        Atos 1 – Doze Apóstolos

•        Atos 6 – Sete Diáconos

•        Atos 8 – Evangelistas

•        Atos 11 – Anciãos

•        Atos 13 – Profetas, mestres

•        Atos 14 – Novo apóstolos

•        Efésios 4 – Pastores.

Portanto, pode ser mais preciso dizer o ministério “sétuplo”. O papel único dos apóstolos originais tornou-se, na verdade, em sete papéis diferentes, cooperando juntos. Em ordem cronológica eles foram: diácono, evangelista, ancião, profeta, mestre, apóstolo, pastor. Esse é o espectro completo da liderança que servia à comunidade da fé. Todos nós juntos, como os “santos” de Deus, continuamos como a extensão da comissão apostólica original.

Juntos, refletimos a natureza maravilhosa do nosso Messias Yeshua, que é o principal apóstolo e pastor de nossas almas (Hebreus 3.1; 1 Pedro 2.25).

A Grande Inversão

Dan Juster fala sobre as bem-aventuranças em Mateus 5 e encoraja-nos a vencer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *