Liberando o poder de Deus por meio da oração

Publicado em: 24/02/2020 Categorias: Abre bem a tua boca / Arauto

Arauto - Ano 37 - nº 03 - Set/Dez 2019

Por Wesley L. Duewel (1916 – 2016)

O maior privilégio que Deus nos dá é a liberdade de abordá-lo a qualquer momento. Você não está apenas autorizado a falar com ele; você está convidado. Você não só é permitido; mas também é aguardado. Deus espera que você se comunique com ele. Você tem acesso instantâneo e direto a Deus. Deus ama tanto a humanidade, especialmente a seus filhos, que ele se tornou disponível para você o tempo todo. Existem vários elementos neste poder incrível que ele lhe dá, incluindo:

O poder de cooperar com Deus

Deus escolheu realizar muitos de seus propósitos soberanos por intermédio da nossa ajuda. Paulo nos lembra repetidamente que Deus nos designou para uma parceria sagrada a fim de promover o avanço do Evangelho e enfatiza nossa sagrada responsabilidade de trabalhar com ele. Toda forma de obediência a Deus é urgente, mas há muitas situações em que somos limitados. Podemos não estar no local de necessidade. Podemos não ter habilidades ou treinamento especiais. Mas sempre podemos cooperar com Deus por meio da oração.

Pela oração, podemos cooperar com ele em qualquer lugar, a qualquer momento e para qualquer tipo de necessidade. Fomos criados para orar. Fomos salvos pela graça de Deus para entrar em um ministério de oração. Temos a liberdade, o direito e a posição como filhos legítimos de Deus, chamados a trabalhar com ele e escolhidos para esse fim específico.

Além disso, Deus disse em Êxodo 19.5-6: “…porque minha é toda a terra; e vós sereis para mim reino sacerdotal”. E Isaías profetizou: “Mas vós sereis chamados sacerdotes do Senhor…” (Is 61.6). Por que Jesus nos fez “sacerdotes” para servir a Deus (Ap 1.6)? Por que todos os cristãos são chamados de “sacerdócio santo” (1 Pe 2.5) e “sacerdócio real” (v. 9)?

Obviamente, parte do propósito de Deus em nos designar sacerdotes é que devemos adorá-lo e louvá-lo. Mas há muito mais do que isto. Devemos ser um “sacerdócio real”. Cristo hoje governa o mundo por meio da oração. Devemos compartilhar esse princípio intercedendo pelos outros, assim como Cristo intercede constantemente por eles (Hb 7.25). Temos acesso oficial à sala do trono do céu, para que possamos unir nossa intercessão com a de Cristo!

Se Cristo intercede, por que a nossa intercessão é necessária? O que as nossas insignificantes orações poderiam adicionar à sua poderosa intercessão? Deus se agradou em embutir em seu plano eterno a cooperação dos seus filhos com Cristo em seu papel de intercessão e governo hoje. Se não estamos usando os minutos livres para o ministério de intercessão em favor de outros e para a obra de Deus, estamos falhando no chamado especial para o qual ele nos designou.

Se quisermos, podemos transformar qualquer noticiário de rádio ou TV ou artigo de jornal em um chamado à oração. Podemos estar alertas para compartilhar a dor do coração de Deus por um mundo arruinado. A oração é a maneira suprema de sermos cooperadores de Deus.

O poder de resistir a Satanás e derrotá-lo

Satanás é o arqui-inimigo de Deus e do homem. “O vosso adversário, o Diabo, anda em derredor, rugindo como leão, e procurando a quem possa tragar; ao qual resisti firmes na fé…” (1 Pe 5.8-9). Ele é o principal estrategista por trás de todo o mal do mundo. Seu reino consiste em anjos caídos, demônios e pecadores. Ele está constantemente buscando desencorajar, atrasar e derrotar os obreiros de Cristo e a obra de Cristo. Ele está determinado a se opor de todas as maneiras possíveis. Um de seus nomes é “Abadom” ou “Destruidor” (Ap 9.11). Ele procura destruir pessoas, lares, nações, e o plano e a obra de Deus.

Satanás coordena um exército de espíritos impuros chamados demônios. Eles parecem ter poder para afligir as pessoas nas quais habitam. Às vezes, Satanás parece capaz de exercer algum controle sobre as forças da natureza e falsificar a obra de Deus por meio de “prodígios” demoníacos (2 Ts 2.9-10). Ele tem tanto poder e autoridade maligna que até o arcanjo Miguel clamou ao Senhor para repreender Satanás (Jd 1.9).

Como você e eu podemos resistir a Satanás ou derrotá-lo? Certamente, somente Deus pode conter, controlar e derrotar um inimigo tão poderoso. Porém, a Bíblia claramente concede esse poder aos cristãos comuns como você e eu.

Não devemos ceder à tentação. Jesus deu um exemplo de como fazer isso usando a Palavra de Deus (Mt 4.1-11). Ele exortou Pedro a ser vitorioso vigiando e orando (Mt 26.41).

Nós devemos permanecer firmes na fé. As Escrituras prometem: “Sujeitai-vos, pois, a Deus; mas resisti ao Diabo, e ele fugirá de vós (Tg 4.7). A palavra grega para resistir significa “tomar posição contra”. Quando Cristo está conosco, podemos resistir a Satanás.

Nós devemos orar. Esta é a nossa arma mais poderosa. A oração manifesta a presença de Cristo, e Satanás e seus demônios precisam retroceder como a multidão no Jardim (Jo 18.6). A oração toma posse das promessas de Deus e as ergue como um muro entre nós e os poderes das trevas. A oração pode trazer os anjos de Deus correndo em nosso auxílio (2 Rs 6.15-17; Dn 10.13; Hb 1.14). A oração pode derrubar os planos de Satanás. A oração pode combater qualquer combinação das forças de Satanás.

Quando Paulo descreve nossa guerra espiritual em Efésios 6, ele diz: “Nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra os governantes, contra as autoridades, contra os poderes deste mundo sombrio e contra as forças espirituais do mal no céu” (v.12). No versículo anterior, Paulo havia falado da nossa necessidade de nos posicionar contra os planos do diabo. Ele então lista os vários aspectos da armadura espiritual que devemos usar na guerra contra Satanás.

Mas quando estamos totalmente armados, como lutamos? Paulo sugere dois caminhos – com a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus, e com a oração.

A oração é a principal estratégia que Deus provê para a derrota de Satanás. “Ore no Espírito em todas as ocasiões, com todos os tipos de orações e pedidos…” (Ef 6.18). Pela oração, o Espírito Santo pode nos capacitar tanto que o domínio de Satanás sobre vidas humanas é quebrado, os obstáculos de Satanás ao reino são removidos e a obra de Satanás é destruída. Cristo veio para destruir a obra do diabo (1 Jo 3.8). Ele o fez potencialmente no Calvário, mas sua vitória na cruz se torna manifesta por meio das orações de sua noiva, a Igreja. É por isso que o povo de Deus é também o seu exército.

Se o povo de Deus apenas aceitasse o seu papel sagrado como o exército de Deus, colocasse a oração a Deus como prioridade e se unisse em intercessão militante, guiada e ungida pelo Espírito, poderíamos ver Satanás derrotado e seríamos visitados por avivamentos de Deus.  Nós poderíamos ver a maior colheita de almas que já aconteceu na História.

Fomos chamados para parar Satanás, expulsá-lo e derrotá-lo por meio de oração e jejum. Mas oramos muito pouco, somos muito passivos e muito satisfeitos com a mediocridade e a relativa esterilidade espiritual. Aparentemente, estamos satisfeitos em deixar o diabo obter a vitória. Deus, acorda-nos! Deus, ensina-nos a orar! Deus, leva-nos à batalha de oração de forma a reivindicar pessoas estratégicas, famílias inteiras e até continentes inteiros para Cristo! De joelhos, a evangelização mundial pode ser revolucionada! De joelhos, os triunfos de Cristo serão manifestos!

O poder de transcender as leis da natureza

A oração pode transcender “as leis da natureza”. A oração pode trazer respostas milagrosas de Deus às necessidades desesperadas do homem. Seria inútil orar por muitas situações problemáticas se isso não fosse verdade. Se há limites para o que Deus pode fazer quando oramos, então a oração é um jogo com Deus, brincando com a necessidade humana e enganando a nós mesmos. Não! Nunca! A oração é tão real quanto Deus é real. Não há absolutamente nada que Deus não possa fazer pela oração desde que promova o seu reino e esteja de acordo com sua vontade. A oração libera o poder de Deus.

Quando Deus substitui sua maneira habitual de trabalhar (“a lei natural”) por alguma forma especial de sua vontade, chamamos isso de milagre. Para Deus é apenas mais uma de suas obras. Assim, Jesus se referiu a seus milagres como “obras” (no grego erga; ver Jo 9.4; 10.25,32,38). A oração é possível porque Deus é todo-poderoso, o soberano de todas as suas obras. Ele tem propósitos e planos eternos. Ele sempre transcenderá qualquer um de seus modos habituais de agir para cumprir seus propósitos morais e espirituais, e seus planos eternos.

Assim, a oração sempre tem a possibilidade de cooperar com o propósito eterno de Deus e garantir seu poder milagroso. O Senhor não garante que haverá um milagre, mas ele sempre está aberto à nossa oração para que sua vontade prevaleça para sua glória. A oração é a maneira ordenada por Deus de levar seu poder milagroso a intervir para solucionar as necessidades humanas.

O poder para mover as montanhas

Na Bíblia, as montanhas são usadas às vezes em um sentido simbólico, tipificando força e estabilidade. Por outro lado, as montanhas frequentemente simbolizam dificuldades, problemas e obstáculos. Assim, se quisermos preparar o caminho do Senhor, o torto deve ser endireitado e as montanhas niveladas. Então a glória do Senhor será revelada (Lc 3.4-6; Is 40.3-5). Quando o poderoso Espírito de Deus age, as montanhas impossíveis de se remover são como nada diante do poder de Deus (Zc 4.6-7). O Espírito Santo, que é o único que é capaz de fazer isso, pode transformar as montanhas mais impossíveis em estradas e rodovias para permitir um avanço rápido (Is 49.11).

Jesus usou essa ilustração do Antigo Testamento em vários de seus ensinamentos. Quando seus discípulos falharam em expulsar o demônio do menino aflito, Jesus disse-lhes que se tivessem fé, mesmo que tão pequena quanto uma semente de mostarda, poderiam falar a “este monte” (representando qualquer situação ou problema insuperável) e “e ele passará. Nada vos será impossível” (Mt 17.20). Ele acrescentou imediatamente que esse tipo de demonstração dramática seria o resultado de jejum e oração (v.21).

Em outra ocasião, quando os discípulos ficaram maravilhados com o poder de Jesus de secar a figueira infrutífera, ele repetiu que não apenas eles poderiam fazer o mesmo, mas também poderiam ordenar que as montanhas se jogassem no mar porque “tudo o que pedirdes na oração, crendo, recebereis” (Mt 21.21-22). Marcos registra o mesmo fato com estas palavras: “Por isso vos digo que tudo o que pedirdes em oração, crede que o recebereis, e tê-lo-eis” (Mc 11.24).

Deus espera que seus filhos enfrentem montanhas de dificuldades e as movam. Ele não deseja que sejamos detidos por elas, mas que as aceitemos como um desafio – de transformá-las em rodovias para a maior glória de Deus ou então de jogá-las no mar, completamente afastadas da vista, como se nunca tivessem existido. Jesus nos assegura que, crendo, isso é totalmente possível quando seus filhos confrontam as montanhas, mas nos lembra que essa remoção de montanhas pode requerer oração e jejum prolongados. O Espírito Santo fará o milagre. Não será uma realização da nossa força ou poder (Zc 4.6).

Centenas de montanhas estão impedindo o avanço das missões e da igreja de Cristo hoje, porque estamos confiando quase completamente em nossa própria sabedoria, habilidade e esforço. Nós preferimos fazer quase tudo menos realmente nos dedicar a oração e jejum!

A oração tem grande poder de mover as montanhas, porque o Espírito Santo está pronto tanto para encorajar a nossa oração quanto para remover as montanhas que nos atrapalham. A oração tem o poder de transformar montanhas em estradas.

O poder para abençoar

O Deus da Bíblia é um Deus que abençoa. Sua Palavra está cheia de promessas de que ele fará exatamente isso. Podemos ter certeza de que, exceto nos casos em que Deus precisa disciplinar ou punir, é sempre sua vontade abençoar as pessoas, especialmente seus filhos obedientes.

“… [Jesus] andou por toda parte, fazendo o bem…” (At 10.38). Como ele, devemos passar a vida abençoando a todos que pudermos. Nós, seus discípulos, devemos ser conhecidos por nossas boas ações de bênção para os outros (Mt 5.16; Ef 2.10). Devemos ser ricos em boas ações (1 Tm 6.18). Devemos estar “perfeitamente preparados para toda boa obra” (2 Tm 3.17).

A melhor maneira, como cristãos, de trazer bênçãos para alguém é por meio da oração. Temos a oportunidade de orar por aqueles que não poderíamos tocar de nenhuma outra maneira. Desde líderes da nossa nação a líderes da nossa igreja, até todos os pobres, necessitados e sofredores – podemos ser instrumentos de bênção por meio da oração. Começando com nossa família e amigos mais íntimos que vemos com frequência, e chegando até aqueles que eventualmente tenhamos conhecido pessoalmente apenas uma vez ou somente por ouvir falar – podemos ser agentes das bênçãos de Deus. O pedido muitas vezes ouvido “ore por mim” é realmente um apelo por bênção e ajuda.

Como cristão, você deve passar a vida abençoando os outros. Você pode trazer rios de bênçãos, refrigério e encorajamento para onde quer que vá, marcando seus dias com oração incessante pelos outros. De acordo com o tempo e a oportunidade que tiver, você deve abençoar de todas as maneiras possíveis e o máximo que puder (Gl 6.10). Sua presença deve sempre trazer uma bênção. Mas isso acontecerá com mais realidade se você pedir fielmente as bênçãos de Deus sobre todos os que estiverem ao seu redor. Você encontrará oportunidades para preencher seu dia com orações de bênção, se estiver atento.

Um amado médico inglês do século 17, Sir Thomas Browne, foi um exemplo de alguém que orava constantemente neste sentido. Ele disse: “Resolvi orar mais e orar sempre, em todos os lugares onde houver suficiente tranquilidade, em casa, na estrada e na rua, a fim de que não exista nenhuma rua ou caminho nesta cidade que não seja testemunha de que não me esqueci de Deus …”

“Eu pretendo aproveitar a ocasião para orar por qualquer templo de igreja por onde eu passar, para que Deus seja adorado lá em espírito, e que pessoas sejam salvas ali; quero orar diariamente pelos meus pacientes doentes e pelos pacientes de outros médicos; vou orar ao entrar em qualquer casa, dizendo: ‘Que a paz de Deus permaneça aqui’; depois de ouvir um sermão, pedirei que haja a bênção de Deus sobre as verdades proclamadas e seu mensageiro; ao ver uma pessoa bonita, bendirei a Deus por suas criaturas, orarei pela beleza interior dessa pessoa, para que Deus possa enriquecê-la com graças espirituais e que seu interior possa corresponder ao seu exterior; e, ao ver uma pessoa deformada, pedirei a Deus que lhe dê integridade de alma e, aos poucos, que lhe dê também a beleza da ressurreição.”

Foi prometido a Abraão que Deus o abençoaria e faria dele uma bênção (Gn 12.2). Esta deve ser a experiência de todo cristão – quanto mais Deus abençoa, mais cada um de nós deve abençoar aos outros. A oração é o caminho certo para trazer a bênção, e é o maior meio de ser uma bênção aos outros. A oração é o dom do poder de Deus para abençoar aos outros. Oh, encha todos os seus dias com orações de bênção e tome posse do tremendo poder que Deus lhe deu!

Extraído de Touch the World through Prayer (Toque o mundo por meio da oração) por Wesley L. Duewel. Copyright © 1986 por Wesley L. Duewel. Utilizado com permissão da Duewel Literature Trust, Inc., Greenwood, IN. Os livros do Dr. Duewel podem ser adquiridos pelo telefone 001 (317) 881-6755, ext. 361.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *