Deixando a Verdade Escapar

Publicado em: 30/06/2012 Categorias: Arauto / Tragédia de Uma Igreja Ineficaz

Arauto - Ano 11 - nº 03 - Out/Dez 1993

Por: Samuel L. Brengle

“Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos” (Hb 2:1).

A verdade que salva a alma não é recolhida como se recolhe pedregulhos ao longo da praia, mas é obtida como ouro e prata depois de uma busca diligente e muita escavação. Salomão diz: “E se clamares por inteligência e por entendimento alçares a tua voz, se buscares a sabedoria como a prata, e como a tesouros escondidos a procurares, então entenderás o temor do Senhor e acharás o conhecimento de Deus” (Pv 2:3-5).

O homem que procura obter a verdade terá que usar todas as suas faculdades. Ele precisará de muita oração, auto-exame e abnegação. Ele precisa ouvir diligentemente a voz de Deus em sua alma. Ele precisa vigiar para não cair em pecado e em omissão e deve meditar na verdade de Deus de dia e de noite.

A conversão não é como dar um passeio nas férias. Os homens e mulheres que se encheram da verdade – que se tornaram encarnações da verdade – não chegaram lá sem esforço. Eles cavaram para buscar a verdade; eles a amaram; eles a quiseram mais que a comida essencial; eles sacrificaram tudo por ela. Quando caíram, levantaram-se outra vez, quando derrotados não se entregaram ao desânimo mas com mais cuidado, vigilância e fervor, renovaram suas forças para alcançarem a verdade.

Eles não consideraram suas vidas preciosas a si mesmos para que pudessem conhecer a verdade. Riqueza, conforto, um nome entre os homens, reputação, prazeres, tudo que o mundo oferece foi considerado como refugo e impureza em sua busca pela verdade, e somente neste ponto quando a verdade prevaleceu sobre toda a criação, eles a encontraram – a verdade que salva a alma, que satisfaz o coração, que responde às questões da vida, que traz comunhão com Deus, alegria indizível e paz perfeita.

A Verdade Pode Escapar

Mas assim como nos custa muito esforço para encontrar a verdade, também é necessário vigilância para mantê-la. “A riqueza fará para si asas” e se não vigiarmos, ela desaparecerá. Assim também acontece com a verdade. “Compra a verdade e não a vendas” (Pv 23:23). Ela geralmente escapa pouco a pouco. Perde-se como água num recipiente furado – não toda de uma vez, mas de pouco em pouco.

Imagine um homem que uma vez alcançara um alto grau da verdade. Ele amava seus inimigos e orava por eles, mas pouco a pouco começou a negligenciar a verdade de que devemos amar nossos inimigos e assim a verdade escapou dele; e no lugar de amor e oração por seus inimigos, veio o rancor e a aspereza.

Um outro homem deu seu dinheiro para os pobres e para a propagação do Evangelho. Ele não tinha medo de crer que Deus supriria todos os seus desejos. Ele estava tão cheio da verdade que já não havia mais medo, só a convicção de que se ele buscasse “o reino de Deus e a sua justiça em primeiro lugar, todas as demais coisas lhe seriam acrescentadas” (Mt 6:33). Ele não temia que Deus se esquecesse dele, o abandonasse ou deixasse faltar pão para sua família. Ele servia a Deus com alegria e com todo seu coração, se satisfazia com uma migalha, e estava feliz e despreocupado tal qual um pardal que aconchega sua cabecinha sob sua asa e dorme, não sabendo de onde virá sua comida de amanhã mas que confia no grande Deus, que “abre sua mão e satisfaz de benevolência a todo vivente, e a seu tempo lhes dá o alimento.”

Mas pouco a pouco a prudência maligna entrou em seu coração e ele foi deixando que a verdade da fidelidade de Deus e da Sua providência paternal escapasse, e agora ele se tornou mesquinho, ganancioso e ansioso pelo dia de amanhã, e totalmente contrário à natureza do seu Senhor liberal e amoroso.

Um outro homem costumava orar continuamente. Ele amava orar. A oração era como respirar para ele. Mas. pouco a pouco, ele deixou a verdade de que “os homens devem orar sempre e nunca esmorecer” (Lc 18:1), e agora sua oração se tornou uma formalidade fria e morta.

Um outro costumava ir à toda reunião que pudesse encontrar. Mas, ele começou a negligenciar a verdade de que não devemos “deixar de congregar-nos como é costume de alguns” (Hb 10:25), e agora ele prefere ir ao parque, a um rio ou ao clube, ao invés de a uma reunião cristã.

Um outro se levantava prontamente toda vez que tinha uma oportunidade de testemunhar, e quando quer que ele encontrasse um companheiro na rua, falava-lhe sobre as bênçãos de Deus. Mas pouco a pouco, começou a dar lugar a “palavras vãs e chocarrices, cousas essas inconvenientes” (Ef 5:4), e deixou escapar a verdade que “os que temiam ao Senhor falavam uns aos outros”, e finalmente, ele se esqueceu das palavras solenes de nosso Senhor Jesus que “de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia de juízo” (Mt 12:36).

Ele não mais se lembra de que a Bíblia diz: “A morte e a vida estão no poder da língua” (Pv 18:21), e que “a nossa palavra deve ser sempre agradável, temperada com sal” (Cl 4:6), e agora ele conversa desembaraçadamente sobre qualquer assunto, menos sobre fé pessoal e santidade.

O testemunho antigo, ardente e amável, que comovia o coração dos homens, que dava uma advertência solene aos pecadores despreocupados, que encorajava os corações abatidos e tímidos dos santos e que dava ânimo e forças aos soldados e santos, deu lugar a uma porção de frases decoradas, que não significam nada nem ao seu próprio coração. Estas palavras têm mais ou menos o mesmo efeito sobre uma reunião que grandes pingentes de gelo teriam sobre o fogo e são totalmente infrutíferas.

Uma outra pessoa acreditava de todo seu coração que “as mulheres que professam ser piedosas” devem “ataviar-se em traje decente, com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou péro’as, ou com vestuário dispendioso, porém com boas obras” (1 Tm 2:9). Mas pouco a pouco, ela deixou a verdade de Deus escapar; ouvia os sussurros suaves da tentação, e caiu da mesma forma que Eva caiu, quando deu ouvidos a Satanás e comeu do fruto proibido. Agora, ao invés de uma “aparência modesta e simples”, ela está adornada com flores e plumas e “trajes dispendiosos”. Mas ela perdeu o “traje de um espírito manso e tranqüilo, que é de grande valor diante de Deus” (1 Pe 3:4).

O Que Estas Pessoas Devem Fazer

Que eles se lembrem por que caíram, se arrependam e então voltem a fazer as primeiras obras novamente. Que cavem pela verdade como os homens fazem por ouro; e que procurem por ela como por tesouros escondidos e assim eles a encontrarão novamente. Deus é “galardoador dos que O buscam” (Hb 11:6).

Este pode ser um trabalho árduo, assim como é difícil cavar por ouro. Pode ser um trabalho lento. Também é assim procurar por tesouros escondidos. Mas e um trabalho garantido. “Buscai e achareis” (Lc 11:9). E é um trabalho necessário. O destino eterno de sua alma depende dele.

1- Considere a palavra de Davi a seu filho Salomão: “Guardai todos os mandamentos do Senhor vosso Deus, e empenhai-vos por eles” (1 Cr 28:8).

2- Faça o que Deus mandou Josué fazer “Medita nele dia a noite” Para que? “Para que tenhas cuidado de fazer” -algumas das coisas “que nele estão escritas?” Não! “Tudo quanto nele está escrito” (Js 1:8).

Um jovem rabino perguntou a seu tio idoso se ele não poderia estudar filosofia grega. O velho rabino citou o texto: “Não cesses de falar deste livro da lei, antes medita nele dia e noite,” e então respondeu: “Encontre uma hora que não seja nem dia nem noite; então, nesta hora você poderá estudar filosofia grega.”

O homem abençoado, segundo Davi, não é apenas “um homem que não anda no conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores; antes” – notem – “o seu prazer está na lei do Senhor e na sua lei medita de dia e de noite” (Sl 1:1,2).

Se você quer agarrar a verdade e não deixá-la escapar, você deve ler, ler e reler a Bíblia. Você deve constantemente refrescar sua mente com as verdades nela contidas, assim como o aluno diligente, constantemente refresca sua mente revisando seus livros; assim como o advogado que deseja ser bem sucedido, constantemente estuda seus livros de direito, ou o médico com seus trabalhos médicos.

John Wesley, já com idade avançada, depois de ler, ler e reler a bíblia durante toda a sua vida, disse de si mesmo: “Eu sou um homo unius libri” – um homem de um livro só.

A verdade certamente escapará se você não refrescar sua mente constantemente através da leitura e meditação da Bíblia.

A Bíblia é o livro de receitas de Deus para se fazer pessoas santas. Você deve seguir a receita a risco se você quer ser uma pessoa santa e parecida com Cristo.

A Bíblia é o manual de Deus para mostrar aos homens e mulheres o caminho para o céu. Você deve prestar atenção absoluta às suas informações e segui-las com precisão se você quer chegar lá.

A Bíblia é o livro de medicina de Deus para mostrar às pessoas como curar as doenças da alma. Você deve, diligentemente, levar em conta o diagnóstico bíblico sobre as doenças da alma e os seus métodos de cura, se você quer obter saúde da alma.

Jesus disse: “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4:4); e novamente Ele disse: “As palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida” (Jo 6:63).

3- Não apagueis o Espírito” (1 Ts 5:19). Jesus chama o Espírito Santo de “o Espírito da verdade.” Então se você não quer que a verdade escape, receba bem o Espírito da verdade em seu coração e peça-Lhe para habitar em você. Trate-O com carinho em sua alma. Alegre-se nEle. Viva nEle. Renda-se a Ele. Confie nEle. Tenha comunhão com Ele. Considere-O como seu amigo, seu guia, seu professor e consolador.

Não olhe para Ele como crianças consideram seu professor – como um inimigo, como alguém que tentam enganar, como alguém que está constantemente procurando a chance de punir, repreender e disciplinar. Naturalmente, o Espírito Santo fará tais coisas quando necessário, mas tal necessidade O entristece. Sua alegria está em alegrar e confortar os filhos de Deus. Ele é amor. Bendito seja o Seu santo nome! “E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção” (Ef 4:30).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *