Cronograma Profético de Deus

23/12/2017 Publicado por: Revista Impacto
Categorias: 2017 / Revive Israel

Ron Cantor

A decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel chegou exatamente 500 anos após a Reforma (1517) e 100 anos após a Declaração Balfour (1917). A declaração Balfour foi feita no final da Primeira Guerra Mundial e afirmou a intenção da Grã-Bretanha de estabelecer uma pátria judaica na antiga Judeia.

O governo de Sua Majestade encara favoravelmente o estabelecimento, na Palestina, de um Lar Nacional para o Povo Judeu, e empregará todos os seus esforços no sentido de facilitar a realização desse objetivo, entendendo-se claramente que nada será feito que possa atentar contra os direitos civis e religiosos das coletividades não-judaicas existentes na Palestina, nem contra os direitos e o estatuto político de que gozam os judeus em qualquer outro país.

(Aqui está um vídeo que fiz no 100º aniversário da Balfour.)

http://ri-portuguese.cmail20.com/t/r-l-jridtitd-ktidtywih-t/

Além disso, a declaração de Trump ocorreu exatamente 50 anos depois que Jerusalém se tornou uma cidade unida (1967) durante a Guerra dos Seis Dias. Embora não saibamos precisamente quando o ano do Jubileu deve cair, é incrível que esses quatro eventos históricos e proféticos tenham acontecido no 50º ano (50 ou múltiplo de 50).

Será que foi isso o que Yeshua quis dizer (em At 1.7) quando respondeu aos seus discípulos (quando perguntaram sobre a restauração de Israel): “A vós não vos compete saber os tempos ou as épocas, que o Pai reservou à sua própria autoridade”? Parece que Deus tem um cronograma pré-estabelecido para a restauração de Sião e estamos testemunhando o seu cumprimento em tempo real!

Infelizmente, muitos mestres da Bíblia ensinam que os discípulos demonstraram falta de inteligência ao fazer essa pergunta. Por exemplo, João Calvino fez o seguinte comentário sobre essa pergunta dos discípulos: “Esta indagação tem tantos problemas quanto tem palavras”. Mas Yeshua não respondeu como Calvino. Ele entendeu que esta seria a pergunta óbvia para qualquer estudioso da Bíblia.

Os discípulos estavam familiarizados com passagens como Zacarias 14.8-9, que diz: “Naquele dia também acontecerá que correrão de Jerusalém águas vivas, metade delas para o mar oriental, e metade delas para o mar ocidental; no verão e no inverno sucederá isso. E o Senhor será rei sobre toda a terra; naquele dia um será o Senhor, e um será o seu nome”.

Ou talvez estivessem pensando em Jeremias 30.18: “Eis que acabarei o cativeiro das tendas de Jacó, e apiedar-me-ei das suas moradas; e a cidade será reedificada sobre o seu montão, e o palácio permanecerá como habitualmente”.

Sim, era a pergunta mais óbvia a ser feita. Cada salto na restauração de Israel nos aproxima mais da era do milênio, quando o Messias voltará (Apocalipse 19.11ss), lutará por Israel (Zacarias 14.3-4) e estabelecerá o seu reino internacional em Jerusalém.

Avanço novo no mundo árabe

O mundo dos cristãos árabes está se alinhando com o corpo messiânico em Israel – o avivamento profetizado e a estrada de Isaías 19 estão chegando.

Legendas disponíveis em: Dinamarquês, Holandês, Inglês, Francês, Coreano, Português e Espanhol!

Testemunho do acampamento juvenil

No final de semana passado (14 a 17 de dezembro), enviamos quatro membros da equipe para servir como líderes num acampamento nacional de jovens chamado K’tzir (Colheita). Três vezes por ano, 80 a 100 jovens messiânicos de todo o país se reúnem para adoração, companheirismo, dança, teatro e ensino. Através destes encontros especiais, os futuros líderes de Israel estão sendo discipulados para servir àsua geração! No acampamento de verão, 25 jovens entregaram suas vidas ao Senhor – muitos pela primeira vez!

Testemunho

O grupo de seis rapazes entre 16 a 17 anos que foi designado para minha responsabilidade era do tipo “eu sou muito legal pra essas coisas; vamos sentar lá no fundo e fingir que não estamos interessados”. Durante a nossa primeira reunião em grupo, eu sabia que estava sendo examinado por eles. Eles tentaram mexer comigo para observar minhas reações. Podiam confiar em mim? Podiam se abrir para mim? Eu sabia que se o Espírito Santo não me ajudasse, eu não conseguiria fazer conexão com eles. No entanto, através da oração me senti capacitado para amá-los e vê-los como Deus os vê.

A grande vitória foi na segunda noite. Durante o tempo do ministério, a presença de Deus era tangível e o Espírito Santo estava se movendo. Alguns choraram enquanto se arrependeram. Outros tiveram lágrimas de alegria ao sentir o amor de Deus de uma maneira nova. Ao orar por alguns dos meu grupo, recebi palavras proféticas para eles.

Na última manhã, todos se envolveram positivamente pela primeira vez. Os dois rapazes que haviam se encarregado de tornar meu trabalho difícil passaram a mandar os outros ficarem quietos e prestar atenção! Quando chegou a hora de dizer adeus, pude ver nos olhos de cada rapaz um novo desejo de buscar a Deus e a evidência de que havia ganhado seu respeito.

Por favor, ore para que esses jovens continuem caminhando em sua paixão renovada e fogo pelo Senhor.

Assista a uma breve reportagem em um vídeo do acampamento!

Ouça mais sobre a visão do acampamento de Eitan Shishkoff.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *