Vida Interior: A Expectativa De Uma Vida

Data de publicação: 01/12/2011
Categorias da Biblioteca:
Edição 08 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 08

Por: Mateus Ferraz

Nossa expectativa perdeu-se no tempo juntamente com nossa revelação. É tempo de resgatá-la!

“Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra, pois já os meus olhos viram a tua salvação, a qual tu preparaste perante a face de todos os povos, luz para alumiar as nações e para glória de teu povo Israel” (Lc 2:29,30).

O que leva um homem a desconsiderar toda uma existência em função de um único momento? O que leva uma pessoa com uma vasta experiência de vida a pedir a Deus o fim de seus dias devido a uma sensação de plenitude? Esse homem, sem dúvida, sabe definir o seu propósito. E esse propósito é tão bem delineado, que o faz sentir-se completo uma vez que o tenha alcançado.

Simeão, foi um homem que soube determinar o objetivo de sua vida. Ele viveu toda a sua jornada com uma única expectativa: “…não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor” (v. 26). Essa expectativa, gerada por um coração inteiramente entregue ao Senhor, era a esperança de sua vida. Embora passasse pelas mesmas angústias e tribulações de vida de um ser humano comum e também por esporádicos momentos de realização pessoal comuns à maioria das pessoas, ele sabia que toda e qualquer experiência de vida seria vã se ele não presenciasse a encarnação da consolação de Israel. E essa expectativa culminou na realização da promessa, quando ele teve em seus braços o menino Jesus para dedicá-lo no templo.

Todos nós temos expectativas. Na maioria dos casos, tais expectativas se resumem em esperanças ocas de um padrão de vida melhor. Sonha-se com a casa própria, com um melhor emprego, com uma vida social bem sucedida, enfim, sonha-se com alvos terrenos. Temos nossos padrões de realização pessoal arraigados a um mundo extremamente material. Nossas emoções têm motivações superficiais. Rimos e choramos por coisas vãs, na maioria das vezes, por causa dos nossos próprios deleites. Nossos motivos de oração se concentram em nosso bem estar, e não são, nem de longe, parecidos com aquelas preocupações existentes no coração de Deus. Enfim, nossas expectativas fogem ao padrão celestial.

Falta-nos a expectativa de Simeão. Falta-nos a ansiedade de Simeão ao esperar o momento de ver Jesus. Falta-nos o grito “Maranata”, que clama ao Senhor que abrevie nossos dias nesse mundo corrupto e venha logo estabelecer o seu Reino entre nós. Como cristãos, cidadãos do céu, precisamos definir em nossas vidas o que é realmente o mais importante para nós. Qual é o momento que mais anelamos?

Simeão vivia em um momento histórico conturbado para o povo de Israel. A sujeição imposta pelo Império Romano tirava a paz de muitos judeus. Simeão no entanto, não se entregava ao difícil momento de pressão política e social que seu povo sofria; pelo contrário, no meio de tanta pressão ele projetava todas as suas expectativas no momento em que Cristo iria se revelar.

Hoje, embora não exista mais a hegemonia de um Império sufocando nossas nações, as pressões pessoais continuam extremamente fortes. E para onde aponta nossa expectativa?

Talvez nossa expectativa seja limitada em função da revelação limitada que temos de Cristo. Simeão ao tomar o menino Jesus em seu colo para o dedicar, não enxergou o pequeno bebê que estava em seus braços, mas viu o grande libertador de Israel.

Nossa expectativa perdeu-se no tempo juntamente com a nossa revelação. Muitos cristãos tem olhado para o Cristo do Senhor, mas têm enxergado apenas um bebê envolto em panos e fraldas. É por isso que muitos vivem um cristianismo vazio e sem autenticidade. Porque o que prevalece em seus corações é a imagem do pequeno bebê na manjedoura e não a do túmulo vazio.

É tempo de clamarmos ao Senhor por uma visão mais profética. É tempo de pedirmos a Deus uma revelação mais profunda que nos renove a expectativa. Precisamos enxergar a urgência do momento, que não nos permite mais viver com nossos corações entregues aos tesouros banhados a ouro que o presente século mostra em suas vitrines. Precisamos projetar nossa expectativa no Cristo revelado. Naquele que veio e há de vir. Precisamos priorizar nossos momentos com ele para que conhecendo-o, enxerguemos nele a nossa esperança.

Mude o rumo das suas expectativas! Clame ao Senhor pela ansiedade de Simeão, para que esta expectativa gere em nós um coração que encontra sua plenitude somente na presença de Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *