Vida de Impacto: John Walker-Tudo Para Jesus!

Data de publicação: 06/08/2011
Categorias da Biblioteca:
Edição 49 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 49

John Walker (25/07/1922 – 29/01/2007)

No dia 29 de janeiro de 2007, de forma súbita e inesperada, John Walker, 84 anos, partiu para estar com o Senhor, a quem serviu com muita paixão e intensidade durante quase 60 anos. Deixou sua esposa, Ruth, 89 anos, seis filhos, 20 netos e 5 bisnetos (e mais uma bisneta a caminho!).

John Walker não era uma pessoa comum. Era impossível enquadrá-lo em qualquer padrão conhecido, tentar rotulá-lo ou prever suas atitudes ou reações. Em muitas ocasiões, afirmou que tinha somente um propósito na vida: servir ao Senhor Jesus e cumprir integralmente o seu chamado nesta Terra.

Uma parte central do seu chamado e da sua paixão era retornar, na prática, à vida simples e poderosa dos discípulos primitivos de Jesus, despojando-se de doutrinas e institucionalismos humanos e redescobrindo a essência do evangelho da graça.

A marca do inconformismo e da busca intensa pela verdade marcou sua vida desde o nascimento. Apesar de ter nascido numa família de classe média nos Estados Unidos, desde cedo se sentia muito mal ao ver pobreza e necessidade lado a lado com riqueza e desperdício.

Sua conversão se deu através de um outro profeta inconformado do século XVII, na Inglaterra, George Fox. Pouco depois, a visão da igreja primitiva em Atos 2.42 o fez buscar algo que não via nas igrejas ao seu redor.

Um dos focos mais importantes da sua vida e ao qual dedicou grande parte do seu tempo e energia foi a sua família. Foi principalmente por causa do desejo de criar seus seis filhos num ambiente onde não seriam sugados pelo materialismo e acomodação da sociedade norte-americana que decidiu vir para o Brasil em 1964. Foi em conjunto com seus filhos que seu ministério alcançou maior produtividade e alcance.

Durante os quase 43 anos que viveu no Brasil, deixou uma marca profunda, não só na família imediata, mas também em incontáveis outras pessoas, através do ministério de literatura, de seminários e do convívio pessoal em Rubiataba, no interior de Goiás, e em Jundiaí, SP (perto de vinte anos em cada local).

Seu grande anseio era praticar o que vira com tanta clareza na Palavra, a verdadeira comunhão com Jesus e uns com os outros, e contribuir para a plena manifestação de Jesus no meio da sua igreja, em preparação para a Segunda Vinda do Senhor.

Mesmo nos últimos anos, apesar de várias lutas, frustrações e da impossibilidade de levar mais adiante sua missão, sua paixão e interesse na causa de Deus não diminuíram. Jamais quis “aposentar-se” nem se acomodar àquilo que já alcançara pela graça de Deus.

No início de 2005, no meio de um processo muito doloroso de angústia e isolamento, Deus enviou-lhe, de forma clara e soberana, um pastor de uma das comunidades locais (José Carlos Marion do CCC – Centro Comunitário Cristão) para oferecer-lhe o apoio, consolo e compreensão do Corpo de Cristo. Este processo de vinculação e aceitação consumou-se em 14 de janeiro de 2007, num culto em que John e Ruth foram oficialmente recebidos como parte daquela congregação.

No dia 29 de janeiro, durante as duas horas anteriores à sua morte, três dos seus filhos e dois pastores do CCC estiveram com ele em comunhão e oração, ocasião em que puderam ouvir suas últimas palavras. Havia planos para que John pudesse passar aos líderes em formação algo do seu encargo espiritual; ele, entretanto, sentindo o efeito das muitas lutas e angústias dos últimos anos, manifestou seu desejo de ir para junto do Senhor.

Dentro de meia hora, após o final dessa reunião, ele partiu, assim como havia pedido ao Senhor, rapidamente e sem necessidade de passar por qualquer processo de internação ou sofrimento. Não ficou dúvida alguma de que o Mestre a quem entregara todos os seus caminhos e a quem servira com todas as suas forças ouvira seu clamor e o tomara para junto de si.

Algumas características marcantes de sua vida e testemunho:

Durante os 43 anos em que viveu no Brasil, embora sentisse momentos de grande saudade de seu país de origem, de sua língua e cultura, não voltou uma vez sequer para lá;

Viveu um estilo de vida próprio, baseado em princípios de simplicidade (casa, móveis, roupas, carro, alimentação – sempre o mais simples e o menos dispendioso possível) e mordomia (gerenciamento de tempo e dinheiro para evitar desperdício e luxo desnecessários);

Embora nunca tivesse muito dinheiro, o que tinha sempre era compartilhado com famílias necessitadas, viúvas e órfãos; além disso, sempre havia órfãos ou pessoas sem apoio familiar morando em sua casa;

Manteve uma posição de fé em relação à saúde de sua família ao longo dos anos; durante todos os anos da criação dos filhos, nunca precisou recorrer a tratamentos médicos;

Desde os primeiros anos do casamento, por iniciativa de sua esposa Ruth, instituiu o culto doméstico diário, que continuou até o final de sua vida: leitura da Bíblia toda em seqüência, de capa a capa, e oração;

Envolvia-se profundamente com pessoas individuais, sentindo seus dramas e procurando ajudar com tudo que podia – indiferentemente de quem eram ou do potencial social ou espiritual que representavam.

Fatos Mais Importantes de Sua Vida:

Nasceu em 25 de julho de 1922 em São Francisco, Califórnia, EUA.

Converteu-se em fevereiro de 1947, através da leitura dos diários de George Fox, fundador do movimento conhecido como Quakers, na Inglaterra, no século XVII.

Casou-se em 2 de agosto de 1947, com Ruth A. Walker, em uma cerimônia simples (dos Quakers), na qual trocaram votos matrimoniais.

Em janeiro de 1953, batizou-se nas águas, junto com Ruth, em uma igreja Assembléia de Deus.

Recebeu o Espírito Santo em fevereiro de 1953, na Assembléia de Deus em Santa Cruz, Califórnia.

Em 1956, vendeu sua chácara em Bloomington e mudou-se para Los Angeles para trabalhar, por 5 anos, no ministério Herald of His Coming (“O Arauto da Sua Vinda”), com os fundadores W. C. Moore e sua esposa Sarah.

Em 1959, leu um artigo sobre a região do planalto central brasileiro onde seria construída uma nova capital, Brasília. Despertou-se nele o espírito pioneiro de seus ancestrais, o que o fez tomar a decisão de mudar-se com sua família para o Brasil.

Veio com toda a família para o Brasil em 4 de fevereiro de 1964, e morou em Lagoa Santa, Minas Gerais, por 4 anos.

Em janeiro de 1968, mudou-se para Rubiataba, Goiás. Desde o princípio, sua visão havia sido estabelecer-se na região central do Brasil.

No início dos anos 70, iniciou, com a ajuda dos filhos, um ministério de literatura duplicando, num mimeógrafo a álcool, estudos bíblicos sobre lei e graça no capítulo 3 de Gálatas. Depois, utilizando um mimeógrafo a tinta e posteriormente uma pequena impressora off-set, vieram os livretos “A Igreja Verdadeira e a Igreja Falsa” (10/72), “O Segredo da Igreja Gloriosa”(10/73), “Paternidade”  (9/75), o impactante “A Patrola de Deus” (2/76), de Bob Mumford, e “Procuram-se Sacerdotes” (3/76), de Derek Prince.

A partir de 1979, junto com seus filhos Harold e Christopher, realizou seminários da Palavra, com duração média de 15 dias, em Rubiataba, GO, com participação de cerca de 50 pessoas de toda parte do Brasil, duas vezes por ano, até 1982.

Baseadas nas palestras que ministrou nestes seminários e também em séries de estudos bíblicos na igreja em Rubiataba, várias séries de livretos e apostilas foram elaboradas: “A Restauração da Palavra”, “O Espírito da Palavra no Evangelho de Lucas”, “Visão Profética”, “Visão Panorâmica da Bíblia”, “Um Estudo Microscópico de Efésios”, “As Sete Alianças” e “As Nove Divisões da Bíblia”. Posteriormente, com a ajuda de Elenir Eller Cordeiro e Harold Walker, foram publicados os livros “Sete Princípios para a Formação da Família Cristã”, “A Igreja do Século XX – a História que não foi Contada” e “Minha Jornada Espiritual” (uma pequena autobiografia que ressalta os principais eventos espirituais de sua vida).

Mudou-se para Jundiaí, SP, em 1986, acompanhado por Harold e família.

Em 1987, surgiu a Escola Cristã de Jundiaí, inspirada no curso “Sete Princípios para Formação da Família Cristã”, ministrado para casais da comunidade. É uma escola de ensino pré-escolar e fundamental, baseado em princípios cristãos de formação de caráter, que existe até hoje.

Em 1994, voltou a morar em Rubiataba, GO, por um ano e meio.

Em 30 de outubro de 1995, mudou-se novamente para Jundiaí, SP.

No último dia de 1998, foi convidado por José Carlos Marion e Paulo Manzini, pastores da comunidade CCC em Jundiaí, para ministrar a Palavra, todos os domingos, sobre Romanos 7 e 8, por quase um semestre.

De 1999 a 2003, ministrou a Palavra em vários seminários na região de Campinas, SP, e num centro da Palavra em Monte Mor, pequena cidade do interior de SP.

Em 14 de janeiro de 2007, ele e sua esposa Ruth receberam a destra da comunhão e foram abençoados pela congregação CCC, através dos pastores José Carlos Marion e Paulo Manzini.

Resumo de suas palavras no culto de 14 de janeiro de 2007, no CCC, Jundiaí, SP:

“Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia, porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até da própria vida. Contudo, já em nós mesmos, tivemos a sentença de morte, para que não confiemos em nós, e sim no Deus que ressuscita os mortos” (2 Co 1.8,9).

Essa “sentença de morte” que Paulo menciona na passagem acima é o meu testemunho. Embora eu tenha perdido quase tudo nesses últimos anos, duas coisas ainda permanecem bem fortes em minha vida.

A primeira é o peso (encargo, tristeza) de Deus pelo mundo. Tenho sentido esse peso desde menino; ele nunca me deixou, aonde quer que eu vá, todos os dias da minha vida. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito…” (Jo 3.16).

A segunda é a convicção de que relacionamento é o principal fator no plano de Deus para o homem. O relacionamento entre o Pai e o Filho é a terceira pessoa da Trindade que se chama o Espírito Santo, o Espírito da verdade, o Consolador. Devemos entender que é de suma importância cultivar intimidade com essa terceira Pessoa que está conosco e em nós. Por meio desse relacionamento, obteremos amizade com Deus, unidade e amor com nossos irmãos e irmãs no Corpo de Cristo e, assim, revelaremos Cristo ao mundo, pelo qual Deus deu tudo, seu próprio Filho.

Alguns depoimentos de pessoas que o conheciam:

Cremos que a chama que o Senhor acendeu no coração de John Walker está hoje queimando em muitos corações. Ele influenciou milhares de milhares, e só Deus sabe até onde chegou o grito do seu coração de ver a igreja verdadeira sem mancha ou coisa semelhante se levantar. Apesar do pouco contato pessoal, ele e seus filhos foram usados para também acender esta chama em mim, e ela está queimando cada vez mais.

Ralf Fels- Rio de Janeiro/RJ.

…o melhor de tudo é ter nascido para conhecer alguém e conviver com ele que amou tanto que fez o seu maior sacrifício em vida! Deixou a sua vida em busca de um grande e expressivo amor pelo Senhor. Distribuiu, assim, a vida de Cristo a todos que o viram e ouviram, através de um estudo, de um toque, de palavras de sabedoria e vida, longe ou perto; foram abertos os olhos e desvendados muitos mistérios. Assim foi comigo e com todos que passaram por ele, e muito mais ainda será desvendado através do testemunho de vida que ficou! Deus mudou a minha história com ELE (Cristo), através da vida DELE que habitava no meu irmão João!

Vânia – Palmas/TO

É por causa da vida que John Walker teve com Deus que eu e muitos outros ficamos com o nosso coração ardendo pela igreja, sua restauração e o levantar de um povo que manifeste Jesus.

Raquel – Botucatu/SP

Um grande homem nos visitou. E, como quase sempre, não gozou da compreensão devida à sua convicção, profunda e honesta, sobre as questões fundamentais da nossa existência. Mas certamente Deus o honrou e recebeu no seu seio. Desde cedo se posicionou com coragem, incomodando o status quo (as pessoas não gostam de ser incomodadas). Nas suas próprias palavras: “Será que nós, um dia, compreenderemos perfeitamente o que significa comunhão do ponto de vista de Deus?”.

Sérgio Ramirez – Santa Bárbara D’Oeste/SP

Fico muito triste ao ouvir a notícia de que nosso irmão John Walker não está mais conosco, o qual, pelo reino de seu Mestre, serviu fielmente ao longo de toda sua vida. O irmão John é, de fato, como Davi que, “tendo servido à sua própria geração conforme o desígnio de Deus, adormeceu” (At 13.36).

Christian Chen – Nova York/EUA

Embora não o tenha conhecido muito bem, as marcas da intensa fé de John Walker estão gravadas em meu coração e me ajudaram a construir as bases daquilo que creio. Sei que sua insatisfação com o sistema e sua busca pelos valores do Reino ecoarão em muitas vidas e por incontáveis anos.

Pr Mateus F. de Campos – Americana/SP

5 respostas para “Vida de Impacto: John Walker-Tudo Para Jesus!”

  1. Jefferson disse:

    Li a “Igreja do século XX – A História que não foi contada” e fui tremendamente impactado pela Vida de Deus que fluía daquelas páginas.
    Louvado Seja Deus pela vida desse santo.

  2. silvania disse:

    Tive o privilegio de conhece-lo pessoalmente bem como a sua amada esposa e os filhos. Tive o prazer de morar na casa de Thomas(um de seus filhos)Nunca vou me esquecer dos domingos de comunhão que passava com a família Walker.O primeiro livro que eu li foi “A patrola de Deus”, emprestado por um querido irmão que foi morar no céu muito cedo: Jorge. Realmente, este homem, John Walker , fez diferença na vida de quem o conheceu. Glória pois a Deus pela vida dele.

  3. Isac Altenhofen disse:

    Desde os meus 17 anos, tenho perguntado para Deus: O que o Senhor quer dizer com “profeta para as nações”?. Foram anos de busca. Até que, em 2010, conheci a família do “Seu João”.

    Infelizmente, não tive o privilégio de conhecer o John Walker pessoalmente. Mas o legado por ele deixado através de seus filhos (Cristopher, Harold e Robert – os que conheci), mudaram a minha vida pessoal, espiritual e ministerial. Ter em mãos os papéis que ele mesmo redigiu é o melhor presente que alguém (que também busca cumprir a mesma visão) poderia receber.

    A Visão Profética desse homem, a importância do “não” absoluto, seu entendimento que Deus quer relacionamento íntimo – escândalo de particularidade – e não muitas atividades, me tornaram um cristão mais livre para andar com o Criador!

    Muitos homens SEM FACE serão contados no dia do Juízo como merecedores do gozo do Seu Senhor. Tenho certeza que, pela direção profética que ele deixou à Igreja (brasileira) dos dias do fim, John Walker estará lá no banquete eterno em um lugar especial. Quero muito conhecê-lo na eternidade e só dizer:

    “Muito obrigado por ter aberto meus olhos e me fazer entender o que é um ministério profético eficaz para as nações, naqueles últimos dias que a Terra passou!”

  4. Ewerton Magalhães de souza disse:

    Hoje no mundo que vivemos perderão valores, mais sim, John Walker deixou um exemplo para Brasil de vida simples e justa. Hoje perdemos grande homens de valor que pregavam o Evangelho genuíno de nosso Senhor Jesus Cristo. Parabéns John Walker – cumpriu sua missão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *