O Segredo e a Missão

Data de publicação: 14/07/2011
Categorias da Biblioteca:
Edição 58 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 58

Por: Clésio Pena

Muitas pessoas já leram o livro ou assistiram ao filme chamado O Segredo. Em síntese, a mensagem transmitida é a de que você pode ter ou ser aquilo que quiser com base no poder da atração. Ou seja, se você quer possuir uma mansão, basta desejar (com muita força, pensando positivo, colocando esse pensamento em evidência na mente, sonhando com a casa, vendo-se dentro dela, nadando em sua piscina, dormindo em seu quarto, etc.), e, a partir daí, o universo se move para lhe dar a tal mansão.

Alguns cristãos rejeitam totalmente essa mensagem; outros acabam incorporando-a, consciente ou inconscientemente, na pregação do Evangelho. Eu ousaria dizer que é uma versão distorcida (ou errônea) da fé. Distorcida, pois só busca poder, fama e riquezas materiais. Por isso, antes de lançar mão do poder da atração, existe uma pergunta básica: O QUE VOCÊ QUER?

O Que Você Quer?

Se formos realizar uma pesquisa utilizando a pergunta “O que você quer?”, ficaríamos impressionados com o número reduzido (e a qualidade) de respostas mesmo das pessoas cristãs. Respostas como carro novo, mudança de emprego ou conseguir uma mansão não são válidas, pois representam muito pouco para um cristão, para alguém em quem Cristo tanto investiu.

Devemos objetivar muito mais que coisas materiais, riquezas, fama. Portanto, a pergunta contínua no ar. O que você quer?

Na Bíblia, há uma passagem em que o próprio Deus pergunta isso para alguém (quase como nas histórias do gênio da lâmpada mágica em que alguém recebia o direito de fazer três pedidos). Foi ao jovem rei Salomão que Deus deu a fantástica oportunidade: “Pede-me o que queres…” (1 Rs 3.5). Sua resposta chegou a impressionar o Criador, com o desejo inusitado de receber um coração compreensivo [U1]  (1 Rs 3.9).

Parece bem difícil encontrar pessoas firmes em seus alvos, convictas do que querem. Ou seja, mesmo se o tal do segredo funcionasse, para muitas pessoas ficaria um vácuo, pois não sabem o que querem.

Porém, é interessante estudar alguns nomes ilustres (alguns nem tão ilustres assim) que sabiam o que queriam e transformaram situações, fizeram história, mudaram o curso de uma sociedade. Isso se deve ao fato de que tais pessoas eram obstinadas, sabiam aonde queriam chegar. Desistiam de todas as coisas que lhes eram oferecidas, chances baratas, outras alternativas de alvo, de cargo, de vida. Nada disso lhes tirava a atenção em buscar O ALVO; era como se tivessem nascido com aquele desejo, sonho ou missão soberana.

Exemplo disso foi Martin Luther King, que viveu em função de um sonho e mudou a história. É possível que você não simpatize com o atual presidente do Brasil, mas não pode negar que ele lutou com muita perseverança, superando muitas derrotas para chegar aonde queria. Não se contentou em ser presidente de sindicato ou deputado federal; seu alvo não era formar-se em Direito ou chegar a dirigir uma montadora de carros. Ele queria ser presidente do Brasil. Que coisa impressionante essa força que vem do que você realmente quer!

De Onde Vem a Magia?

Vendo na história alguns nomes realmente nobres que sabiam o que queriam, começo a pensar que, se você tem a resposta a esta pergunta (O que você quer?), o princípio de O Segredo realmente funciona. Por que, eu pergunto, há tamanha magia nessa resposta?

Sou forçado a pensar que a resposta a “O que você quer?” já vem em sua fita de DNA. Ou seja, já nascemos querendo mais isso do que aquilo. Será que viemos com defeito de fabricação? Será que aquilo que faz meu coração arder deve-se ao fato de o projetista ter exagerado em algum lado dos meus sentimentos, paixões e desejos (refiro-me a objetivos não-carnais)? Creio que não.

O que os proponentes de O Segredo não explicam é: De onde vem a vontade? Quem colocou o desejo de ajudar os leprosos na Madre Teresa? Quem lhe transmitiu isso? Ou ela já nasceu com tal tendência em seu DNA?

Você pode discordar de mim (e você tem essa liberdade, só não pode romper comigo por isso!), mas estou cada vez mais convencido de que esse seu desejo mais puro e nobre, seu alvo espiritual, a visão de ser útil nessa ou naquela área não se originou de você ou dos ensinamentos que recebeu. Você nasceu com essa paixão, a vontade de fazer de seus sonhos uma poesia viva. Foi embutida em suas células durante sua “fabricação”. Em outras palavras, aquilo que você realmente quer, aquilo que é mais profundo e soberano, veio do próprio Deus.

E mais: também vieram de Deus as competências para realizar essa que é sua missão na Terra. Isso mesmo: as habilidades, facilidades ou dons que você tem foram dados com o propósito de realizar sua missão. Não tente se reinventar. Atire-se sobre suas habilidades e verá como a vida fluirá feito uma cachoeira. Parece simples – e é! Não tente ser usado por Deus onde não foi chamado, onde não tem naturalidade para agir. Realize aquilo que você faz de melhor e faça cada vez mais. Quer seja pregando, quer seja ensinando, dançando, prestando socorro, doando, amando, sorrindo; deixe-se ser levado por suas habilidades. Será muito melhor do que ficar empenhando-se em algo que não é seu lugar.

Você acha que o Kaká entra em campo choroso, dizendo: “Não sei jogar, está muito difícil pra mim, não sei o que fazer com a bola”? Não. Ele simplesmente joga.

Calebe e Josué sabiam o que queriam. Não se contentavam com maná, água da rocha, sinais e maravilhas. Eles queriam entrar na terra. Esaú não queria a primogenitura, tanto que a vendeu por um prato de comida. E você, o que quer exatamente? Já se fez essa pergunta? Já tem a resposta?

Não quero escandalizá-lo ainda mais, mas você sabia que todo ser humano tem uma missão? Que já nasce com isso no seu DNA independentemente de ser cristão ou não? Você tem uma missão. Algo que beneficiará a humanidade (você pensou que era para seu proveito? Não é).

Abundância de Deus – Para Quê?

Fiquei maravilhado, esta semana, ao me achegar (junto com meus três lindos filhos) debaixo de um pé de jabuticaba. Que maravilha! Olhávamos para o alto e nem enxergávamos os galhos, apenas aquela cor negra brilhante para todos os lados. E comecei a pensar: Deus não é econômico. Ele é abundante. Meu pensamento foi divagando. Comecei a pensar no fundo do oceano, na abundância e diversidade da natureza e do universo.

Lembrei-me de um pequeno exemplo: para uma mulher engravidar, seu marido deve ter uma quantidade mínima de 20 milhões de espermatozóides. Que coisa impressionante! O meu Deus é um Deus que não retém, ele gasta; não é nada mesquinho, ele “manda ver”. E é claro que no mundo espiritual não é diferente. Ele é abundante. Ele colocou um potencial enorme em cada um de nós. Muitas habilidades, características, tendências… E tudo para um fim, um propósito eterno.

Por favor, não pense que estou falando dos supercrentes, líderes especiais, pessoas com dons para conduzir a massa. Não. Estou falando sobre você! Sobre suas características, sua contribuição na Terra. Por mais longe que estiver, por mais fraco que pareça, você tem um conjunto de habilidades, somado à sua personalidade e ao meio em que vive, que o qualifica como mais ninguém para realizar SUA missão. Ninguém pode fazer o que Deus designou para você.

O que fazer? Por onde começar? Aonde ir? Mudar-se para a África? Sair do emprego? Antes de tomar qualquer decisão, vou dar uma dica: comece oferecendo-se como voluntário. Nem precisa ser numa instituição. Pode ser lavando os pratos para sua mãe. Pintar a casa de uma senhora. Lavar o carro de um senhor idoso. Organizar um jogo de futebol no bairro. Ajudar um colega da escola que tem dificuldades. Dar dinheiro para o vizinho comprar um brinquedo para o filho. Coloque-se em movimento, e seus dons fluirão.

Aprendi algo: quando estou parado, não tem como ajustar o rumo da direção; só consigo acertar o caminho quando estou em movimento.

Você é do jeito que é para um propósito eterno. E quando seu espírito aproxima-se do Espírito de Deus, uma música surge de seu interior. Sua vida começa a ter sentido. Não espere ver toda a estrada de uma vez. O farol do carro ilumina apenas alguns metros, e, mesmo assim, é possível ir de São Paulo para Goiás vendo apenas alguns metros à frente. Acorde; a humanidade espera pela sua contribuição!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *