Mais Perto de Deus

Data de publicação: 08/04/2013
Categorias da Biblioteca:
Edição 74 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 74

Ezequiel Netto

Embora tenha sido lançado recentemente no Brasil como Mais Perto de Deus, o título original é bem mais impactante: The Misunderstood God – the lies religion tells us about God [O Deus mal compreendido – as mentiras que a religião nos conta sobre Deus]. Nem precisamos abrir o livro e já encontramos as afirmações provocativas do título: a igreja não conhece a Deus e, além do mais, é considerada mentirosa em sua mensagem sobre ele. Não há como ficar neutro nessa hora, pois a reação é imediata: começamos a ler ou rejeitamos o livro. A base para todos os capítulos é 1 Coríntios 13, e o objetivo do livro é mostrar que nós, cristãos, de maneira geral, não conhecemos o amor de Deus.

Darin Hufford demonstra ser um escritor bastante sensível e usa cada acontecimento de sua infância complicada e cheia de problemas familiares para tirar profundas lições espirituais sobre a natureza de Deus. Os traumas e decepções eram constantes na infância e, à medida que crescia, seu coração ficava cada vez mais cauterizado. Acreditou que seus conflitos fossem ser resolvidos ao tornar-se um cristão exemplar. Fez seminário, chegou a ser conferencista e pastor de uma megaigreja; contudo, sua angústia continuou. Até que teve uma experiência marcante que transformou sua vida para sempre: resolveu dedicar uma hora a cada membro de sua igreja e, a partir daí, passou a ficar tremendamente apaixonado por cada uma daquelas pessoas e suas histórias, além de descobrir, de maneira nova, a essência do Pai Celestial.

Cada capítulo mostra conceitos enganosos que temos acerca de Deus, mesmo que não sejam admitidos abertamente por nós. Deus se irrita? Tem ciúme? É egocêntrico? Guarda um registro de nossos erros? Precisa do ser humano? Pode ser manipulado ou influenciado por nós? Para esses e muitos outros questionamentos, a resposta é muito parecida com a afirmação de Jesus em Lucas 11.13: “Se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial…” Para cada atitude comum que esperamos de um pai natural, Deus tem uma correspondente que expressa de forma perfeita. São 19 capítulos que falam, de forma cativante e com riqueza de informações, sobre um Pai amoroso; e – o que é mais difícil – sem ser repetitivo. Só uma pessoa apaixonada por Deus poderia escrever um livro como esse.

Como já era de se esperar, as críticas foram severas. Falaram que as respostas dadas estão equivocadas, que o autor usou versículos fora de contexto e que pinçou as afirmações de 1 Coríntios 13 sobre o amor sem levar em consideração os demais atributos de Deus. Mostraram que o livro está cheio de erros que ferem os conceitos teológicos mais elementares como, por exemplo, a afirmação de que Deus precisa do ser humano para poder expressar seu amor, sugerindo que havia algo incompleto em Deus antes da criação.

Outra afirmação muito combatida é a de que não fomos criados para louvar e adorar a Deus, mas simplesmente para relacionar-nos com ele, mais uma vez sugerindo que Deus precisa de nós. Os que falam mal do livro afirmam que, acima de tudo, Jesus Cristo é Senhor, e não podemos ignorar seus mandamentos. E que Deus é ciumento sim, sem compreender que o livro não afirma o contrário. A cristandade recebe com muita facilidade os livros e filmes sobre a marca da besta, os cristãos mornos que não participarão do arrebatamento, os sofrimentos na grande tribulação e outros temas que imputam grande medo em quem abandona a fé. De maneira semelhante, muitas mensagens “evangelísticas” sobre o juízo eterno são bem-vindas, mostrando que Deus fará a parte dele desde que façamos a nossa. Ninguém questiona que a abordagem se concentre apenas num lado da história, e que tenham deixado de considerar a graça e a bondade de Deus. E por que um livro sobre o amor seria tão combatido?

Este texto seria incompleto se não citássemos A Cabana (de William Young) e Por Que Você Não Quer Mais Ir à Igreja? (de Wayne Jacobsen). Inicialmente, A Cabana foi rejeitado por editoras cristãs e, com muita dificuldade, foi lançada uma pequena primeira edição. Cada um foi vendendo para seus amigos até que um comentarista da televisão teve acesso ao livro e testemunhou, em rede nacional, como foi abençoado pela leitura. A partir daí, o interesse das editoras foi grande, e milhares de exemplares foram vendidos. Há muito tempo, não se vendiam tantos exemplares de um livro que fala de forma tão positiva sobre Deus. Após ceder às pressões do público, algumas livrarias evangélicas até passaram a vendê-los. Porém, algumas lojas acrescentaram a nota: “Este livro precisa ser lido com espírito crítico e muita cautela”. Mas essa atitude não deveria ser adotada para qualquer livro que vamos ler?

Fui muito abençoado com a leitura. Senti-me encorajado a ter um relacionamento com o Pai de forma mais intensa, aberta e livre de protocolos desnecessários. O amor de Deus por nós é um tema que precisamos não apenas compreender melhor, mas também experimentar profundamente. Percebi que, em muitos sentidos, eu era mais um cristão enganado com conceitos religiosos, e que Deus era, de fato, mal compreendido por mim.

 Você pode adquirir este livro através do site: www.revistaimpacto.com.br/loja ou pelo telefone (19) 3462-9893.

Comentários sobre este livro

Prepare-se para ter seu mundo espiritual abalado. Hufford nos leva do Deus mal compreendido para o Pai sobre quem Jesus sempre falou.

Wayne Jacobsen, colaborador de A Cabana.

Apresenta um Senhor que os cristãos nunca encontraram e que nas Escrituras é descrito como a personificação do incansável amor.

Frank Viola, autor de vários livros.

Se você já lutou contra a noção esquizofrênica e contraditória de como um Deus de amor é apresentado como um capataz irado, cheio de regras e julgamentos, este livro traz um renovo contra toda insensatez religiosa. É a resposta para as inquietações causadas por A Cabana.

Brad Cummings, colaborador de A Cabana.

Finalmente um livro que conta tudo o que eu sempre tive em meu coração sobre quem Deus é e nunca consegui pôr em palavras. O peso da rejeição, a indignidade, expectativas frustradas e mentiras descaradas foram removidos pela simples e poderosa verdade sobre quem Deus é: Amor. Nele há segurança.

Heather Van Leuven, Phoenix, Arizona.

Se eu tivesse este livro há 35 anos, eu não teria cometido tantos erros. É como respirar 100% de puro oxigênio. Jamais serei o mesmo.

Jan Cox, Hobbs, Novo México.

Não importa há quanto tempo você é cristão ou exerce algum ministério, o livro o levará a conhecer a Deus em um nível de intimidade que você jamais imaginou ser possível.

Carol Martin-Dryden, Sydney, Austrália.

5 respostas para “Mais Perto de Deus”

  1. monica disse:

    Esse livro é uma benção,nos faz crescer e olhar a vida com outros olhos, Jesus disse que conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.

  2. Rogério Alves disse:

    Deus é fiel e amoroso. Obrigado Senhor pela vida do nosso irmão Hufford. Estou aprendendo muito.

  3. Tami disse:

    Esse livro é libertador! Revolucionário! Perfeito!

  4. renata disse:

    O livro nos aproxima de Deus, nos faz ver o óbvio, nos liberta!!
    Conhecer essa verdade me transformou!

  5. Gustavo Diguiriguis disse:

    O livro é fenomenal! Traz verdades que entram em conflito direto com nossas verdades distorcidas, graças às palavras do livro, pude compreender a Deus em um nível totalmente diferente. Pela primeira vez entendi o que realmente é ser filho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *