Leitura de Impacto: Corra Com os Cavalos

Data de publicação: 29/09/2011
Categorias da Biblioteca:
Edição 33 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 33

Por Jesus Ourives
Livro: Corra Com os Cavalos
Eugene Peterson – Editora Textus/Editora Ultimato

O Desafio de Deus

O que é um profeta? O que é profecia? Como abordar os livros proféticos, principalmente os do Velho Testamento? Profeta é aquele que fala de coisas que vão acontecer no futuro próximo ou distante ou aquele que fala verdades para os homens do seu tempo?

Jeremias nos oferece uma oportunidade especial de examinar o significado da vida do profeta que, muitas vezes, pode falar mais alto que sua mensagem. Sabemos mais sobre a vida de Jeremias do que de qualquer outro profeta. Não só descobrimos vários episódios e etapas em que precisou vivenciar sua mensagem e se identificar com a rebeldia e teimosia do povo, mas temos inúmeras passagens que falam das suas crises, das suas dúvidas, até das suas queixas.

Em uma das suas crises, Jeremias, esmagado pela oposição e mergulhado na autopiedade, estava a ponto de desistir de tudo, até do seu singular chamado divino, pedindo uma morte prematura. Naquele instante tão crítico da sua vida, Jeremias não fez uma de suas perguntas a Deus, mas Deus fez uma pergunta e um desafio a ele: “Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os cavalos? Se tão-somente numa terra de paz estás confiado, como farás na enchente do Jordão?” (]r 12.5).

Com esta pergunta, Deus estava dizendo a Jeremias: Você irá desistir diante da primeira onda de oposição? Você vai querer uma vida cautelosa ou corajosa? Estou chamando-o para uma vida de desafios muito maiores do que este. Se você se sente fatigado por essa multidão comum de patéticas mediocridades, o que fará quando a verdadeira corrida começar, contra os velozes e determinados cavalos da excelência? Quer arrastar-se, acompanhando a multidão ou almeja correr com os cavalos?

Este desafio de Deus a Jeremias serviu de mote e título deste livro, onde Peterson procura aplicar as lições da vida de Jeremias (mais do que das suas palavras), e mostrar como podemos descobrir o verdadeiro significado da vida aos olhos de Deus nesta nossa sociedade com seus valores tão invertidos. A partir da vida de Jeremias, Peterson elabora uma descrição do que chama de “excelência de vida”, aos olhos de Deus. Esta excelência é o resultado de uma vida de fé, de estar mais interessado em Deus do que em si mesmo, e não tem nada a ver com conquistas humanas no plano de realizações, auto-estima, conforto ou reconhecimento dos outros.

Uma Reforma Incompleta

Um dos mais significativos episódios do ministério de Jeremias, relatado num dos capítulos deste livro, cujo título é “Não Confieis em Falsas Palavras”, mostra como o profeta detectou a presença e a estratégia do inimigo num momento em que ninguém o imaginaria.

A ocasião era justamente no meio de um dos grandes avivamentos religiosos da história do povo judeu, a reforma do rei Josias, iniciada depois de ouvir a leitura do livro da Lei, redescoberto durante a restauração e limpeza do templo. Tudo o que a ordem de um rei poderia realizar foi feito: os crimes cessaram, a superstição religiosa foi tratada e o culto imoral foi banido. No entanto, apenas evitar o mal não torna as pessoas boas. Não demorou muito para Jeremias perceber que a reforma fora apenas de fachada, sem profundidade. As transformações exteriores tinham sido tremendas, porém as internas eram imperceptíveis.

Então Jeremias vai para os portões do Templo em Jerusalém e prega um estranho sermão. “Não confieis em palavras falsas, dizendo: Templo do Senhor, templo do Senhor, templo do Senhor é este” (Jr 7.4). Nem os sacerdotes escaparam das advertências do profeta: “Curam superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz” (Jr 8.11). As pessoas estavam no lugar certo (o templo), diziam as palavras corretas (o culto), mas elas é que não estavam certas. Há neste trecho uma frase do autor que me impressionou. Escreve Eugene Peterson: “…ir à igreja para cantar hinos não nos torna mais santos como, da mesma forma, ir para uma cocheira e relinchar não nos transforma em um cavalo.”

O profeta estava advertindo o povo a respeito da sua insinceridade no culto. Tinham apenas uma fachada respeitável para uma vida interior corrupta. Nas palavras de Peterson: A igreja corre maior perigo justamente quando é popular e milhões de pessoas estão dizendo: “Eu nasci de novo, eu me converti, eu aceitei a Cristo”. O lado exterior é muito mais fácil de reformar do que o interior. O povo celebrou a reforma, mas ignorou a pregação de Jeremias. E que missão difícil e impopular essa do profeta: de dar um testemunho incessante da hipocrisia e falta de transformação interior, no auge deste grande momento de avivamento nacional!

E esta mensagem não é atual? E não é para nós, aqui no Brasil? Precisamos entender a estratégia do inimigo de nos cegar e nos embriagar com o próprio sucesso, a fim de que o movimento de arrependimento e reforma no meio do povo de Deus seja incompleto e superficial e, no fim, se aborte, assim como aconteceu nos dias de Josias.

Para pedir este livro, ligue para (19) 3462-9893.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *