Irmão Caminhoneiro

Data de publicação: 04/08/2011
Categorias da Biblioteca:
Edição 50 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 50

Por: Luiz Montanini

Dai-lhes vós mesmos de comer.

Há cerca de um ano, o caminhoneiro Nilo Gomes, 47 anos, tinha chegado literalmente ao fim da rodovia. O financeiro era um dos muitos congestionamentos em sua cansativa jornada. As curvas perigosas e a neblina das serras travavam seu caminho e faziam-no andar a esmo, sem enxergar um palmo adiante do nariz. E, naqueles últimos meses, as coisas tinham ainda piorado porque o caminhão estava parado, por falta de pneus em condições de tráfego. Ele e a esposa viviam sem esperança, sem a menor perspectiva de vida.

Mas em abril do ano passado, de forma maravilhosa, Cristo entrou em suas vidas e desde então tudo tem sido diferente para o Nilo, para a Tânia e para o filho Matheus.

Histórias como esta têm sido testemunhadas em reuniões domésticas e cultos cristãos. E devem ser apregoadas mesmo, porque por si só são tremendas. Mas o testemunho do Nilo trouxe um componente adicional, que abençoou a igreja que o recebeu em Valinhos, São Paulo, e espera-se que, publicado, possa abençoar outras tantas – ainda que o preço a pagar por isso seja também literal, isto é, constranja os membros a enfiar a mão no bolso.

Como a maioria dos que chegam às igrejas, Nilo estava quebrado na alma, na vida e no banco. Sua sina parafraseava a história da samaritana à beira do poço, porque cinco caminhões tivera e o que tinha agora não era dele – estava alienado. Era um caminhoneiro à beira do abismo, no bico da curva…

A chegada de Nilo e Tânia coincidiu com uma palavra sobre socorro que Deus falava no momento à comunidade em Valinhos. A palavra, em resumo, orientava a igreja a não despedir vazias as pessoas e a dar sem esperar troca. Mostrava Jesus mandando os discípulos dar, eles mesmos, de comer à multidão, e que deixassem com ele o milagre da multiplicação e da salvação.

Como Nilo e Tânia mostraram-se dispostos a caminhar no espaço estreito do discipulado a Cristo, e boa parte da igreja local – a começar pela liderança – estava decidida a vivenciar a palavra recebida, os passos passaram a ser dados.

Orçamentos refeitos em favor da família dos outros

Mentoreado, e coberto por oração, o casal decidiu fazer novas todas as coisas em sua vida; a cada passo de obediência de Nilo e Tânia, a igreja dava outro favorável na direção deles, e, às vezes, para animá-los, antes mesmo da obediência do casal, a igreja sinalizava com ações (leia-se dinheiro mesmo). A dívida era alta, próxima dos R$ 100 mil – e ainda está sendo paga -, mas alguns irmãos ofereceram seus poucos peixes e pães em favor deles.

O primeiro passo no projeto baixar dívidas/ampliar estima foi o de arrumar o caminhão, a ferramenta de trabalho do Nilo. Trabalho, ou seja, o frete, ele tinha, garantido por uma empresa de embalagens.

O caminhão precisava de quatro pneus novos. Dois irmãos em Cristo se cotizaram e compraram os pneus, caros. Outros valores, oferecidos por outros irmãos, socorreram necessidades do próprio veículo (alinhamento e balanceamento dos novos pneus, solda de baú furado etc.) e da casa (mantimentos, algum dinheiro extra para gás de cozinha e energia elétrica etc.).

Para entrar neste trabalho em favor da família do Nilo, alguns irmãos refizeram seus próprios orçamentos e adiaram compras ou benfeitorias para si próprios ou sua família.

Simultaneamente a isso, novas situações de necessidades foram surgindo em outras famílias – novas ou antigas da comunidade -, e os irmãos foram levados a se envolver mais no socorro. Já não bastava enviar as tradicionais cestas básicas mensais. Era necessário exceder a própria justiça. Como o número de membros da igreja é pequeno e os dízimos e ofertas, insuficientes, os irmãos tiveram que optar entre refazer o próprio orçamento – e ter a oportunidade de participar do agir de Deus – ou continuar na mesma e velha opinião formada sobre tudo. Felizmente, escolheram a primeira alternativa.

O perfil da igreja mudou

A igreja hoje está mais feliz, o perfil está mudando. E o coração do Nilo e da Tânia foram definitivamente capturados por Deus. Veja o depoimento do Nilo:

– A primeira manifestação do amor de Deus veio através daquelas ações de socorro por parte de pessoas que nem conheciam a gente direito. Só então veio o contato com o próprio Deus. Tivemos um encontro com ele e desde então ele tem sido fiel conosco, produz um milagre após o outro. Nossas vidas estão transformadas, eu fui livre da escravidão da bebida. E o caminhão não quebra, e olha que é um caminhão velho; é como o povo de Israel no deserto, que andava muito, e o sapato e as roupas não gastavam. É um sonho… Ainda temos dificuldades, claro, mas agora é diferente, porque Deus está agindo para nos livrar de cada uma delas.

Luiz Montanini faz parte do Conselho Editorial da Revista Impacto. É jornalista, reside em Valinhos, SP, com sua esposa Lia e seus três filhos. É responsável pelo site cristão: www.jornalhoje.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *