Impacto Mirim: A Tentação de Um Centavo

Data de publicação: 28/10/2011
Categorias da Biblioteca:
Edição 26 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 26

Por: G. C. Bevington

Certa vez, fui convidado a almoçar com uma família em Cincinnati (no estado do Ohio, nos EUA) e, enquanto aguardava, notei que a mãe corria de pouco em pouco à janela com ansiedade.

Perguntei: “Irmã, há algo que está precisando?”

“Sim”, ela respondeu. “Estou esperando minha filha, Bessie, que já deveria ter voltado da escola. Ela está atrasada hoje. Eu queria que ela fosse ao mercado para mim.”

Então eu ofereci: “Deixe que eu vá no lugar dela”.

“Bem, estou precisando de pão.”

“Muito bem, onde devo ir?”

“Virando a esquina, no primeiro mercado.”

Peguei a moeda de cinco centavos, comprei o pão, e ia saindo do mercado, quando o balconista disse: “Espere, tem um centavo de troco”.

Chegando em casa, coloquei o pão e a moeda de um centavo na mesa. Um pouco depois, ao vê-los ali, a mulher perguntou: “Irmão Bevington, você sabe de onde veio esta moeda?”

“Eu a coloquei ali. Foi o troco do pão.”

Bem, crianças, eu gostaria de poder desenhar o rosto daquela mãe, quando ouviu isto. Percebi que algo estava acontecendo no seu coração e alma, pois o rosto mostrava. Porém, eu nada disse, só fiquei perplexo sobre o que causara tantas transformações no seu semblante.

Finalmente, Bessie chegou. Almoçamos, e depois que Bessie voltou para a escola, a mulher me disse: “Irmão Bevington, estou em grande angústia”.

“É”, respondi, “percebi que algo a transtornou desde que falei do troco do pão. O que foi?”

“Bem”, ela disse, “Bessie compra dois pães diariamente, e nunca me deu troco algum. Preciso ir agora e conversar com o balconista do mercado.”

Logo ela voltou, chorando como se o coração tivesse se partido, e me disse: “Ó irmão Bevington, o que devo fazer? Já faz três meses que Bessie está guardando este troco, desde a época em que reduziram o preço para quatro centavos. O que isto significa?”

Enquanto ela ficou ali chorando, lavei a louça para ela e tentei encontrar justificativas. Talvez Bessie estivesse guardando as moedas para surpreendê-la com um presente mais para frente.

“Ah, quisera eu que fosse assim, mas meu coração está tão angustiado. Estou receosa de que há algo errado aqui, estou muito receosa!” E então chorou ainda mais.

Mas como não havia nada para fazer naquele momento, eu parti, pois ela esperaria o marido chegar do trabalho para lhe contar todo o caso.

Bem, depois do espaço de uns dois meses, voltei para aquela cidade. Eu estava ansioso para saber no que deu o caso das moedas, então fui à casa daquela família. A mulher me contou que naquele dia, esperaram até depois do jantar, e foram conversar com Bessie. E Bessie se quebrantou na hora, chorou, e correu para abraçar a mãe, dizendo: “Oh, estou tão arrependida”. Depois que terminou de chorar, ela contou aos pais como tudo acontecera.

Agora, crianças, lembrem-se que Satanás está vigiando o tempo inteiro para jogar uma armadilha na sua frente, para levar vocês por caminhos errados. Por isso, é preciso tomar cuidado. Bessie disse que quando ia saindo do mercado no primeiro dia depois da redução de preço, o balconista a chamou de volta e lhe deu duas moedas de um centavo. Sua intenção inicial era dar as moedas para sua mãe. Porém, quando ia saindo outra vez pela porta, uma colega a encontrou e disse: “Bessie, você recebeu umas moedas de troco?”

“Sim.”

“Bem, agora, já que você perdeu seu lápis de escola, e sua mãe com certeza lhe dará um sermão por ser tão irresponsável, se eu fosse você, eu compraria um lápis, e aí sua mãe nem saberá que perdeu. Amanhã você entrega as moedas para ela.”

Isto parecia fazer sentido para Bessie, e assim foram juntas para a loja e compraram o lápis. Porém Bessie logo começou a sentir mal com o que fez. Antes de chegar em casa, pensou: “Não está certo o que fiz. Vou voltar, devolver o lápis, pegar minhas moedas de volta, e contar tudo para minha mãe.”

Mas uma outra voz no seu interior disse: “Oh, não, vá em frente. Você pode contar para sua mãe amanhã. Foi hoje que reduziram o preço. Só um dia não fará diferença alguma.”

E assim esta voz malvada prevaleceu. No outro dia, voltou ao mercado, totalmente decidida a entregar o troco para sua mãe desta vez. Mas como Satanás já a tinha dominado no dia anterior, ele estava ali pontualmente neste segundo dia para ajudá-la a continuar no caminho de engano, e para fazer de tudo para que não voltasse ao caminho certo.

Naquela tarde, ela recebeu mais duas moedas e, enquanto andava de volta para casa, a voz do bem lhe dizia: “Agora, entregue estas moedas para sua mãe”.

Mas a voz malvada estava ali também, e dizia: “Você sabe que estão vendendo algodão doce ali na doceria. Você é uma menina tão bem comportada, e seu pai nunca lhe dá moedas para gastar, e também faz três semanas que não prova um doce sequer. Vá para lá e compre um.

Amanhã você começa a dar as moedas para sua mãe, pois ela nunca vai saber e achará que foi só naquele dia que o preço do pão ficou mais barato.”

Então Bessie parou, olhou pela vitrine, e pensou: “Oh, aquele algodão doce é tão gostoso. Eu queria tanto comprar um…”

Mas aí mordeu o lábio. A voz do bem lhe dizia: “Não, entregue o troco para sua mãe.”

E ela disse: “É isto que vou fazer”, e começou a voltar para casa.

Mas a voz malvada a fez parar, e Satanás fez sua boca encher de água, e sentir tanta vontade de ter aquele doce. No fim, ela voltou, e disse para si mesma: “Vou começar amanhã”. Assim, mais uma vez, ela cedeu à voz malvada de Satanás.

Naquela noite, foi a maior dificuldade para fazer sua oração antes de dormir, mas Satanás estava presente ali também, e lhe deu ousadia. Apesar da sua luta interior, ela fez a oração assim mesmo.

No dia seguinte, Satanás nem teve tanto trabalho para induzi-la a comprar mais algodão doce, e cada dia ofereceu algo novo, até que ela conseguiu fazer sua oração à noite sem problema algum.

Vejam só, crianças, Satanás estava endurecendo sua consciência, e calando aquele sininho que toca o alarme dentro do peito, até o ponto onde ela roubava as moedas da sua mãe e ainda fazia suas orações sem se sentir incomodada.

Mas Deus sabia que a mãe dela precisava saber o que estava acontecendo e por isso me enviou para aquele lugar para que o caso fosse exposto.

Arranjou tudo para que Bessie chegasse atrasada da escola e para que assim, eu fosse no lugar dela para comprar o pão. Lembrem-se, crianças, de como a Bíblia diz: “Sabei que o vosso pecado vos há de achar” (Nm 32.23).

Bessie achava que estava tudo encoberto e já planejava o que faria depois com suas moedas, duas por dia.

Bem, Bessie foi para o altar, confessou tudo, e recebeu perdão de Deus. Seus pais nunca a disciplinaram por isto, pois deixaram isto por conta de Deus, que fizera com que tudo viesse à tona. Ela nunca mais fez nada semelhante depois disto.

Vejam bem, crianças, Satanás estava conquistando cada vez mais terreno na vida dela. Primeiro, começou roubando centavos, depois a levaria a roubar moedas maiores, e assim por diante; se continuasse nesse caminho, ela chegaria ao ponto de matar alguém, ou de vender sua virtude, para conseguir mais dinheiro. Então fuja de pequenas tentações. Pois Satanás tem muitos laços para prender as queridas crianças, e assim que conseguir levá-las a entrar no caminho de falar ou agir de maneira errada, inventará outros meios de conduzi-las a fazer coisas piores.

Como aquela mãe chorou e orou para que Deus cuidasse da Bessie, e a guardasse pura e honesta! Deus precisou me enviar para lá aquele dia para responder às suas orações. Deus me usou para trazer à luz o pecado de Bessie. Então, crianças, obedeçam a seus pais.

Bom, da próxima vez que vi Bessie, dez meses depois, ela veio correndo, me abraçou e me beijou, dizendo: “Oh, irmão Bevington, Deus o enviou para me tirar daquele laço terrível. Eu teria caído num caminho muito errado. O senhor veio a tempo de me salvar.”

Ela ficou contente que o plano bem formulado por Satanás para arruiná-la fora descoberto. Bessie cresceu e tornou-se uma excelente mãe, que está cuidando agora das preciosas jóias que Deus lhe deu, a fim de que sejam uma bênção neste mundo tão cheio de trevas e maldade.

Extraído do livro “Remarkable Incidents and Modern Miracles Through Prayer and Faith” (Milagres Atuais e Incidentes Notáveis Por Meio da Oração e da Fé).
G. C. Bevington foi um homem de muita fé e oração que viveu no fim do século XIX e início do século XX.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *