Há uma porta aberta no céu!

Data de publicação: 21/02/2018
Categorias da Biblioteca:
Edição 80 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 80

Orar é mais do que proferir nossas necessidades para Deus. É uma passagem que se abre para que possamos ouvir o que vem do outro lado

Por Abnério Mello Cabral

Deus está no Céu! Muitos têm o Céu como o ponto final de sua fé, o alvo a ser alcançado somente com a morte, quando finalmente se encontrarem com Deus.

Em Gênesis 28.12, a Bíblia conta que Jacó teve um sonho, no qual viu uma escada que ligava o Céu à Terra e anjos de Deus por ela subindo e descendo. Ao acordar, chegou à conclusão de que aquele lugar era a casa de Deus, a porta do Céu. Jesus fez menção desse sonho quando disse, certa vez, para alguns discípulos: “Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem” (Jo 1.51). A escada que Jacó viu era o próprio Jesus.

A maioria dos cristãos passa a vida toda com o entendimento de que oração é apenas um meio de apresentar necessidades, anseios e angústias a Deus. Porém, precisamos enxergar nela um potencial muito maior, uma experiência mais ousada do que simplesmente aliviar a alma.

As duas passagens citadas acima mencionam anjos “subindo e descendo”. Poderia parecer mais lógico se fosse ao contrário, anjos “descendo e subindo”, uma vez que, teoricamente, desceriam do Céu a fim de executar uma tarefa. Se pensarmos, porém, no movimento de homens, subindo e descendo por meio de oração e comunhão do Espírito Santo (auxiliados pelos anjos), a ordem de subir antes de descer pode ganhar mais sentido.

Há uma porta aberta no Céu. O profeta Ezequiel viu os céus abertos (Ez 1.1) e, a partir dali, recebeu mensagens e visões tremendas para levar ao povo de Deus. O apóstolo João já estava acostumado com a presença de Deus, mas foi convidado a dar um passo maior: Depois dessas coisas, vi uma porta aberta no céu, e a primeira voz… disse: Sobe aqui, e eu te mostrarei as coisas que devem acontecer” (Ap 4.1).

A oração que Jesus ensinou começa assim: “Pai nosso que estás no céu” (Mt 6.9). Jesus é a porta (Jo 10.9) e o caminho ao Pai (Jo 14.6). Por meio do sangue de Jesus e do seu corpo rasgado, temos um novo e vivo acesso ao lugar onde Deus está (Hb 10.19-22).

A oração não deve ser simplesmente algo que fazemos quando estamos com pressa ou queremos pedir algo. Costumamos aproximar-nos de Deus para falar daquilo que nos aperta ou do que gostaríamos que ele fizesse. Mas Deus, na sua infinita bondade, está interessado em ir além das nossas dificuldades temporais. Quer nos falar sobre assuntos eternos que dizem respeito ao futuro e às questões que pesam no seu coração.

Portanto, intercessão é mais do que falar com Deus; é ligar-se a ele, é ter acesso ao lugar santíssimo para ouvir o que ele tem a dizer. Precisamos subir a escada para conhecê-lo e nos atentar àquilo que vem de lá.

Desde a antiguidade, Deus tem desejado estar com o seu povo, andar no meio dele e “tabernacular” ou fazer sua morada com o homem. O apóstolo Paulo teve a revelação de que nós somos o templo do Espírito Santo.

A intercessão nos abre uma porta, uma escada por onde podemos nos aproximar de Deus de forma segura. Há um convite dos céus para nós hoje, e não precisamos esperar pela morte para aceitá-lo, como foi no caso de Estêvão que viu os céus abertos quando estava sendo apedrejado.

Deus não está brincando de abrir e fechar o Céu para nós. O Céu está aberto! Isso é para hoje, a escada é para nós, o caminho é para nós, a porta é para nós, e o Senhor nos espera para uma conversa mais íntima. Este é um convite para a congregação dos santos, para todos que foram lavados pelo sangue do Cordeiro. Deus está interessado em conversar sobre muito mais do que as nossas necessidades; ele quer se encontrar conosco e revelar seu coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *