Editorial 71

Data de publicação: 24/05/2012
Categorias da Biblioteca:
Edição 71 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 71

Carta Editorial

Como o leitor já sabe, cada edição da revista Impacto tem um tema específico anunciado na capa. Como nosso objetivo é ser uma revista que faz pensar, esses temas são escolhidos cuidadosamente, em reuniões do conselho editorial, com bastante discussão e partilhamento de ideias. Alguns são planejados com bastante antecedência, enquanto outros surgem de repente, tomando a dianteira por representar um assunto vivo, atual, urgente.

Creio que nenhum tema tenha ficado tanto tempo “na gaveta”, esperando o momento certo de ser executado, quanto este da edição atual: Preparando a próxima geração. Uma das matérias chegou a ser preparada há mais de dois anos, mas depois ficou arquivada porque sempre apareciam outros temas que passavam na frente. Mesmo assim, o assunto voltava frequentemente à pauta por encontrar ressonância entre nós e, também, entre inúmeros servos de Deus em outros lugares.

Preparar a próxima geração é uma preocupação que despertaria interesse, tranquilamente, em qualquer época ou contexto. Dada a transitoriedade da nossa existência, sempre houve necessidade de qualificar uma geração mais jovem para evitar os erros já cometidos e ir mais longe do que a geração mais velha.

Entretanto, o encargo especial que sentimos para a transição do nosso tempo nos faz sentir que será diferente de todas as anteriores. Sabemos que haverá, um dia, uma geração que não entregará o bastão a outra, pois terá a honra (e o pavor) de testemunhar o encerramento definitivo de uma era e o início de outra. Não podemos determinar precisamente quando essa geração começará, mas podemos prestar atenção aos sinais e à voz do Espírito, testemunhando que o tempo está próximo.

E o que devemos fazer? Que tipo de preparação devemos iniciar desde já? Como podemos investir naqueles que estão levantando-se para tomar seu lugar na corrida? Que tipo de transição deve começar a ser vislumbrada?

Normalmente, nossas matérias de capa ocupam metade ou mais do espaço disponível na revista. Afinal, representam o foco principal do nosso trabalho: levar o leitor a pensar sobre vários aspectos do mesmo assunto.

Desta vez, porém, tomaram o espaço todo. Não sobrou lugar para nenhuma das seções regulares da revista.

Talvez, seja um sinal da importância do assunto. Talvez, a aplicação deva ocupar uma proporção maior do nosso tempo. Que estejamos preparados para fazer parte da última geração, seja da parcela mais velha, seja da mais nova!

A Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *