Editorial 61

Data de publicação: 29/04/2011
Categorias da Biblioteca:
Edição 61 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 61

Por Conselho Editorial

A edição anterior da revista Impacto trouxe o tema Igreja nas Casas, assunto de grande importância em toda a comunidade cristã atual diante da ênfase generalizada que se vê em pequenos grupos nos lares entre as mais diversas denominações e movimentos.

Um dos pensamentos centrais abordados nas matérias de capa daquela edição foi que igreja nas casas não significa mera mudança de local de reunião; implica um ambiente propício para gerar e nutrir uma família espiritual como célula viva e reprodutiva da Igreja.

Foi aí que nasceu o tema desta edição: como podemos ter esse ambiente em centenas e milhares de casas se as famílias cristãs estão quase tão desestruturadas e doentes quanto o resto da sociedade? E como as famílias podem funcionar com equilíbrio e saúde se as duas colunas mestras (marido e mulher) estão com identidades confusas, tentando desempenhar papéis que não lhes pertencem?

A situação caótica das famílias hoje não surgiu de uma hora para outra. Enquanto grande parte da Igreja dormia despercebida nas últimas décadas, o inimigo foi minando sorrateiramente os papéis divinamente designados para o homem e a mulher na família. As consequências demoraram a aparecer, mas, agora, estão por toda parte, causando profundas mudanças (negativas) em toda a sociedade. Na escola, no serviço, nas ruas (e nas igrejas!), quando se pergunta de onde vieram tantos comportamentos agressivos, deturpados, inexplicáveis, a resposta sempre aponta para a família (ou a ausência dela). Não se pode negar: a estratégia do inimigo funcionou!

Para mudar esse quadro, não adianta pensar em milagres instantâneos. Já deu para perceber que grandes números de convertidos, trazendo crescimento extraordinário para as igrejas, não mudam praticamente nada em termos de restauração da família. E isso significa que muito pouco se altera no impacto que a Igreja exerce sobre a sociedade.

Precisamos acordar e começar a andar na contramão! É hora de começarmos um movimento revolucionário – no mesmo lugar em que o inimigo plantou suas sementes de destruição: dentro de casa! Nada menos do que isso trará uma verdadeira reforma para a Igreja.

2 respostas para “Editorial 61”

  1. isabellamalmeida disse:

    Olá! Como faço para a ler a edição completa dessa revista?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *