Editorial 57

Data de publicação: 01/01/2012
Categorias da Biblioteca:
Edição 57 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 57

Por: Conselho Editorial

Todo bom cristão sabe (ou deveria saber) que é proibido perguntar “Quando Jesus voltará?”. Poucas coisas foram definidas mais explicitamente por Jesus do que a impossibilidade de marcar o dia ou a hora de sua volta (Mt 24.36). Mesmo assim, como mostrou a história mais de uma vez, pessoas que dizem acreditar fielmente na Bíblia são capazes de levar muita gente a aceitar previsões (ou princípios) totalmente contraditórias às mais claras afirmações das Escrituras.

A pergunta que estamos lançando nesta edição, porém, é bem diferente: “Por que Jesus não voltou ainda?”.

Existe um pensamento muito comum, hoje, de que Cristo pode voltar “a qualquer momento”. É uma dedução equivocada do texto de Mateus já mencionado acima. Da mesma forma que é um erro tentar estabelecer uma data para a Segunda Vinda, é incorreto concluir, no lado oposto da questão, que, por ser imprevisível, esse grande dia pode simplesmente encerrar a história na Terra de uma hora para outra, sem aviso, razão ou preparação. Capítulos inteiros do Novo Testamento tratam dos sinais, dos acontecimentos e dos aspectos do plano de Deus que precisam cumprir-se antes da volta triunfal do Senhor.

“Mas a Palavra não diz que Jesus virá como ladrão de noite?”, alguém pergunta. A resposta é sim, mas somente para quem está nas trevas. Quem está na luz não será apanhado de surpresa (1 Ts 5.4,5).

Portanto, embora não possamos dizer “quando” ele voltará, temos todo direito bíblico para descobrir “por que ele ainda não voltou”.

Embora “os tempos e as épocas” foram reservados à exclusiva autoridade do Pai (At 1.7), a Palavra exorta-nos a esperar ativamente e “apressar a vinda do dia de Deus” (2 Pe 3.12), o que implica em descobrir o que está “retendo” Jesus ainda nos céus (At 3.21), ou seja, impedindo-o de voltar.

Você é um daqueles que amam a vinda de Jesus (2 Tm 4.8)? Então procure descobrir, com diligência, como contribuir para seu breve retorno!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *