Editorial 29

Data de publicação: 22/10/2011
Categorias da Biblioteca:
Edição 29 e Revista Impacto - 1998 a 2014.
Este artigo pertence a: Edição 29

Por: Conselho Editorial

Quando todo o mundo (ou, pelo menos, um número expressivo de pessoas, líderes e movimentos) começa a falar a mesma coisa, usar os mesmos termos e enfatizar o mesmo assunto, será que isto significa que Deus está falando à sua igreja? Ou será que estamos diante de um novo modismo que, depois de um tempo, passará, deixando mais divisões e partidos neste cristianismo já tão esfacelado?

Quem sabe, a resposta contém um pouco das duas alternativas. Quando Deus está para fazer algo novo no seu plano, certamente ele começa a falar simultaneamente a muitas pessoas que estão ouvindo à sua voz. Assim, sem contato entre si, muitos servos de Deus levantam suas vozes e falam do mesmo assunto que está no coração do Pai, mesmo que cada um se expresse de forma diferente e trate de aspectos diferentes da mesma verdade. Esta é, afinal, a beleza da diversidade no corpo de Cristo: cada parte revela uma faceta diferente, mas complementar, da multidimensional natureza do nosso grandioso e infinito Deus.

O problema é quando pegamos aspectos incompletos da mensagem que Deus está falando e os transformamos em métodos, fórmulas ou sistemas. Viram até mesmo modismos, onde desprezamos quem não quer entrar na “onda”, e achamos que nossa prática é a única autêntica e confiável.

O assunto que trazemos nesta edição da Revista Impacto encaixa-se bem neste contexto. Falar sobre um evento, uma conferência, uma mensagem, ou um ministério – e acrescentar a qualificação profético – está ficando cada vez mais popular.

Será que Deus está mostrando que precisamos, de maneira especial, deste ministério e ênfase no começo deste novo milênio? Não creio que possa haver dúvida sobre isto. Afinal, estamos vivendo nos últimos dias, e a restauração de profetas e profecia faz parte da promessa de Deus para esta época.

Porém, será que não corremos o perigo de transformar esta ênfase em outra “onda” passageira, em que achamos que já temos o “profético”, simplesmente porque aprendemos a usar a terminologia? Sem dúvida, isto já está acontecendo.

Por isto, acreditamos que vale a pena examinar um pouco melhor o que significa, do ponto de vista bíblico, o ser profético.

Vale sempre repetir e enfatizar aos leitores antigos e novos da Revista Impacto: não pretendemos dar uma resposta final e definitiva a nenhum dos assuntos abordados aqui. Nosso propósito é ajudar pessoas de todas as partes e ênfases no Corpo de Cristo a examinar estas coisas com mentes e corações abertos – e, principalmente, a discernir o que Deus realmente está dizendo à igreja como todo. Há muitas vozes e precisamos filtrar aquelas que são de fontes erradas, sem jogar fora as que vêm, de fato, da Fonte verdadeira. Nossa oração sincera é que as matérias nesta edição contribuam para este fim!

Uma resposta para “Editorial 29”

  1. hugofernandomg disse:

    Amém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *