Assumindo o manto real de Esther e Mordechai

Publicado em: 20/03/2022 Categorias: 2022 / Revive Israel

UM MOVIMENTO GLOBAL DE AVIVAMENTO E RESTAURAÇÃO A PARTIR DE JERUSALÉM PARA JUDEIA E SAMARIA, CHEGANDO AOS CONFINS DA TERRA E VOLTANDO NOVAMENTE PARA ISRAEL…

 

Assumindo o manto real de Esther e Mordechai
Asher Intrater
O reino de Deus vem por etapas; cada etapa tem um calendário de realização; o livro de Esther fala de uma etapa final do reino Messiânico na terra, com impacto mundial.Há várias palavras para “reino” nas escrituras hebraicas. Uma das primeiras é malkhut, מלכות. Isto aparece 91 vezes na Bíblia, e surpreendentemente, 26 vezes no minúsculo livro de Esther.

Ao longo dos livros históricos das escrituras hebraicas, encontramos muitos acontecimentos que lidam com o choque entre “Deus e Governo”. Estes eventos estão escritos na Bíblia porque contêm lições espirituais e padrões proféticos sobre o reino de Deus (veja, por exemplo, 2 Samuel 7.14, Isaías 7.14, Gênesis 22.8-13, Oséias 6.1-2, 11:1).

Talvez o maior prenúncio do reino messiânico na terra seja o reino de Salomão (referido por Yeshua em Mateus 12.42). Contudo, o próprio Salomão cometeu pecados horríveis no fim da sua vida, portanto, a prefiguração é apenas parcial.

Na minha opinião, o segundo maior acontecimento histórico que serve para prenunciar o reino do Messias sobre a terra encontra-se no livro de Esther. Isso ocorre durante o próprio auge do antigo império persa, governando sobre a maior parte do mundo conhecido naquela época.

Esther 1.1: “Agora aconteceu nos dias de Assuero (este era o Assuero que reinou sobre cento e vinte e sete províncias, desde a India até a Etiópia).’’

Assuero, também conhecido como Xerxes, governou 127 nações. Este era um império global, praticamente um governo de “um mundo só”. Os acontecimentos tiveram lugar no início do século V a.C., no final dos registros bíblicos, após o tempo de Ciro e Zorobabel, ainda antes do tempo de Esdras e Neemias.

Este pequeno livro pode ser lido como a crônica histórica desses acontecimentos, e também como uma parábola profética de acontecimentos no fim dos tempos. A história de Esther serve como uma “coroação” real ou momento culminante no período de encerramento das escrituras hebraicas.

A Pérsia antiga, no país a que agora chamamos Irã, dominou o mundo durante mais de um século inteiro. À luz dos acontecimentos atuais é, de certa forma, espantoso notar que no pico da “idade de ouro do Irã” (Pérsia), a rainha e o primeiro-ministro eram ambos judeus que acreditavam no Deus da Bíblia.

Imagino que a mistura de culturas, e talvez de etnias, era generalizada. É lógico que os “Sábios do Oriente”, tal como registrado nos evangelhos (Mateus 2.1) tinham aprendido as profecias messiânicas a partir dos ensinamentos de Daniel, Mordecai e Esdras.

No livro de Esther, há certa ênfase na escolha das datas (Esther 3.7). A primeira Pur (sortes) foi lançada no primeiro mês, “Nisã”. A data escolhida por Pur foi no décimo segundo mês do ano, “Adar”, que é portanto o mês do feriado de Purim.

Esther 3.7:No primeiro mês do décimo segundo ano do reinado do rei Xerxes, no mês de nisã, lançaram o pur, isto é, a sorte, na presença de Hamã a fim de escolher um dia e um mês para executar o plano. E foi sorteado o décimo segundo mês, o mês de adar”

O Pur foi lançado no primeiro mês, e executado no último mês. O calendário hebraico é lunar; portanto, as datas em meados do mês, 14°-15º, são quando aparece a lua cheia. A Páscoa ocorre na lua cheia do primeiro mês; Purim ocorre na lua cheia do décimo segundo mês.

A Páscoa fala do início do reino Messiânico, com a primeira vinda e sacrifício do Messias como o cordeiro da Páscoa. Purim fala de uma crise global, através da qual emerge miraculosamente uma vitória global. O plano maléfico da figura anticristo Hamã é subitamente derrubado pela figura messiânica Mordecai.

Mordecai e Esther governam juntamente com o rei persa sobre o império internacional. Que bela imagem do reino messiânico! O calendário bíblico começa com o cordeiro sacrificial no primeiro mês e termina com o reino global no último mês.

Pense no duplo, triplo e quádruplo significado do desafio de Mordecai a Esther. Você foi chamado para o reino (malkhut, מלכות) para um momento como este.

Esther 4.14: “Pois se permanecerem em completo silêncio neste momento, o alívio e a libertação surgirão para os judeus de outro lugar, mas vós e a casa do vosso pai perecerão. No entanto, quem sabe se você veio para o reino por um tempo como este?”

Este “tempo” refere-se à posição da rainha de Esther no governo persa; a data era o mês de Adar; o tempo também acontece todos os anos enquanto se lê o livro de Eshter; ‘’estes tempos” culminarão com o fim dos tempos. Cada geração tem de caminhar nas suas próprias aplicações espirituais dos padrões e precedentes bíblicos.

Há agora um tempo para nós. O “poder e o espírito” que estava em Elias também foi para Eliseu e para João Batista (2 Reis 2.15; Lucas 1.17). As pessoas mudam; as gerações mudam; mas as dinâmicas espirituais à nossa volta não mudam. Os dons e os chamados de Deus são renovados em cada geração.

Havia um certo “manto” ou “unção” que estava em Mordecai; e outro que estava em Esther. Ambos eram manifestações do Espírito de Deus. Temos acesso a todos os carismas e energias do Espírito Santo através de Yeshua, o Messias. Há um manto de Mordecai e de Eshter que está hoje à nossa disposição.

Há uma frase única encontrada três vezes no livro de Eshter: l’vush hamalkhut, לבוש המלכות. Esta expressão de duas palavras encontra-se na forma de conjunção, ou smikhut. Significa “vestida no reino” ou “vestida de realeza”. Aqui estão as três vezes:

  1. Esther vai perante o rei, vestida de beleza, para pedir graça e favor (Ester 5.1).
  2. Hamã, na sua fantasia egoísta e maligna, pede para si próprio que use as vestes do próprio rei (Esther 6.8).
  3. Mordecai aparece em traje real, depois de o rei o nomear primeiro-ministro sobre o império global (Esther 8.15).

As vestes nas Escrituras podem representar uma qualidade espiritual. O Sumo Sacerdote usava uma “veste de glória” (Êxodo 28.2); os reis tinham vestes reais especiais; os profetas tinham os seus “mantos” (2 Reis 2.13). Devemos ser revestidos com o poder do alto (Lucas 24.49). Somos instruídos a “revestir-nos com o Senhor Yeshua” (Romanos 13.14). O vestuário pode simbolizar um corpo ressurreto (1 Coríntios 15.53; 2 Coríntios 5.4). Quando se veste o tallit (xale de oração) na oração tradicional, é ser vestido com luz no mundo vindouro.

O manto espiritual que estava em Mordecai e Esther está hoje disponível para nós. Isso envolve uma revelação mais profunda do reino de Deus; oração e intercessão; autoridade profética para se opor aos espíritos do anticristo e do antissemitismo.

Vamos entrar no nosso destino e identidade como filhos do Deus Altíssimo. Vamos pegar nos mantos reais de Mordecai e Esther na nossa geração; e vamos crer nos mesmos resultados que eles tiveram. Oremos para mudar uma crise global para um testemunho global.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.