A Separação dos Caminhos (Entre o Judaísmo e o Cristianismo)

Publicado em: 26/03/2022 Categorias: 2022 / Revive Israel

UM MOVIMENTO GLOBAL DE AVIVAMENTO E RESTAURAÇÃO A PARTIR DE JERUSALÉM PARA JUDEIA E SAMARIA, CHEGANDO AOS CONFINS DA TERRA E VOLTANDO NOVAMENTE PARA ISRAEL…

A Separação dos Caminhos (Entre o Judaísmo e o Cristianismo)
Ron Cantor

“A ‘separação dos caminhos’ tornou-se nos últimos anos um modelo padrão para descrever a divisão entre o judaísmo e o cristianismo” (Judith Lieu).

James Dunn, no entanto, afirma que a separação não foi entre o cristianismo e o judaísmo, mas entre os seguidores gentios e judeus de Yeshua.
O debate não era: “Devo ser judeu ou cristão?”  mas…
  1. Um seguidor judeu de Yeshua deve ainda praticar os requisitos cerimoniais da Torá (ou seja, o kashrut, a circuncisão, o Shabbat e as Festas), e
  2. O cristianismo ainda está ligado ao judaísmo/Deus de Israel?
Eles vêem isso como o momento em que o judaísmo rompeu com o cristianismo e vice-versa. Um crente judeu em Yeshua teria que orar por maldições sobre si mesmo ao orar na sinagoga, eliminando, assim, judeus messiânicos. O judaísmo emergiu da desastrosa Grande Revolta em 70 d.C. sob a forma do judaísmo farisaico rabínico de Ben Zacchai (que fez um acordo com o General Vespasiano para escapar de Jerusalém e formar uma escola no sul de Israel). Esta é também possivelmente a época em que a 19ª benção contra os nazarenos foi adicionada, em que alguns vêem essa “separação” no final do primeiro século.
Mas Mark Kinzer afirma em “Judaísmo Messiânico Pós-Missionário” que dentro da ecclesia (igreja), eles estavam discutindo sobre a vida judaica dentro da vida do crente judeu e do crente não judeu ainda no final do século IV.

O estudioso Phillip Cunningham afirma que…

Muitos cristãos continuaram a ser fortemente atraídos pelas tradições judaicas. Esse fascínio não só levou esses gentios a adotar alguns costumes judeus de forma informal, mas também encorajou um número significativo de [crentes] — tanto judeus quanto gentios — a continuar algum grau de prática judaica dentro das comunidades da igreja.
Parece que durante séculos alguns cristãos frequentariam funções de sinagoga e liturgias da igreja local. As fronteiras entre os dois grupos permaneceram bastante porosas por um período considerável (muito depois do primeiro século).”

Lindemann, Albert S.; Levy, Richard S. – Antissemitismo (p. 57). OUP Oxford. Kindle Edition.

Isso era problemático para muitos dos bispos que foram ameaçados pelo fascínio contínuo pela vida judaica por seus membros. Isso levou a alguns ataques cruéis de líderes ciumentos contra o povo judeu. Os oradores pegaram passagens do Novo Testamento que, em contexto, foram debates interfamiliares e as reimaginaram de uma maneira que tornou Yeshua (um judeu fiel, observador em todos os sentidos) antissemita.

Repreensões contra líderes corruptos foram feitas para parecerem como repreensões contra judeus em geral. Lembre-se, todo seguidor de Yeshua era judeu, e Ele era amado pelas massas. Prenderam-no em segredo porque “temiam a multidão” dos judeus! (Mt 21:46)
Cunningham continua: Tomando passagens polêmicas do Novo Testamento, que havia surgido principalmente como parte de um debate judeu interno, e lendo as críticas internas dos profetas hebreus como evidência de constantes fracassos judaicos, professores cristãos atacaram a respeitabilidade do judaísmo”, com extrema retórica.
No século III, o estudioso Origen acusou toda a nação judaica de “conspirar contra o Salvador da raça humana”.
Um dos ataques mais antissemitas e demoníacos contra o povo judeu veio de John Chrysostom em Antioquia em sua série de sermões “Contra os Judeus” (esse era o título!). Onde ele alegou, entre outras coisas, que era dever de todo cristão odiar os judeus. Aqui está um trecho:
A sinagoga é pior que um bordel… É o covil de canalhas e o reparo de bestas selvagens… o templo dos demônios devotos de cultos idólatras… o refúgio de bandidos e pervertidos, e a caverna dos demônios. É uma assembleia criminal de judeus… um lugar de encontro para os assassinos de Cristo… uma casa pior que uma taverna… um covil de ladrões, uma casa de má fama, uma moradia da iniquidade, o refúgio dos demônios, um precipício e um abismo de perdição… Eu diria as mesmas coisas sobre suas almas…  Quanto a mim, odeio a sinagoga… Eu odeio os judeus pela mesma razão.
Ele proibiu seus membros de irem à sinagoga. Por quê? Porque muitos estavam indo para a sinagoga judaica na esperança de aprender algo valioso. Enquanto Crisóstomo era claramente antissemita, alguns em sua paróquia eram filositas (tendo um apreço pelo povo judeu e sua história).
Se a divisão judeu/cristã — a separação dos caminhos — já havia ocorrido no final do primeiro século, por que eles ainda estão falando sobre isso 300 anos depois?
Claramente, muitos crentes, judeus e não-judeus, viam favoravelmente os judeus e seus costumes.
Sabemos que até 325 d.C., muitos na Igreja ainda usavam a Páscoa Judaica para lembrar a morte e a ressurreição de Yeshua. Essa foi uma das principais razões para o Conselho de Nicéia. Parte da carta do Imperador Constantino na conclusão do Conselho:
“Declarou-se particularmente indigno para isso, o mais sagrado de todos os festivais, a se seguir… os judeus, que tinham sujado as mãos com o mais temeroso dos crimes, e cujas mentes estavam cegas. Não devemos, portanto, ter algo em comum com os judeus, pois o Salvador nos mostrou outro caminho…”
Alguns bispos, como Victor de Roma em 190 d.C., foram tão ameaçados por isso que quiseram excomungar qualquer crente que celebrasse a morte e a ressurreição de Yeshua na Páscoa Judaica. Seria debatido por mais 135 anos antes que os Bispos de Nicéia a proibissem, mostrando que muitos cristãos continuaram a celebrar a Páscoa. Por que proibi-lo se ninguém estava observando?  O Conselho da Igreja só tratava de questões relevantes.
Mais um exemplo. Em 306, em Elvira, Espanha, um conselho da igreja proibiu os cristãos de comerem com judeus ou permitir que eles abençoassem suas plantações. Por quê? Obviamente, isso estava acontecendo em um nível que mantinha os bispos alarmados.

Implicações

O que começou  como  um cisma interno dentro da ecclesia tornou-se “o cisma … entre a ecclesia multinacional e o povo judeu” (Kinzer, 211).

Em outras palavras, antes que a Igreja se separasse completamente do judaísmo, ela primeiro se separou de seus membros judeus. Parafraseando Jerônimo de Striden, um teólogo do século IV, “Aquele que seria cristão e judeu, não pode ser nem cristão nem judeu”, um mantra que tanto o cristianismo e o judaísmo tradicionais viriam a abraçar.
Assim, para que a cura ocorra, o cristianismo não está apenas buscando a reconciliação com o judaísmo, mas com os seguidores judeus de Yeshua que tiveram que negar seu judaísmo para abraçar o Messias judeu.
Kinzer cita Thomas Torrance: “O cisma mais profundo no único Povo de Deus é o cisma entre o cristão e a Igreja Judaica” (Kinzer, 212) — ou seja, crentes gentios e judeus messiânicos.

Você não pode tratar o resultado da doença sem lidar com a raiz da doença.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.